quarta-feira, 15 de março de 2017

BELEZAS E RIQUEZAS DA SERRA. NEVE DE POUCA DURA


Nevou, hoje. Uma neve rara e rala, macia e fresca, que caia suave e brandamente, esvoaçando calada por aqui e por ali. 

Apesar de pouco densa, rapidamente, pareciam outras a observadora e a natureza circundante. Revestidos daquela beleza translúcida e pintalgada de branco, as casas lembravam aguarela esbatidas, a magnólia florida perdia-se no conjunto, o castanheiro despido sentia-se afagado, as cameleiras e as oliveiras choravam, agradecidas. 










As espécies mais pequenas, essas enregelavam, caso das couves ditas galegas (em sinal de apreço ou preconceito?), da erva-leiteira (quelidónia, seruda, erva-andorinha …) ou da cebola-albarrã, trazida na esperança de afugentar as toupeiras ceguetas que desenraízam as plantas. 




Enquanto os lírios resistiam quaresmais e direitos, vaidosos e convencidos, os narcisos dobravam-se em busca do reflexo da própria imagem na neve passageira. Os primeiros resistem desde o tempo em que os jardins representavam um luxo porque a terra era escassa para assegurar o sustento das famílias, os segundos, desde a criação do mito, apesar de o narcisismo ser fatal!



Quanto poder transformador do ânimo das pessoas, da natureza e das coisas! Sendo a neve apenas água solidificada em cristais ínfimos, uns farrapinhos voláteis, simples e efémeros, se isolados! Um fenómeno meteorológico verdadeiramente mágico e fascinante! 

Foi neve de pouca dura! Apesar disso, quando o nevoeiro cinzentão chegou para anunciar o anoitecer próximo, ao longe, o topo da serra ainda branquejava, ainda emocionados, dois verdilhões beijavam-se …




Sem poder mostrar um nevão daqueles que encantam outras altitudes com as suas vantagens e inconvenientes, e que a “Ti” Aurora dizia serem bons para desinfetar as terras de malinas e pragas nocivas, é assim, “quem dá o que tem a mais não é obrigado”.

Lisete de Matos

Açor, Colmeal, 3 de março de 2017.

4 comentários:

Sérgio Moreno disse...

Parabéns pela belíssima reportagem tão actual. Quem me dera poder partilhar estes momentos.Até à próxima.

Sérgio Moreno

Manuela disse...

Que belas imagens Lisete! Estás de parabéns! Beijinho

Anónimo disse...

Lindíssimo!|
Obrigado por partilhar connosco estes momentos!

Rui Ferreira

Anónimo disse...

Lindo! Que imagens inspiradoras para uma pintura... Que privilégio presenciar momentos destes! Que sorte, termos uma Lisete que os partilha connosco! Bem haja pela sua partilha.

Deonilde Almeida