domingo, 4 de junho de 2017

BELEZAS E RIQUEZAS DA SERRA. OBSERVAÇÕES


A serra não para de me surpreender. Costumava vestir-se de vermelho arroxeado e amarelo, mas, este ano, é o amarelo que releva, sobre a tela verde-acinzentada e ondulante da paisagem. Também riscada e, por vezes nua, em virtude do abate generalizado do arvoredo, antes que alguma praga - inseto ou fogo - o consuma.




Nesta altura, a queiró é a planta arbustiva responsável pelo avermelhado e, com as restantes urzes, pela cor escura e o sabor agridoce do mel da região, um produto sobejamente conhecido e apreciado. Devido às secas que nos afligem – a da falta de água e outras – possivelmente a queiró desabrochou e secou mais cedo, deixando para a carqueja, a giesta e o tojo o protagonismo nas pinturas de primavera.



Realmente, apesar de o céu nebulado, o amarelo refulge e grita por toda a parte, a simbolizar luz e calor, a reclamar energia, prosperidade e felicidade. Espera-se! Porque também pode representar aviso, como nos semáforos! Por exemplo, de risco acrescido de desertificação e incêndio ou do imperativo de novas práticas de gestão e exploração florestal.






A propósito, há zonas onde continua a fazer-se a limpeza não da floresta sobrante, mas de uma faixa da mesma junto às estradas. A tratar-se de uma medida eficaz, qual o critério com que é tomada tão seletivamente, uma vez que não cobre grande parte do território?



E, falando de vias de comunicação, recentemente, a estrada Colmeal-Ádela e o inverso foi asfaltada, uma melhoria assinalável para residentes e visitantes. Nunca será de mais sublinhar a importância da rede viária e das telecomunicações para a sustentabilidade das regiões. Parecendo ter ficado mais estreita e com as margens exteriores altíssimas em algumas curvas, as bermas foram atapetadas a saibro, esperando-se que resista à chuva necessária e à erosão do uso!

Atualmente, a boa notícia é que a dita estrada vai ser dotada de traço central, a julgar pelas manchitas que enfeitam o asfalto até à estrema com o concelho de Arganil, a caminho da Selada das Eiras. As divisões administrativas sempre a fazerem das suas, como se fossem mais importantes do que as pessoas! Absurdo dividir ao meio uma estrada tão estreita e curvilínea? Será, para os utilizadores ocasionais. Para os outros, o traço branco é um prestimoso auxiliar de condução nas muitas noites de nevoeiro, embora este seja mais frequente no troço pertencente ao concelho vizinho.




Outra boa notícia é que vi pela primeira vez um casal de cartaxos. Parei de pasmo perante a beleza que se avistava e ali estavam eles, no topo da serra e no meio do nada, ele a saudar-me (ou a ameaçar-me desabrido, não percebi), ela, tímida, a manifestar-se baixinho, meio escondida nas medranças de um pinheiro. Andavam no mesmo sítio no regresso da terra onde fui, mas não no dia seguinte.



Nesse dia, no seguinte, o que vi foram aves de rapina a planarem felizes sob as nuvens estéreis que toldavam o céu, e um esquilo tão pequeno, que mais parecia um ratinho do campo! Porém, trocista e curioso como os outros, depois de escalar apressado o pinheiro mais próximo!



Ao longe, o cucar do cuco fazia-se ouvir. Apesar de o mau carater com que a natureza o bafejou, era, antigamente, uma presença muito desejada, por vir com o tempo das sementeiras. “Entre março e abril ou o cuco é morto ou não quer vir”, dizia-se, quando tardava. Como não se deixa “apanhar”, mando uma mancheia de pútegas, que são contemporâneas e parasitas como ele. Por aqui, estão em vias de desaparecimento.





Lisete de Matos

Açor, Colmeal, abril de 2017.

5 comentários:

Maria Clara Costa disse...

Lindas fotos. A Fauna e a Flora me fascinam. Obrigada

Anónimo disse...

Esta serra é um paraíso! Linda de morrer. Lindas são também as palavras que tão bem descrevem esta linda região. Parabéns e obrigada!
Anabela João

Álvaro Lopes de Oliveira disse...

Autentica poesia. Nas imagens e nas palavras

Anónimo disse...

É tão refrescante, esta janelinha que a Drª Lisete nos abre regularmente sobre a serra... Faz bem aos olhos e à alma!
Bem-haja!
Deonilde Almeida

António Santos disse...

Poesia, poesia autêntica, como já anteriormente foi referido. Beleza nas palavras e nas fotos. Que nos deliciam e nos encantam. Ainda bem que há olhos que contemplam e partilham.
OBRIGADO.