terça-feira, 6 de novembro de 2007

Com a UNIÃO Progressiva ... 75 à descoberta do COLMEAL



No dia 3 de Novembro a União Progressiva organizou uma excursão que encheu dois confortáveis autocarros de turismo, para divulgar e dar a conhecer um pouco do concelho de Góis e que levou pela primeira vez ao Colmeal 75 pessoas curiosas de “descobrir” uma aldeia de que tanto e tão bem lhes tinham falado.




De Sete Rios a caminho de Góis, a União lá foi indo enquanto se explicava aos participantes as origens da Colectividade, do movimento regionalista nos concelhos pobres do interior, as carências que existiam e se enfrentavam, a odisseia de uma ida à terra naqueles tempos, o amor às aldeias de origem, os melhoramentos introduzidos e as actividades que se vão desenvolvendo nos dias de hoje nas áreas de âmbito cultural, social e recreativo.

A organização desta excursão não constava no nosso plano de actividades para o presente ano. O Magusto seria como nos anos anteriores.
Mas durante o almoço de aniversário da União, face a várias solicitações nesse sentido e o interesse manifestado por algumas pessoas em conhecer a região e a aldeia de que tanto lhes havíamos falado, tomámos a decisão e em boa hora o fizemos, porque além de enchermos dois autocarros conseguimos reunir num almoço, no Parque de Merendas das Seladas, mais de 250 sócios e amigos, entre os quais se incluíam os 75 que pela primeira vez iam à descoberta do concelho de Góis e do Colmeal.




Na passagem por Góis, a Dr.ª Joana Seco, do Turismo, mostrou o que de mais belo a vila tem e foi explicando com simpatia aqueles pormenores que os forasteiros gostam de aprender quando passam por um lugar para eles desconhecido. Pena foi que a Igreja Matriz se encontrasse fechada não permitindo que se apreciassem a Capela-Mor e o Túmulo de D. Luís da Silveira.



Uma paragem obrigatória mas breve nas casas de xisto da Cabreira junto ao rio, uma visita ao lagar e mais umas fotografias para recordar este recanto que já serviu de cenário a um filme português.




Atravessando lentamente a aldeia do Colmeal, dirigimo-nos para o “ex-libris” da freguesia, a ponte e a piscina natural do rio Ceira.
A admiração por esta beleza natural e a vontade de experimentar as águas límpidas e tranquilas eram por demais evidentes.



E mais uma fotografia para confirmar a passagem por este paraíso e depois mostrar aos amigos o que de belo eles ainda não conheciam.



Quem nas Seladas esperava os forasteiros recebeu-os com uma estrondosa salva de palmas.
O acolhimento dos beirões é assim. Se as pessoas já vinham encantadas com o caminho percorrido, com as aldeias polvilhando as encostas e os vales, com as cores que embelezavam o serpenteado da estrada, ao serem recebidas assim… ficaram completamente rendidas.





Mas mais rendidas ficaram com o soberbo almoço que os esperava.
E não era para menos. Se não vejamos: sopa serrana, enchidos vários, arroz, feijão, grelhada mista, torresmada (prato regional), porco no espeto, sobremesas caseiras, águas, cerveja, sumos, vinhos branco e tinto.




A confecção da parte alimentar foi da responsabilidade de um associado, o serviço de mesa garantido por voluntários que primaram pela eficiência e a logística para a instalação do “restaurante ao ar livre” foi de uma equipa que não regateou esforços e foi inexcedível a ultrapassar uma ou outra situação para que tudo estivesse o melhor possível para receber todos os nossos convidados.




As sobremesas, que enchiam três mesas, resultaram mais uma vez do empenho, do entusiasmo e do carinho que as senhoras do Colmeal quiseram dar a esta realização da União.



Antes do esperado magusto, o Presidente da Direcção num breve improviso agradeceu a presença da senhora Vice-Presidente da Câmara Municipal de Góis, do senhor Presidente e restantes elementos da Junta de Freguesia do Colmeal, dos dirigentes de colectividades congéneres, da população da freguesia do Colmeal que ali compareceu e naturalmente, agradeceu muito sensibilizado a todos os que se atreveram a aceitar o desafio de irem à descoberta do Colmeal.
Visivelmente satisfeito com as mais de duzentas e cinquenta pessoas que quiseram participar neste evento, enalteceu o trabalho desenvolvido pelas muitas outras que anonimamente deram o seu melhor, e que fizeram com que esta realização fique na memória de todos.



A cada um foi entregue um Certificado atestando que “esteve presente, pela primeira vez, em Colmeal-Góis, onde se respira o ar puro e se sente o suave aroma dos pinheiros que circundam a nossa aldeia, e onde o espírito combativo dos antepassados palpita ainda em cada um de nós.”
Um certificado criado e produzido por sócios da União em que a menção ao trabalho desenvolvido pelos nossos pais e avós é evidente e cujo espírito, felizmente, ainda vai passando para as gerações mais jovens.




