sexta-feira, 18 de agosto de 2017

COLMEAL - A União foi a S. TOMÉ E PRÍNCIPE – Uma viagem de sonho (1)


A União Progressiva da Freguesia do Colmeal foi a S. Tomé e Príncipe, como havia sido noticiado após o regresso de Cabo Verde, em Julho do ano passado.
Foram dias de autêntico sonho num dos últimos paraísos existentes ao cimo da terra. A partida de Lisboa foi no dia 22 de Julho. Na capital, S. Tomé, no agradável espaço do hotel onde jantámos e num primeiro contacto com a gastronomia local, deixamo-nos contagiar pelos ritmos com que um conjunto obsequiou o grupo.



As ilhas de S. Tomé e Príncipe foram descobertas pelos portugueses há mais de cinco séculos. Formadas pelo movimento da placa africana oitenta milhões de anos antes, estas ilhas de solo fértil, areia branca e uma temperatura perfeita durante todo o ano, não são ainda muito conhecidas dos portugueses.

Descobrir a ilha de S. Tomé começou ao segundo dia. Rumo ao Norte, para visitar as grandes roças onde se cultivava e produzia o café e o cacau. Roças Agostinho Neto (ex- Roça Rio do Ouro), Bela Vista, Ponta Figo e Diogo Vaz, com a sua arquitectura colonial e um traçado caracteristicamente português, onde foi possível fazer uma autêntica viagem no tempo, e recorrendo à imaginação, reconstituir o dia-a-dia dos muitos trabalhadores, vindos maioritariamente de Cabo Verde, Angola, Índia, Guiné e de outros países africanos, para além dos santomenses.

















Uma paragem em Anambó, no local mítico onde João de Santarém e Pêro Escobar, navegadores portugueses, a mando do rei D. Afonso V, terão desembarcado em 21 de Setembro (dia de S. Tomé), quando exploravam a costa ocidental africana.


Dedicamos parte do dia seguinte para “descobrir” a capital, com o seu casario de marcada influência da arquitectura colonial portuguesa, de um ou dois sobrados, ao longo da Avenida Marginal, contornando a Baía de Ana Chaves.










Sabendo que presentes, em particular os destinados à educação são bem-vindos, o nosso grupo esteve numa organização não-governamental, onde entregou diverso material escolar e t-shirts da União Progressiva.









Visitámos os principais bairros, os seus monumentos e edifícios administrativos, bem como o Museu Nacional no Forte de São Sebastião, a Igreja Matriz, “ateliers” de artistas São-Tomenses, o colorido, característico e animado mercado, observando os locais a comprarem e a venderem as suas mercadorias e onde não ficamos insensíveis aos cheiros e sabores. Visitámos também a fábrica de chocolate de Claudio Corallo, considerado por muitos especialistas o melhor chocolate do mundo.























Na manhã do quarto dia, partimos com destino ao Sul da Ilha, até Ponta Delgada, para embarque na lancha que nos conduziria ao paradisíaco Ilhéu das Rolas. Ilhéu famoso, por ser o palco da linha física que assinala o grau zero da latitude do planeta. Aqui se encontra um marco físico e o traçado onde os hemisférios Norte e Sul se unem, para além de um marco afundado para que os mergulhadores o possam também assinalar. Nesta estada foi possível, em caminhadas guiadas, ficar a conhecer todas as belezas em que o ilhéu é fértil, desde a sua floresta secular e praticamente intocada, os cantos e recantos proporcionados pela lava negra que formou grutas misteriosas que, com a rebentação expelem água, ou maravilhar-se nas suas águas límpidas e transparentes nas inúmeras enseadas banhadas pelo mar azul-turquesa.

































UPFC

Fotos A. Domingos Santos