quarta-feira, 28 de setembro de 2016

COLMEAL foi a CABO VERDE (V)


De novo no Sal, para os derradeiros dias da nossa viagem. O autocarro esperava-nos para nos conduzir ao Hotel, onde a equipa de animação, extremamente simpática, apercebendo-se do nosso regresso, nos acolheu de forma bastante alegre e efusiva. Tinham sentido a falta do Grupo do Colmeal.





O Sal é uma ilha caracterizada pelas suas extensas praias e uma extasiante paisagem lunar. A “nossa praia”, a de Santa Maria, a que aqui já nos referimos, com vários km de extensão e banhada por águas límpidas e mornas de um azul-turquesa, convidava-nos a prolongados banhos e a um descanso completo e retemperador.
  
A vila de Santa Maria situa-se junto a uma extensa praia de areia clara e mar azul cristalino. Ao pontão chegam diariamente os pescadores que ali descarregam o peixe, pela manhã, sendo possível ver chegar atuns e outras espécies, fruto da sua pesca.
As salinas existentes em Santa Maria revelaram-se ainda no século XVIII, uma fonte de receita interessante no fornecimento dos navios que a demandavam para se abastecer desse precioso produto, ao mesmo tempo que compravam à pequena comunidade local carne salgada (chacina), em troca de produtos manufacturados. As de Pedra de Lume, que mais à frente visitaremos, surgem ainda no fulgor da indústria de extracção do sal. Actualmente com a população mais jovem do arquipélago, a ilha do Sal passou a viver nas décadas recentes à base da exploração turística, sendo procurada por gente de todo o mundo, mas sobretudo da Europa, à distância de poucas horas. Santa Maria é a zona turística por excelência e aqui se situam as mais importantes estruturas hoteleiras de Cabo Verde.  




















Continuamos até Buracona com as suas piscinas naturais e onde pudemos admirar o fascinante “Olho Mágico”. Seguiu-se a zona fértil da “Terra Boa” com uma paragem para observar o interessantíssimo fenómeno das “miragens”.








Depois, Espargos, a capital da ilha e o mais importante centro urbano.
Breve pausa para um café, antes de prosseguirmos até às Salinas de Pedra de Lume, localizadas na cratera de um antigo vulcão, para onde a água do mar se infiltra, e que são já consideradas Património Cultural Nacional. Após a entrada, ultrapassado que foi um curioso pequeno túnel, que parece separar dois mundos distintos, deparamo-nos com uma paisagem única e mesmo inacreditável face à sua beleza, com as cores do solo coberto de sal a variar entre o azul-turquesa, branco e rosa.







Ainda restam partes de um engenhoso teleférico em madeira, estrutura que era utilizada para o transporte do sal até à armazenagem. A exportação de sal para toda a costa africana e para o Brasil processou-se até meados do século XX. Numa parte das salinas foi possível tentar mergulhar nas suas águas, mas a elevada concentração de sal, um teor 24 vezes superior ao da água do mar, impede que as pessoas consigam ir ao fundo. Ficámo-nos pela flutuação e pelas muitas risadas que algumas situações provocaram. Valeu a pena a experiência. Uma experiência UNIKa.












Palmeira, aldeia de pescadores que tem evoluído significativamente, orgulha-se de ser o “coração da ilha”, pois pelo seu porto entram os produtos para consumo. Também ali se encontram as estações dessalinizadoras e de produção de energia eléctrica da ilha.
Após o almoço, continuamos a disfrutar o melhor possível dos minutos que sentíamos já a escassear. A hora do regresso aproximava-se. E o relógio não parava.








O jantar de despedida teve lugar numa sala reservada para o grupo.  
No momento próprio, o presidente da Direcção e o Vice-presidente da Assembleia Geral, dirigiram palavras de muita satisfação pelo modo como tudo decorrera e de agradecimento a todos quantos, corajosamente haviam aceitado o desafio proposto pela União Progressiva da Freguesia do Colmeal para se aventurarem à “redescoberta de Cabo Verde”. No final, a responsável da UNIK recebeu da União uma placa alusiva a esta memorável viagem e a representante do operador Soltrópico, que acompanhou o Grupo, uma bonita “boneca crioula”.















A noite continuou com muita animação. Pela manhã, foi o adeus à praia de águas calmas. E o inevitável regresso aconteceu. Lisboa esperava este Grupo fabuloso.















A UNIK e a UPFC estão de parabéns. Foi realmente um sucesso.

A Direcção
Fotos de vários participantes 

2 comentários:

Anónimo disse...

Mais uma reportagem, a 5ª, esta dedicada à Ilha do Sal.
Pode ver-se pelas fotografias que todo o grupo se sentiu feliz, alegre e bem disposto.
Pudera, com boa praia, boa comida e boa música, o pessoal esqueceu as agruras da vida.
Por tudo isto o meu obrigado à Associação do Colmeal.
Manuel Lemos
Sócio

Anónimo disse...

A Ilha do Sal proporcionou-nos um final em beleza. Gostei muito das 3 Ilhas que visitámos, todas me surpreenderam com suas diferentes paisagens, história, alegria e simpático acolhimento de toda a gente por onde passámos. Os meus agradecimentos aos três elementos da organização e a todos os companheiros de viagem que foram espectaculares para comigo.
Maria Clara