quinta-feira, 23 de junho de 2016

Gastronomia serrana - Cabrito estonado



Ingredientes: 1 cabrito, banha, colorau, dentes de alho, salsa, louro, pimenta preta, presunto, sal e vinho branco

O cabrito deve ser cabritinho, até mês e meio.
Morto o carito estona-se, isto é: mete-se o cabrito pouco a pouco em água a ferver e tira-se-lhe o pelo à medida que vai sendo escaldado para não ofender a pele.
Depois de estar estonado, retiram-se as tripas e as vísceras ao cabrito. Lava-se muito bem lavado, ficando a escorrer de um dia para o outro. No outro dia barra-se o cabrito com pasta feita com o alho, pimenta, colorau, sal e vinho branco. Migam-se os miúdos do cabrito, junta-se o presunto também bem migado, a salsa e o louro. Estes bocadinhos fazem um recheio ao qual se junta um pouco da pasta que o barrou e mete-se na barriga do cabrito, sendo a abertura cozida com agulha e linha. Assim fica três ou quatro horas. Barra-se o cabrito com a banha e coloca-se nos paus de loureiro que estão na assadeira de barro a fazer de grade. De vez em quando rega-se com vinho, e quando estiver tostado de um lado, vira-se para assar do outro.


ESTONAR Tirar a pele ou a casca. Escaldar. Chamuscar. 
In «Sabores da Aldeia», Edição ADXTUR-Agência de Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto

3 comentários:

Orlando Sousa Santos disse...

Esta receita será para incluir, como documento complementar, num contrato outorgado na visita às Aldeias Históricas ou é apenas mera coincidência?

António Santos disse...

Nunca é demais divulgarmos a nossa gastronomia serrana. E aprendê-la com quem sabe. Esta receita que consta do livro referenciado, foi obtida pelos autores, junto da Senhora D. Maria do Carmo, da localidade de Álvaro, concelho de Oleiros.
Recolher estes sabores e estes saberes junto dos mais idosos é fundamental para que não se percam na voragem do esquecimento.
Neste passeio às Aldeias Históricas, aproveitamos para brincar um pouco com a possibilidade de nos deliciarmos com um cabrito estonado, algures cozinhado por quem sabe.
A publicação desta receita, aqui no blogue, poderá ser o ponto de partida para nos fazermos à estrada. Quem não gostará de nos acompanhar para confirmarmos como é excelente a gastronomia serrana?

Rosário Cardoso disse...

Quase não como carne, mas não resisto a um cabritinho assado ou um ensopado de borrego, esta receita deve ser muito boa, ainda bem que é divulgada para os mais novos conhecerem e preservarem, obrigada