sexta-feira, 15 de abril de 2011

Obras na Igreja do Colmeal

Ao fim de tanto tempo de espera, a Igreja do Colmeal, desde Setembro de 2010 que se encontra em obras de reconstrução.
A presente obra, surgiu no seguimento da constatação da premente intervenção e após uma análise pelos membros da Fábrica da Igreja, do estudo e projecto do arquitecto António de Almeida (Tó) e da consulta à Diocese.
Houve a preocupação de preservar o património, quer no contexto físico, quer na talha, pintura de tectos e altares, tendo sido este trabalho entregue a uma empresa certificada em restauro de Igrejas. As obras inicialmente previstas no restauro de altares, tectos e de toda a estrutura do edifício, foram orçadas, aproximadamente, em cerca de trezentos mil euros.
No entanto, no decorrer da obra, verificou-se a necessidade de intervenção de uma empresa de arqueologia e antropologia, acção que está ainda a decorrer e sem data previsível para o seu terminus, o que tem tido como consequência, a morosidade e o encarecimento da obra.
A Fábrica da Igreja, já recebeu alguns donativos e tem algum dinheiro, todavia longe do montante necessário. Desta forma, apelamos a uma ajuda, já que se trata de uma obra que é da paróquia e para a paróquia.
Apresentamos a listagem dos donativos recebidos, até à data:
Carlos Alberto de Almeida (Ádela) 300 euros; António Domingos Santos (Lisboa) 500; União Progressiva da Freguesia do Colmeal (Colmeal) 2.500; António Alcindo de Almeida (Colmeal) 500; Carla Fontes de Almeida (St. António Cavaleiros) 100; Maria Alice Henriques (Lisboa) 500; Alice Maria Henriques (Lisboa) 500; Anabela Brás Henriques (Lisboa) 250; Artur Domingos da Fonte (Forte da Casa) 100; Isaura Ricardo (Soito) 20; Jaime Martins de Almeida (Açor) 500; Maria Isabel Brás Mendes (Aldeia Velha) 50; José Martins Mendes (Aldeia Velha) 100; José Martins (Pracerias) 20; Anónimo (Lisboa) 50; Rui Ferreira (Colmeal) 20; Abílio Fernandes de Almeida (Ádela) 50; Arminda Almeida Fernandes (Ádela) 20; José Domingues (Ádela) 500; Maria de Lurdes Ferreira (Colmeal) 20; Isabel Ferreira (Colmeal) 20; Maria Ilda Martins (Açor) 300; Silvana Alves Almeida (Ádela) 30; António A. Braz (Colmeal) 20; Lisete Matos (Açor) 300; Maria Augusta Fontes e marido (Ádela) 15; Família de Carlos da Eira (Álvaro, António, Fernando, Mário, Carlos e Graça) (Colmeal) 120; Anónimo (Lousã) 500; Luís Santos (Carrimá) 50; Justino Geraldes (Colmeal) 20; Fátima Freire (Colmeal) 50; Ermelinda Freire Branco (Lisboa) 100; José Augusto dos Santos (Suiça) 500; Nelson Henriques e Catarina Domingos (Colmeal) 70; Fernando Neves (Charneca da Caparica) 30; Monsenhor André Almeida Freire (Coimbra/Colmeal) 2.500; Lara e Guilherme Almeida Trindade (Colmeal) 100; Armando Marques Brás (Soito) 50; José Fernandes (Ádela) 50; Joaquim Fontes Almeida (Colmeal) 50; Carminda Freire e António Santos (Lisboa) 500 e Luís Silva (Colmeal) 100.
Total recebido: 12.075,00 euros
Agradecemos desde já, a todos, a sua colaboração.
Pela Fábrica da Igreja,
José Álvaro Domingos

3 comentários:

Alice disse...

Até que enfim a nossa igrejinha parece outra.
O estado a que chegou preocupava a todos e agora está no caminho certo para brevemente voltar a receber os colmealenses.
Uma reconstrução como a que nos apresentam e se vê em parte nas fotografias não é coisa de tostões, como se dizia no meu tempo.
Todos nós, onde eu me incluo, estaremos disponíveis para dar o nosso contributo. O pouco de cada um faz o muito como se ouve na sabedoria popular.
E responderemos presente pela memória dos nossos pais.

Artur Iria disse...

Finalmente a Igreja do Colmeal no exterior já se parece verdadeiramente com aquilo que é deixando de ter aquele aspecto de ruina eminente,de que nos ia cair em cima da cabeça infelizmente, a pala desta reconstrução apareceu uma equipa de arqueologos ("após denuncia") que descobriram o el dourado deles, certamente no fundo do desemprego, há semanas que vivem a conta da Fabrica da Igreja e das ofertas feitas, numa exploração arqueologica das ossadas que se encontram no chão da greja e que estão a ser levantadas como se se trata-se da epoca do homem de neandertal, as ossadas merecem todo o respeito, deviam ser retiradas e colocadas num lugar proprio no cemiterio, agora o que estão a fazer acho, sendo eu um leigo no assunto é um aproveitamento indecente com custos astronomicos para as tão depauperadas contas da Fabrica da Igreja. e teria curiosidade de ler um relatório elaborado por esses senhores a quem estamos a pagar principescamente por um trabalho sem qualquer utilidade pratica, senão satisfazer "Leis absurdas" para uma situação absurda, de um pais falido, a que paga-mos a esta gente sem pestanejar.

Se calhar os poderes publicos gostavam mais que o patrimonio tivesse caido de vez. Aqui sem qualquer ajuda quer do estado quer da camara de Gois, somos ainda explorados desta maneira indecente.!!

Rui Pinheiro disse...

Só agora é que reparei no comentário; no dia 21 de Setembro; insultuoso do Sr. Artur Iria acerca dos trabalhos arqueológicos que se realizaram na Igreja do Colmeal. Eu como director da intervenção arqueológica realizada na dita igreja sinto-me ofendido no meu bom nome e no bom nome de toda a equipa que realizou a intervenção arqueológica. 1 ponto- não tenho a 4ª classe, sou um técnico superior; a recibos verdes;altamente especializado na minha ârea. 2 ponto- trabalho não me falta, quer vir escavar terra dura aqui no Alentejo nos próximos 2 anos pelo menos? 3º ponto- se não sabe a Lei que rege o nosso Património, e o desconhecimento da Lei não é desculpa para não cumpri-la, então não fale daquilo que não sabe. 4º ponto- acredite que com outras empresas esse trabalho iria demorar muito mais. 5º ponto vou-lhe dar alguns números para ficar elucidado: em 4 meses de escavação efectiva escavou-se 165 m2, retirou-se 305 esqueletos; números por baixo,; e isto em média com 3,5 pessoas dias. Quer que lhe diga quantos metros cúbicos de terra se retirou??? O que peço é só respeito por quem trabalha, trabalho honesto, paga os seus impostos e está longe da sua casa. Mais um pormenor acerca do "relatório" este trabalho vai servir de base ao meu trabalho de mestrado na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, saindo daqui a muito pouco tempo, dois três dias um artigo científico com dados preliminares acerca da escavação na Igreja Matriz do Colmeal.
Boa noite
Rui PInheiro
Arqueólogo director da intervenção arqueológica na igreja matriz do Colmeal.