A Casa do Concelho de Góis, ADIBER, Câmara Municipal de Góis e Junta da Freguesia do Colmeal responderam afirmativamente à nossa solicitação e também quiseram assinalar esta “primeira vez”, com a oferta de uma magnífica peça em barro, livros de autores do concelho, postais ilustrados, brochuras turísticas, galhardetes e mel produzido nas encostas do Ceira.



Os forasteiros que não conheciam esta maneira tradicional de fazer o magusto integraram-se com facilidade e participaram. Apreciaram imenso e “em directo” o modo como se tendem e fazem as filhós na região.







Comeram-se castanhas, bebeu-se água-pé e jeropiga.
Cantou-se e dançou-se. Clarinete, concertinas e uma desgarrada foram o mote para um animado baile que a todos entusiasmou.

Um OBRIGADO GRANDE a todos quantos connosco colaboraram e que tornaram possível o êxito neste primeiro sábado de Novembro.
Temos a certeza, que pelas felicitações que nos foram sendo transmitidas, todos saíram satisfeitos.
Quem foi pela primeira vez veio encantado e prometeu voltar.
Os Colmealenses sabem receber muito bem as suas visitas.



O tempo colaborou de uma maneira admirável nesta realização da União e o Senhor da Amargura esteve connosco mais uma vez.
Como dizia o poeta “nem uma agulha bulia / na quieta melancolia / dos pinheiros do caminho.”

P’la Direcção da UPFC
A. Domingos Santos

3 comentários:

Anónimo disse...

PARABÉNS À UNIÃO,

Depois de ver as imagens sobre o Magusto, não tenho palavras, só lágrimas.

LÁGRIMAS DE SAUDADE

LÁGRIMAS DE ALEGRIA POR VER UMA VERDADEIRA UNIÃO

LÁGRIMAS DE NOSTALGIA

- PELA DISTÂNCIA DE UM LUGAR TÃO LINDO QUE JÁ NÃO VISITO HÁ TEMPO DEMAIS

- PELAS PESSOAS QUE CONSEGUI CONHECER NAS FOTOGRAFIAS E QUE ME DIZEM MUITO

- PELA SAUDADE DE UM LUGAR CHEIO DE MAGIA QUE ME VIU NASCER NO DIA 14 DE AGOSTO DE 1949.

E MAIS NÃO CONSIGO ESCREVER - TENHO O ROSTO CHEIO DE LÁGRIMAS.

QUE SAUDADES.

NÃO FALTAREI AO PRÓXIMO ENCONTRO -

QUE DEUS ME AJUDE A CONCRETIZAR A MINHA PROMESSA.

QUE DEUS AJUDE A UNIÃO A PROMOVER ENCONTROS SIMILARES.

ABRAÇO APERTADO DA

Aurorita

Anónimo disse...

Exmos. Senhores:


Venho pela presente dar-vos os parabéns por mais um feito que ficará (como diz o Dr. António Domingos dos Santos) gravado a letras de ouro.
Foi com alguma tristeza que não compareci no almoço/magusto de dia 3 do corrente mês mas, os deveres profissionais por vezes não nos permitem ter o tempo que queremos.
Fui informado no dia seguinte que estiveram presentes mais de 250 pessoas, facto esse de louvar mas que a mim muito me orgulha. Deixando o regionalismo de lado, o evento por vós organizado tem no meu entender efeitos inesquecíveis quer da parte dos "forasteiros" quer dos que no Colmeal (e aldeias adjacentes) habitam.
É de extrema importância publicitar, divulgar e dar a conhecer a nossa terra e conviver com amigos no sítio que mais gostamos. Quanto a este assunto, já sabem que sou (ou pelo menos tento ser) um impulsionador destas coisas.
Li a "newsletter", vi as fotografias e fiquei CHEIO de inveja por não ter estado presente. Li um comentário à noticia e ainda mais invejoso fiquei.
Quando estou na "minha" terra e algo de muito bom lá ocorre ou se estou presente numa "festa" ou convívio qualquer, por vezes emociono-me com a alegria que sinto ao estar perante o que mais gosto de ver e fazer. Quando nessas alturas chega a hora do adeus, é doloroso saber que a metrópole me espera e não há nada a fazer em relação a uma partida forçada. Provavelmente no sábado me teria acontecido o mesmo…

Aproveito esta oportunidade para agradecer do fundo do coração o modo simpático como a União Progressiva da Freguesia do Colmeal me acarinha enviando fotos, circulares para participar nos seus eventos e dando notícias. É sempre um prazer saber novas da terra que tanto amo.
Fisicamente não estive presente no Colmeal mas mentalmente fui uma das pessoas que mais gostou de lá estar…


A todos um grande abraço cheio de amizade!

Henrique Miguel A. Mendes

Luis Ferreira disse...

Tenho assistido por este meio, o que de bom/positivo se faz no colmeal, parabéns a todas as pessoas do colmeal, á União P.F.C., que pela união das pessoas da terra se fazem feitos que ficam na memória de todos os que participam. Bonitas fotos.
«A união faz a força»
CONTINUEM ASSIM