terça-feira, 24 de outubro de 2017

COLMEAL


OS DIAS 15 E 16 DE OUTUBRO FORAM DEVASTADORES PARA O COLMEAL, PARA A FREGUESIA, PARA O CONCELHO DE GÓIS, PARA O DISTRITO DE COIMBRA, PARA TODO O PAÍS.

ESTAS IMAGENS NÃO APARECERAM NAS TELEVISÕES. NESTAS IMAGENS NÃO APARECEM OS HABITANTES DO COLMEAL NEM OS QUE OS AJUDARAM. ERAM POUCOS. FICARAM ESQUECIDOS, FICARAM ABANDONADOS À SUA SORTE. O FOGO NÃO DAVA TRÉGUAS. SEM COMUNICAÇÕES. SEM ELECTRICIDADE. SEM ÁGUA. SEM BOMBEIROS. SEM MEIOS AÉREOS. SEM NINGUÉM.

APENAS A RESISTÊNCIA DE CADA UM. E SÃO TÃO POUCOS. INCAPAZES DE CONTROLAR O QUE ERA INCONTROLÁVEL. SEM DESÂNIMO. FAZENDO DAS FRAQUEZAS FORÇAS. TENTANDO SALVAR O QUE PODIAM. FORAM ENORMES.

OBRIGADO RUI VILHENA POR ESTE CONJUNTO DE FOTOGRAFIAS. QUE ELAS SEJAM VISTAS POR QUEM ESQUECEU O COLMEAL.

O COLMEAL EXISTE.
CONTINUA A EXISTIR.
PELO MENOS ENQUANTO HOUVER UM COLMEALENSE !!!

UPFC
































































































Fotos gentilmente cedidas por Rui Vilhena

4 comentários:

Lucília, Francisco e Nuno disse...

Queremos manifestar o nosso reconhecimento pela acção de todos os que se empenharam na luta - contra a adversidade das chamas, que assolaram o nosso Colmeal – coragem, bravura, esforço e dedicação – e que evitaram que nada de mais grave pudesse vir a acontecer. Sem todos vós tudo seria bem pior.

Mais uma vez a todos o nosso muito obrigado.

Esmeralda Vilhena disse...

Quero agradecer a todos pela ajuda preciosa que deram nos incêndios no Colmeal, em especial às pessoas que estiveram envolvidas no combate às chamas que lavravam na zona junto à minha casa e outras circundantes.

Muito obrigado por tudo.

Américo Henriques disse...

Os meus agradecimentos aos nossos heróis do Colmeal.
Sem ajuda . . . evitaram o pior!
MUITO OBRIGADO
Natália Pinto de Almeida

Anónimo disse...

Sim, abandonados e esquecidos. Pelo poder nacional, pelos poderes locais. No Açor, ardeu até dentro de casa e uma casa, em Ádela, magoaram-se pessoas e arderam várias. Eramos poucos, a maior parte pouco jovem, simplesmente deixados à nossa sorte, como outros. Ainda assim, pensando nos que perderam a vida e solidários com as suas famílias e com os que perderam a casa, celebre-se a vida e a regeneração possível.

O atraso neste comentário fica a dever-se ao facto de não termos telefone fixo, nem internet, nem redes móveis aceitáveis.

Lisete de Matos

Açor, Colmeal