domingo, 11 de junho de 2017

Parabéns Sr. Engº Gonçalo Duarte Martins!



Foi com enorme alegria que, no passado dia 3, na Universidade Nova, no Monte da Caparica (Almada), assisti à cerimónia de bênção das pastas dos alunos finalistas do curso de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. É que, entre eles, estava o “meu” Gonçalo.

Entre familiares (a tia Graça, os tios Álvaro e Génita), a namorada e amigos, lá estavam os pais, Mário Martins (“da Eira”, Colmeal) e Rute Duarte, que continham a emoção, mas cujo olhar denunciava o imenso orgulho e alegria que sentiam. O seu menino tinha conseguido!

Estão de parabéns as famílias dos estudantes, pois também ‘fizeram o curso', apoiando-os em todos os momentos, nestes cinco anos!”, afirmou, na ocasião, o padre Pedro Quintela, pároco do Monte da Caparica. Que palavras tão oportunas… pareciam dirigidas ao Mário e à Rute, pois foram determinados e incansáveis no acompanhamento e apoio aos filhos, no desejo de lhes proporcionar um bom futuro.

Porém, as dedicatórias e votos que colegas e amigos registaram nas fitas de formatura do Gonçalo, refletem muito mais do que um engenheiro, que levou apenas 5 anos a formar. Essas mensagens falam de um ser humano que conheceram, com quem conviveram, e cujo carácter se foi formando, ao longo destes 24 anos, na solidez dos valores familiares e exemplos que recebeu, … o Mário e a Rute estão, de facto, de parabéns!

No final, o Senhor Bispo de Setúbal, D. José Ornelas Carvalho, que presidiu à cerimónia, recordou aos finalistas que “ninguém é tão grande que não possa crescer” e recomendou-lhes que “mantenham a humildade de quem sabe que não sabe tudo, pois só assim se avança”. Eu sei, Gonçalo, que tens essa humildade dos sábios! Vais crescer muito e vais ser grande!

Em Julho, haverá mais novidades… mas isso será outra história!

prima Dina
(Deonilde Almeida)

quinta-feira, 8 de junho de 2017

UNIÃO PROGRESSIVA EM CAMPO MAIOR & ELVAS (1º dia)


No fim-de-semana de 3 e 4 de Junho, a União Progressiva da Freguesia do Colmeal rumou ao Alentejo, concretizando uma das viagens programadas para o presente ano no seu Plano de Actividades.
Campo Maior e Elvas foram os destinos de eleição para esta “escapadinha”, que nos permitiu melhor ficar a conhecer uma região marcada pela natureza e pelo seu rico património. Uma imensa paisagem natural que se estende da planície às agrestes serras fronteiriças, tal como pudemos comprovar, quase no final da nossa visita, do alto do Forte da Senhora da Graça.

O Município de Campo Maior encontra-se localizado no nordeste alentejano, distrito de Portalegre. Sentinela de fronteira, a história de Campo Maior é uma história de guerra, de que resta, como testemunho, a sua poderosa Fortaleza. Passou por todas as guerras, privações e desastres. Se foi brilhante a defesa da praça, em 1712 e em 1762, foi heróica a resistência face aos sítios que a fizeram capitular em 1801 e 1811. Mas a explosão em 1732, do paiol instalado na velha Torre de Menagem, que, num ápice, fez desaparecer dois terços da vila, foi uma verdadeira hecatombe.

Começámos este nosso primeiro dia com uma visita ao Centro de Ciência do Café, um espaço de características únicas na Península Ibérica.
Aqui se pretende mostrar e percorrer todo o ciclo do grão do café, desde a plantação em terras longínquas, passando pela fase de torrefacção, até ser bebido.
Conhece-se também a história da Delta e do seu fundador, Comendador Rui Nabeiro.






















A caminho da Igreja Matriz e da Capela dos Ossos, admirámos o belo edifício da Câmara Municipal, da época de Quinhentos, erguido na actualmente designada Praça Velha, e o pelourinho, que lhe fica fronteiro.
Esta praça constituiu, desde meados do século XVI às primeiras décadas do século XVIII, o centro político, administrativo, comercial e cívico do concelho de Campo Maior.






A Igreja Matriz de Campo Maior ou Igreja de Nossa Senhora da Expectação começou a ser construída no final do reinado de D. Sebastião (1557-1578). É monumental com os seus nove altares barrocos e duas tribunas (de meados do século XVIII). Ocupa um local central, destacando-se no perfil urbanístico do Centro Histórico, e veio substituir a antiga matriz trecentista intramuros, que era já pequena para albergar um número cada vez maior de fiéis. Obra sóbria e harmoniosa da arquitectura maneirista sofreu obras de restauro e remodelação em épocas subsequentes à da sua consagração.







A Capela dos Ossos, monumento que data de 1766, fica adjacente à Igreja Matriz. Foi construída em memória das vítimas da explosão do paiol da pólvora de 1732. A visita a este espaço justifica-se pelo facto de ser a segunda maior capela deste género em Portugal e por, ainda hoje, ao contrário das suas congéneres, conseguir mobilizar fiéis. Convida à reflexão sobre o efémero da existência. “Nós ossos que aqui estamos, pelos vossos esperamos”, lê-se numa placa que recebe todos os seus visitantes.








