quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Alargamento do adro

Outro pormenor a que se deu início foi ao alargamento do adro, mercê da cedência de terreno por parte dos proprietários confinantes. Todos cederam de boa vontade o espaço necessário, e falta apenas contactar com um deles. A srª Maria de Jesus de Almeida, de Ádela, e o sr. José dos Santos Ferreira, de Colmeal, cederam o terreno das oliveiras que possuíam; os srs. Manuel dos Santos de Almeida, Alfredo Francisco de Oliveira e Eduardo Ferreira de Almeida cederam dois metros de terreno para o lado poente, e o sr. Manuel dos Santos de Almeida cederá ainda, do lado norte, a seguir à eira, uma pequena faixa no caso de se proceder a alargamento também deste lado. Falta apenas contactar um proprietário, que por certo não levantará dificuldades. Com o alargamento do adro embeleza-se o recinto e economiza-se a remoção de pedras e entulhos da torre, que assim se aproveitam. Como igualmente se aproveitaram os materiais retirados nas obras actuais (telhas, madeiras, portas e lenha) que foram vendidos em hasta pública no passado dia 29 de Agosto.

in Boletim “O Colmeal” nº 135 Julho-Set. 1976 

1 comentário:

Anónimo disse...

Reparo que esta notícia tem quase quarenta anos. Realmente com os confinantes a cederem de boa vontade os seus espaços vi logo que não poderia ser agora. Há quem diga que a ganância anda por aí.