segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

AINDA AS TELECOMUNICAÇÕES



A propósito de uma ocorrência triste verificada para os lados da Sertã, a Altice terá afirmado ter já reposto o serviço de telefone fixo, em mais de 99% do universo afetado pelos incêndios de outubro. Passados quatro meses, ainda assim duvido da afirmação, por experiência própria e pelo que me dizem. Mas, a ser verdade, resta saber em que condições. 

Em Açor e Ádela, na União de Freguesias de Cadafaz e Colmeal, apenas ontem, dia 22 de fevereiro, fomos visitados por um conjunto de brigadas da MEO. Chegaram de rompante, em vários carros, sem aviso ou simples contacto prévio, a propor aos clientes a instalação de telefone por satélite. De telefone, mas não de internet, mediante recuperação de uma solução tecnológica aparentemente em vias de extinção. O próprio equipamento – um caixotão enorme e, lá fora, uma antena gigantesca e um cabo grossíssimo, que muito desfeiam o que já não estava bonito - será uma reutilização de equipamentos substituídos, nomeadamente no Alentejo, onde serviam o povoamento disperso. Um investimento razoável, pelo menos em mão-de-obra, já que as equipas, gente muito simpática, vieram de Coimbra, mas sobretudo do sul do país. E a fibra ótica aqui tão perto, a 6 Km para o Colmeal e 10 para a Selada das Eiras!

Aceitei a proposta, mesmo sem informação sobre eventuais alterações contratuais. Tendo eu andado a reclamar da incomunicabilidade em que nos encontrávamos, inclusive para a ANACOM, não me pareceu legitimo recusar, tratando-se, embora, de uma resposta incompleta, face às minhas necessidades e ao pacote contratado. Mas com a intenção de rescisão, caso o fornecimento de internet não se verifique a curto prazo.

Serve esta narrativa simultaneamente pessoal e coletiva, para partilhar a preocupação com os indícios de agravamento das assimetrias a que estamos a assistir, contrariamente às expetativas criadas na sequência dos incêndios. Assimetrias entre cidadãos e territórios, inter e intraregionais e locais. Poderia dar vários exemplos, mas fico-me pelo aceso à internet, que é hoje um direito e um bem essencial, aliás apropriados, como agora se viu com a resistência das pessoas à aceitação do serviço de telefone sem internet. 

Quando se fala da cobertura do país com fibra ótica, mas depois há localidades que ficam a descoberto, como sem uma simples rede wifi, o que é se não promover a desigualdade de oportunidades e a discriminação de populações, a intensificação do isolamento e da descoesão social já existente? 

Por definição, as empresas são entidades que prestam serviços, visando o lucro, e contribuindo para o desenvolvimento dos países. Desde que no respeito pelas práticas e valores comummente aceitas, é o que delas se espera. Já dos poderes instituídos … Como é que fica o seu discurso sobre as medidas de discriminação positiva que é preciso tomar para revitalizar e dinamizar o interior, atrair e fixar residentes, superar o despovoamento, que sufoca os meios urbanos e provoca incêndios nos rurais? Quando não é fácil atrair e fixar empresas sustentáveis e profissionais qualificados, porque não começar por assegurar as condições infraestruturais para tanto necessárias, passando das palavras aos atos, paulatinamente, pouco a pouco acionando sinergias? 

Entre outros fatores, que aqui me dispenso de mencionar, o repovoamento e o futuro dos territórios socialmente deprimidos também passa pela possibilidade de trabalho a distância e interação global, bem como pela valorização do património material e imaterial suscetível de alavancar as diferentes formas de turismo. Sem telecomunicações aceitáveis, nomeadamente internet e redes móveis, como fazer isso? Quererá alguém vir viver para as aldeias? Sentir-se-ão os visitantes seguros e confortáveis? Continuarão os amantes da sua terra natal ou de origem a vir de férias e nos fins de semana? Quererão algum dia regressar? E os seus filhos e netos? 

