quarta-feira, 31 de maio de 2017

REENCONTRO - GASTRONOMIA E NATUREZA


No Verão passado, quando a União Progressiva foi à redescoberta das ilhas de Cabo Verde, no jantar de despedida foi-nos lançada uma sugestão para organizarmos uma visita aos Cepos e à região.
No nosso programa de actividades para o corrente ano considerámos essa sugestão e aqui estamos a dar-lhe a notícia. No próximo dia 18 de Junho, domingo, de Lisboa – Sete Rios, partiremos às 8 horas, para a aldeia de Cepos, onde nos iremos deliciar com a gastronomia regional – chanfana de cabra e de javali e torresmos à moda beirã. Não esquecendo a tigelada. Será também uma boa oportunidade para reencontrar os companheiros dessa viagem e confraternizar com os amigos que se nos juntarem.




Cepos tem uma envolvente de extraordinária beleza que nos deslumbrará.
Depois do almoço, prosseguiremos por Piódão e Foz d’Égua, duas aldeias lindíssimas onde nos perderemos nas suas ruas, a contemplar as casas de xisto com cobertura de loisas e os seus inúmeros recantos de encantar. Certamente iremos querer ficar, mas o regresso a Lisboa, tem mesmo que ser. E está previsto para as vinte e uma horas.

O número de lugares disponíveis é limitado, pelo que solicitamos o favor de confirmar a sua reserva, o mais cedo possível, para: António Santos – 962372866 e Maria Lucília – 218122331 / 914815132 ou Catarina Domingos – 933344904.
Transporte e almoço: 30,00€. Só almoço: 10,00€.

Estamos disponíveis para qualquer esclarecimento que entenda por necessário.

Com amizade e os melhores cumprimentos,


A Direcção                                                                            Lisboa, 30 de Maio de 2017 

quinta-feira, 25 de maio de 2017

CAMINHADA 2017


Foi no passado sábado, dia 20. Manhã que acordou com alguma frescura, mas que, com o passar das horas, se foi esbatendo. Resultou num dia excelente.

“Caminhada 2017” foi o nome, simples, muito simples, que entendemos dar. Nos anos anteriores, “Pelas Lendas da Levada dos Mouros”, “Pelos Trilhos das Ribeiras”, “Na Rota dos Casais”, “Trilhos da Ribeira de Ádela/Caminhos da Escola” ou “Pelos Encantos do Ceira” foram alguns dos títulos com que baptizámos idênticas iniciativas. Mas, depois da caminhada terminada, podíamos, com muita propriedade, chamar-lhe a Caminhada da Amizade, da Solidariedade ou da Simpatia.

O transporte dos participantes até à povoação da Sandinha, onde a caminhada iria ter início, foi assegurado graciosamente pela Câmara Municipal de Góis que cedeu dois miniautocarros. O Grupo A Bem da Sandinha que connosco colaborou activamente nesta iniciativa recebeu-nos na sua Casa de Convívio (antiga Escola Primária) com um reconfortante e apetitoso pequeno-almoço.

Pouco passava das nove horas, quando se iniciou a caminhada, depois do presidente da União Progressiva da Freguesia do Colmeal ter agradecido aos dirigentes da colectividade anfitriã o acolhimento dispensado e recordadas algumas recomendações indispensáveis a ter durante o percurso. Uma pequena mochila e uma garrafa de água foram entregues a cada um dos caminheiros.

Na passagem por Capelo, o grupo deparou-se com uma agradável surpresa. O senhor Arnaldo, preparara um reforço alimentar, que foi do agrado geral. Depois, prosseguiu-se pelos antigos trilhos, tão conhecidos dos nossos antepassados, num sobe e desce permitindo apreciar a extraordinária envolvente com encostas verdejantes a emoldurar esta ou aquela aldeia onde ainda podemos encontrar alguns moradores resistentes. A chegada ao Parque de Merendas das Seladas deu-se por volta do meio-dia e meia hora, sem o registo de qualquer acidente. Todo o percurso teve o apoio de uma viatura todo terreno da Junta da União das Freguesias de Cadafaz e Colmeal, entidade que, tal como em anteriores edições, havia colaborado na limpeza e melhoria de alguns troços do itinerário.

O almoço, que reuniu cerca de cento e vinte associados e amigos no frondoso recinto, serviu para um são e agradável convívio, que se prolongou durante a tarde. Mais uma vez as sobremesas foram confeccionadas pelas habituais “doceiras” – Cecília, Lisete, Anabela, Clara, Catarina, Luísa e Elisabete, a quem muito agradecemos.

Um OBRIGADO grande a todos aqueles que participaram e nos ajudaram, para que esta iniciativa fosse merecedora dos elogios que no final nos dirigiram. Por tudo isso, o nome de Caminhada da Amizade, da Solidariedade ou da Simpatia seria apropriado.

Esperamos por si na nossa próxima iniciativa.
E para terminar, algumas fotos para mais tarde recordar.


































A Direcção
Fotos de A. Domingos Santos

segunda-feira, 15 de maio de 2017

COLMEALENSES NA 2ª VARZEARTES



Sob o lema “Palavras com Cor”, teve lugar, a 6 de maio, a inauguração da 2ª VarzeArtes, uma exposição de pintura e escultura da iniciativa da Cooperativa Social e Agroflorestal de Vila Nova do Ceira. Na continuidade da primeira edição, a exposição visa promover a fruição e a produção cultural, no quadro da dinamização do Espaço Multiusos-Capela da Costeira.

