segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

A Biblioteca da União está mais rica

“A Grande Guerra, depois conhecida como Primeira Guerra Mundial, deflagrou na Europa nos primeiros dias de Agosto de 1914 e só terminou com a assinatura do Armistício, em 11 de Novembro de 1918. Iniciada com a invasão da Bélgica pelas tropas da Alemanha, na convicção de uma campanha curta, a guerra só viria a parar mais de 51 meses depois, com 65 milhões de homens mobilizados, oito milhões e meio de mortos, 20 milhões de feridos, milhares e milhares de prisioneiros e desaparecidos. Só parou com o esgotamento de recursos, a destruição das cidades, a desolação dos campos e um imenso sofrimento. Estendeu-se dos campos da Flandres a todo o mundo. Da Europa ao Médio Oriente; da África ao Extremo Oriente; da América a todos os espaços marítimos. Todos os povos sofreram, beligerantes ou não, para que um mundo, supostamente novo, fosse edificado em cima de uma imensa dimensão de dor. A Grande Guerra demonstrou como era frágil a ordem internacional, baseada do equilíbrio de poderes e na rede de alianças tecida por uma completa e intrincada matriz de relações entre as nações.” Para além de ficar a saber mais pormenores sobre esta terrível guerra onde morreram, ficaram feridos ou desapareceram cerca de trinta mil soldados portugueses e onde a participação do nosso país foi demasiado polémica, veja como foi o papel da mina, do torpedo e do submarino na guerra do mar. O Corpo Expedicionário Português e a batalha de La Lys, em 9 de Abril de 1918. O aparecimento da aviação, a utilização de gases nas frentes de combate e porque foi fuzilado em 16 de Setembro de 1917 um soldado português ou quem foi o “Soldado Milhões”, tudo isto e muito mais, poderá encontrar no volume 18 da colecção “Batalhas da História de Portugal”. Nesta colecção de vinte e dois volumes, encontrará desde as recentes guerras nas ex-colónias africanas até às que se desenvolveram nos primórdios da nossa nacionalidade, passando pelas da Independência, Campanha da Índia, Restauração e Peninsular, entre muitas outras em que estivemos envolvidos ao longo de quase nove séculos. Dentro de algum tempo a nossa/vossa Biblioteca da União ficará mais rica com esta colecção que um sócio entendeu oferecer e que muito irá melhorar o acervo à disposição dos Colmealenses. Agradecemos este gesto muito louvável e apesar do espaço bastante limitado onde se encontra a Biblioteca, continuamos disponíveis para receber mais livros que nos queiram fazer chegar. No Colmeal já se vai lendo. Uma batalha que se vai ganhando aos poucos e de que nos orgulhamos.
.
UPFC
.

1 comentário:

"O Lord" disse...

A União está de parabéns pela sua Biblioteca, que cada vez vai ficando mais rica em cultura.