Lisete de Matos 

Açor, Colmeal, 23 de fevereiro de 2018

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

INFORMAÇÃO


Wi-Fi no Colmeal

O Município de Góis e a União Progressiva da Freguesia do Colmeal assinaram um Protocolo de Cooperação, no âmbito do “Programa Valorizar”.
Pretendeu-se com a celebração deste Protocolo potenciar o acesso dos agentes locais às novas tecnologias da informação e da comunicação, promovendo a disponibilização de acesso wi-fi em centros históricos e em zonas de afluência turística. Tomada em consideração a extensão territorial do concelho e o respectivo isolamento de muitas povoações, bem como o difícil acesso à comunicação com, e do exterior, foi definido como ponto mais apropriado para a instalação do equipamento indispensável para o acesso wi-fi, o edifício do Centro de Cultura e Convívio.
A União Progressiva da Freguesia do Colmeal manifesta o seu enorme regozijo pela celebração deste Protocolo, e por poder anunciar, aos seus associados e amigos, uma melhoria que brevemente estará disponível e a todos virá beneficiar.

III PASSEIO TT – ROTA das COLMEIAS

Como já foi anteriormente noticiado, a União Progressiva da Freguesia do Colmeal vai realizar o III PASSEIO TT – ROTA DAS COLMEIAS, no próximo dia 18 de Fevereiro.

Como habitualmente, estamos a trabalhar com entusiasmo, para que a iniciativa, tal como as anteriores, seja coroada de êxito. Continuamos a apostar na divulgação da região, com a vinda de muitos entusiastas e amantes da modalidade.
Tivemos a preocupação de delinear um percurso que consideramos interessante, que levará os participantes por aldeias e casais, enfrentando subidas íngremes e descidas acentuadas, sempre envolvidos por maravilhosas paisagens, este ano tristemente pintadas de castanho-escuro.

Após o pequeno-almoço no Centro de Cultura e Convívio, será dada a partida, pelas nove e meia, para percorrer o seguinte itinerário:
Da parte da manhã: Colmeal – Candosa – Cadafaz – Carvalhal – Aldeia Velha – Posto de vigia das eólicas – Quinta das Águias – Soito – Colmeal.

O almoço, pelas 13:30 horas, será no Parque de Máquinas.
Depois, seguir-se-á a sempre espectacular e facultativa pista de obstáculos na Portela.

Será para nós muito gratificante podermos contar com a V/ presença, de familiares e também dos vossos amigos. Vai ser um dia completamente diferente, o que se vai viver nesta freguesia, cada vez mais desertificada e muitas das vezes esquecida.

CAMINHADA

A União Progressiva já começou a preparar a próxima caminhada. Será no dia 5 Maio, o primeiro sábado do mês. O itinerário a percorrer está a ser avaliado ao pormenor pela nossa Delegação no Colmeal, tendo em atenção os enormes danos provocados pelos incêndios do ano passado. Há barreiras caídas e muitas árvores tombadas. A segurança dos participantes é a nossa principal preocupação.
Tão breve quanto possível, dar-vos-emos os pormenores do percurso e a informação habitual para que atempadamente procedam à inscrição.
Prometemos que vai ser espectacular!

ÚLTIMO TRIMESTRE DE 2017 - ACTIVIDADES

Foi um trimestre repleto de actividades. Vamos começar pelas de Dezembro.

NATAL na CABREIRA e no COLMEAL

Desde que a Unidade Residencial Sagrada Família, da Cáritas Diocesana de Coimbra, começou a funcionar na Cabreira, a União Progressiva da Freguesia do Colmeal ali faz uma visitinha pela época natalícia.
Um miminho, uma palavra de simpatia e de conforto, um sorriso, a generosidade de um pequeno gesto.


Foi no domingo, 10 de Dezembro, após o almoço com os utentes e antes de iniciada a celebração da missa, pelo senhor Padre Luís Costa.
Para a próxima quadra natalícia esperamos ali voltar.
Com um sorriso e um pouco de ternura.

