terça-feira, 29 de março de 2016

BELEZAS E RIQUEZAS DA SERRA. DA ESPANTALHA E DA CARRIÇA


Costumo dizer, sendo muito incompleta, que os espantalhos servem para atrair pássaros e o espanto das pessoas! Muito tempo passado, já nem me lembro se sempre pensei assim ou se apenas depois de ter lido “O Espanta-Pardais” de Maria da Rosa Colaço, uma obra imperdível da literatura para todos! Isto, quando havia searas e milheirais, e os espantalhos ocupavam um lugar cimeiro na sua proteção e no imaginário das crianças! 

Seja como for, gosto de fazer espantalhos, especialmente se em parceria com a minha filha Catarina, autora das caras patuscas que alguns ostentam. De facto, para espanto dos meus vizinhos e dos forasteiros que nos visitam! Com eles, as espantalhas – sim, porque são mulheres - têm corrido mundo, imagino que à procura da Estrada-Larga do livro de Maria Rosa Colaço! 


Sobre o atraírem pássaros, finalmente as provas! Protegido pelo seu xaile, um ninho de carriça nas costas da espantalha! Foi a Elsa que o viu. Não estava lá, em Dezembro, quando a rapariga se vestiu de inverno! 


Por entre o adejar do xaile, fotografei o ninho de longe, para não perturbar. Que maravilha! Uma obra-prima da mais ancestral e moderna arquitetura habitacional! Quanto trabalho! Uma ternura! Também por me lembrar uma brincadeira da minha mãe, envolvendo um ninho de carriça vazio, amêndoas e a Páscoa! 



A carriça (habitante das cavernas) é considerada a espécie mais pequena da avifauna portuguesa. É uma avezita tão ativa e irrequieta, que jamais a consegui “prender” no afago da minha objetiva! Por isso, a fotografia é da internet. 

Foto tirada por Dinis Cortes

Devido à sua vulnerabilidade, não deve divulgar-se a localização de ninhos. Porém, ciente da generosidade e do apreço de todos pela natureza, na diversidade das suas manifestações, partilho o encantamento à laia de folar de Páscoa.

Lisete de Matos
Açor, Colmeal, 26 março 2016.

1 comentário:

António Santos disse...

A Natureza é bela mas mais belo ainda é saber contemplar e apreciar a natureza.