Tratou-se de um evento muito enriquecedor, de consubstanciação da arte e da palavra em múltiplas dimensões. Na presença das obras que iluminavam a beleza sóbria e edificante do espaço, Liliana Conceição e Paulo Santos debruçaram-se sobre o conceito de arte, a sua evolução e implicações, por exemplo, o papel da arte na educação, em estilo coloquial, José Couceiro falou sobre o estado da arte das artes em geral. Artífices de outras artes, do púlpito ele próprio poético, Luísa, da associação cultural “Sim, Porque Sim”, disse um poema de sua autoria, Joaquim Afonso, da mesma associação e do grupo de fados "Coimbra Menina e Moça”, cantou e encantou.






Encerraram a sessão os ex. mos presidente do Conselho de Administração da Cooperativa, representante da MAGENTA - Associação de Artistas pela Arte, presidente da Assembleia Municipal e Presidente da Câmara Municipal de Góis. Das suas intervenções, permito-me destacar a referência à importância do trabalho conjunto e das iniciativas da sociedade civil no campo cultural e outros, representando maturidade e sentido certo. A caminho de “Góis, capital da cultura”, como foi sugerido por Paulo Santos e registado pela senhora presidente. 



Na exposição participam os colmealenses Josefina Almeida e Nuno Freire, motivo que justifica esta menção ao evento. Sentimos a falta de Pedro Freire, que participou o ano passado. Enquanto membro orgulhoso da comunidade que somos, uma vez que deles tomei conhecimento, não posso deixar de enaltecer a iniciativa e o desempenho no campo das artes destes nossos talentosos conterrâneos – e familiares, é certo – que sentem a necessidade, sabem e ousam expressar-se através do belo. Generosamente partilhando e suscitando criatividade, visões, sentimentos e emoções, ao mesmo tempo que contribuem para o engrandecimento do nosso património cultural. Repetindo-me, pena que outros colmealenses artistas, seguramente existentes, não se deem a conhecer! 








A informação que passo a incluir foi retirada, com a devida vénia e agradecimento, do CD oferecido aos artistas pela Cooperativa.

Josefina Almeida 

“Naturalidade: Góis (Açor, Colmeal), em 1937. Frequentou cursos de iniciação à pintura, pintura a óleo e desenho. Frequentou a universidade da Terceira Idade de Lisboa.

Expõe desde 2004, tendo realizado inúmeras exposições individuais, designadamente em Arganil (Casa da Cultura), Góis (Posto de Turismo), Lousã (Biblioteca Municipal), Tábua (Biblioteca Municipal) Lisboa (vários). Tem integrado múltiplas exposições coletivas, avultando a participação no Góisarte, desde 2007, com seleção de obra para a exposição Orosoarte (Oroso, Espanha) em 2007, 2008, 2014 e 2015. Integra as “Imagens de Góis” em http://concelhode Góis.weebly.com, da autoria de João Nogueira Ramos. Escreve poesia, tendo poemas publicados em inúmeras coletâneas, bem como, no Boletim Cultural do Círculo Nacional d’Arte e Poesia. Integra o “Dicionário de Autores da Beira Serra”, de João Alves das Neves, Lisboa, Dina Livro, 2008, p. 31. É associada e presidente do Conselho Fiscal da Associação Amigos do Açor. É associada do Inatel, participando regularmente em iniciativas como “Escolas do Lazer”, Turismo Sénior e outras. É associada do Circulo D’Arte e Poesia. É associada da União Progressiva da Freguesia do Colmeal.”

Para mais informação, poderão consultar-se o blogue http://upfc-colmeal-gois.blogspot.pt/ e órgãos de comunicação social locais. 

Nuno Freire

“Nasceu no Colmeal em 1963. Frequentou o curso de Direito na Universidade Internacional da Figueira da Foz, cidade onde atualmente reside. 

É possuidor de uma visão muito própria da realidade, da vida e do sentido desta. 

Amante, desde sempre, dos clássicos de Bandas Desenhadas, desenvolveu de forma autodidata a aptidão natural para a arte de desenhar/pintar. Nos seus tempos livres dedica-se a ilustrar situações e personagens por si próprio ficcionadas, num estilo que o caracteriza como invulgar. 

Participou em várias exposições de arte apresentando trabalhos a óleo, aguarela, lápis de cor e tinta-da-china. Contribuiu com ilustrações para o livro “Any Time Is Tee Time”, fortemente elogiadas por António Jorge Ramalho em "CanaldeLivros.com". 

Pinta e ilustra cenários, ambientes idealizados num contexto místico e espiritual. Tem providenciado ao longo dos tempos algumas exposições das suas obras de arte, destacando-se: Casino – Figueira da Foz – 2000; Casa da Mutualidade – Coimbra – 2015; CAE – Centro de Artes e Espetáculos – 2016.“

Para mais informação, poderá consultar-se o blogue http://ilustracaonunofreire.blogspot.pt/

“Palavras com Cor”, as que foram ditas e as que as obras de arte expostas continuam a dizer, as minhas para quê?!

A exposição pode ser visitada até ao próximo dia 14 do corrente mês. 

Lisete de Matos

Açor, Colmeal, 7 de maio de 2017.