De manhã, no Colmeal, no Centro de Cultura e Convívio, o calor humano sobrepôs-se ao emanado da lareira. Mantendo uma tradição de décadas, de levar um brinquedo aos mais pequenos e de há alguns anos a esta parte, uma prendinha também àqueles que nunca foram meninos, a União apresentava na sala de entrada uma mesa bem guarnecida para o habitual convívio. Uma palavra de agradecimento para as senhoras que na cozinha deram o seu melhor e também para as que nos ofereceram deliciosos bolos e outras maravilhosas sobremesas. Solidariedade no seu melhor. Como sempre. 


Árvore de Natal enfeitada, embrulhos, uns maiores e outros mais modestos e a natural curiosidade dos pequenotes tentando adivinhar o que lhes caberia em sorte. Palavras de circunstância pelos responsáveis da União – Direcção e Assembleia-Geral e também o agradecimento da Junta de Freguesia pela entrega de um segundo cheque, proveniente de donativos de associados da colectividade para obviar às situações mais prementes causadas pelos incêndios, como aqui já referimos anteriormente.

MAGUSTO
É uma tradição que a União vem mantendo. Foi no sábado, 4 de Novembro. Reuniu muitos colmealenses numa tarde em que a meteorologia esteve colaborante. De assinalar a presença de muitas pessoas de outras aldeias e também de fora da freguesia, apesar de haver muitos magustos a serem realizados no mesmo dia. As aldeias tentam manter as suas tradições, o que é muito louvável.


Castanhas, torresmos, jeropiga, água-pé, sobremesas e boa disposição. Um convívio que se prolongou pela tarde fora. Naturalmente que os recentes incêndios florestais que haviam assolado e devastado o país, a região e em particular a nossa freguesia, eram o assunto predominante nas conversas.
Fazemos votos para que no próximo magusto o assunto das conversas seja outro.

FIM-DE-SEMANA no PORTO

Classificada como Património da UNESCO em 1996, a cidade do Porto é actualmente um dos destinos mais procurados, tanto por nacionais como por estrangeiros. Os Colmealenses cruzaram-se com grupos de juntas de freguesia e câmaras municipais, de universidades seniores e associações de reformados, com turistas espanhóis (em grande número), franceses, ingleses e alemães, outros vindos do país do sol nascente e ouvimos sonoridades linguísticas de países do leste europeu. Milhares de pessoas, em que nos incluímos, a tentar ver, visitar e a comprovar os motivos porque o Porto é neste momento considerada e já não o é pela primeira vez, o melhor destino europeu. Avenida dos Aliados, Praça da Liberdade, o Mercado do Bolhão com o seu linguarejar tão característico, Santa Catarina e o Café Majestic, a preciosa Livraria Lello e as suas infindáveis filas de visitantes, Praça da Batalha, Estação de São Bento e os seus azulejos ilustrando a evolução dos transportes e cenas da história e vida portuguesas, a pitoresca Ribeira com os seus recantos e encantos, as pontes que ligam as duas margens. No mini cruzeiro que fizemos passámos por seis delas.
As caves do vinho do Porto e o passeio no teleférico de Gaia, a Cedofeita, o Parque da Cidade, Casa da Música, a Foz. Dos Guindais à Cerca Fernandina. A Avenida da Boavista, o Passeio dos Alegres, a monumental Sé de cujo terreiro se pode desfrutar de uma magnífica vista da cidade, a Igreja de São Francisco com um belíssimo interior em talha dourada, o Palácio da Bolsa, também ele considerado Monumento Nacional, e o seu Salão Árabe. Serralves antes do regresso.
Um excelente fim-de-semana, este, de 14 e 15 de Outubro. Os Colmealenses tinham-no sugerido. A União fez-lhes a vontade. Levou-os lá. Valeu a pena.
Percebemos porque o Porto é considerado o melhor destino europeu.


























Do almoço de aniversário já vos demos conta neste espaço, bem como da reunião com a Junta de Freguesia, na véspera do magusto, onde fizemos a entrega de um donativo para enfrentar as situações mais urgentes criadas pelos incêndios florestais.

UPFC