O almoço foi servido no restaurante “A Muralha”, no Hotel Santa Beatriz, onde tivemos o primeiro contacto com a rica gastronomia alentejana. Depois, seguimos para a visita ao Lagar-Museu e ao Museu Aberto.




O Lagar-Museu, criado a partir do antigo lagar de azeite que funcionou até meados do século XX, no agora designado por Palácio Visconde d’Olivã, um dos mais antigos edifícios da vila, foi inaugurado em 2005. Hoje, chamado de Visconde, por ter sido o Visconde de Olivã o seu último proprietário, mas antes designado por Casa do Barata e antes ainda, por Paço. Ali se dá um maior realce aos equipamentos, às peças e aos objectos que nele eram utilizados, documentando deste modo as fases de produção do azeite. Trata-se de ilustrar uma das mais antigas tecnologias ligadas à agricultura, actividade dominante da economia campomaiorense até meados do século passado. À despedida e muito simpaticamente, a senhora que nos guiou na visita, explicou-nos como se fazem as flores de papel. E ficou prometida a nossa ida às Festas do Povo, onde cada rua trabalha o seu motivo, as suas cores, as suas flores de papel, transformando Campo Maior num imenso jardim florido.











O Museu Aberto explica-nos o passado histórico da vila desde as suas origens até à actualidade. Nele têm sido recolhidos vários documentos de interesse histórico e de valor etnográfico que mostram aspectos do modo de viver das gentes de Campo Maior ao longo dos diversos períodos da sua história.
A Praça Militar de Campo Maior tinha tal importância estratégica na defesa da fronteira leste de Portugal que, nos finais do século XVIII, foi dotada de um “Assento de Provisões de Boca” que podia garantir a defesa da vila, se sujeita a cerco, por vários meses, ou apoiar um exército numeroso como aconteceu no cerco que o duque de Wellington pôs à cidade de Badajoz, ocupada pelos franceses, em 1812.
A construção e concepção do Assento, onde está instalado o Museu Aberto, são atribuídas ao engenheiro militar Tomás de Vila Nova, num relatório militar de 1796.




















Na paisagem bela e incólume que é a planície alentejana de Campo Maior, Siza Vieira ergueu um edifício original, um volume horizontal, um rectângulo de 40x120 metros, caiado a branco, dividido em dois pisos na sua maior extensão, e um terceiro piso para a vertente mais social e pública do vinho. Aí foi criada a sala de provas que se abre para um terraço panorâmico com relvado e um espelho de água central. Este terraço panorâmico permite observar a vinha e o olival da herdade bem como avistar Espanha e a Serra de Portalegre. A serenidade que emana deste volume simples, contrasta com a complexidade que alberga no interior, onde convivem espaços monumentais destinados à produção e ao armazenamento, e a abertura das zonas sociais, concebidas para a prova e fruição do vinho.
Localizada junto às vinhas, na Herdade das Argamassas, a Adega Mayor é o sonho antigo do Comendador Rui Nabeiro tornado real pelas mãos do português Siza Vieira, um projecto que pretende colocar Campo Maior na rota internacional do Enoturismo, uma homenagem à arquitectura do vinho e da vida.























Ouguela foi a nossa última paragem antes de rumarmos a Elvas. Ouguela, que já foi vila, é hoje uma pequena aldeia com cerca de 60 habitantes. Localizada num monte a cerca de 270 metros de altitude, continua a manter o seu ambiente calmo e medieval.

Durante o séc. XVII, o antigo recinto medieval é profundamente transformado de forma a participar na defesa moderna da fronteira portuguesa. Recebe uma nova linha de defesa, preparada para a artilharia moderna e é transformado em aquartelamento militar. É assim que se desmantela o edifício da Igreja que, pelo menos desde os finais do séc. XV, dominava a praça do Castelo e o espaço, é transformado em praça d’armas, fronteira à Casa da Câmara e rodeada pelos aquartelamentos militares e outros edifícios de apoio. Nesta praça é construída uma Cisterna, reservatório de águas pluviais, sendo a Igreja transferida para um edifício no canto Noroeste da muralha, originalmente aberta para praça.

O Castelo de Ouguela era uma das mais importantes fortalezas militares de defesa da região. Fazia parte da 1.ª linha defensiva do Alentejo, com as Fortificações de Elvas, Campo Maior, Olivença e Juromenha. De arquitectura militar, medieval e moderna, constituía-se em elemento essencial à sobrevivência dos defensores perante um cerco. O grosso das muralhas medievais sofreu grandes transformações pelas obras setecentistas que lhe conferiram o perfil actual.








O Hotel D. Luís, em Elvas, com localização privilegiada em frente ao imponente Aqueduto da Amoreira, foi a última paragem deste primeiro dia. Para jantar e dormir. Em sala reservada para o Grupo UNIK/UPFC, degustámos novamente a gastronomia regional. No final, uma surpresa. Um aniversariante. Apagadas as luzes e cantados os parabéns. António Santos, com visível emoção ouviu as palavras proferidas e o poema lido por Santos Almeida, que lhe entregou uma prenda dos colegas da União. Depois, com a lágrima por perto, a todos agradeceu, sensibilizado, por tão grata surpresa.










UPFC
Fotos de Carlos Gama e A. Domingos Santos
Apoio Turismo do Alentejo - ERT