sexta-feira, 6 de julho de 2012

Ilda Reis (III)




Ilda Reis (Lisboa 1923 – 1998).
“Desde o início dos anos 70 as suas formas orgânicas, o uso que fazia da cor, do verde-esmeralda ao vermelho escarlate, o gesto incisivo e expressivo que incutia nas suas matrizes, fossem de metal ou de madeira, tornaram-na uma referência incontornável no panorama da arte gravada em Portugal.”

Notas tiradas do Catálogo da Retrospectiva da sua obra gráfica que esteve patente ao público na Biblioteca Nacional de Portugal, de 14 de Outubro de 2008 a 17 de Janeiro de 2009, ao Campo Grande, em Lisboa.

Gravura “Tempo de vida IV, 1971”
Lisboa, Espólio Ilda Reis 

Sem comentários: