domingo, 23 de agosto de 2015

Centro de Cultura e Convívio


Foi no passado dia 11 de Agosto que a União Progressiva conseguiu realizar um sonho antigo dos seus associados e dos Colmealenses. Com a assinatura de um Protocolo de Cooperação com a Comissão da Fábrica da Igreja do Colmeal a União procedeu a benfeitorias no imóvel do Centro Paroquial e preparou o espaço para nele poder funcionar um Centro de Cultura e Convívio.


Estiveram presentes os principais obreiros que décadas atrás criaram aquele espaço e depois o ampliaram, Padre Anselmo Ramos Dias Gaspar e Padre Manuel Pinto Caetano, o actual pároco da freguesia Padre Carlos da Cruz Cardoso, presidentes da Assembleia de Freguesia e da Junta da União das Freguesias de Cadafaz e Colmeal, comunicação social regional – Rádio Clube de Arganil, O Varzeense e A Comarca de Arganil, dirigentes de colectividades congéneres e muitos associados e amigos que enchiam o salão no piso superior.

O presidente da Direcção da União Progressiva acompanhado da maioria dos colegas dirigentes dos vários órgãos sociais e visivelmente satisfeito, depois de cumprimentar os presentes e justificar algumas ausências, agradeceu a todos os que tornaram possível a assinatura do protocolo e fez um historial sucinto do que era aquele espaço. Não esqueceu a contribuição valiosa dada pela Cáritas Diocesana de Coimbra com a cedência de equipamento.




Referiu alguns aspectos que foram determinantes para a assinatura do documento, como o reconhecimento pela Fábrica da Igreja Paroquial do importante papel em prol do desenvolvimento e divulgação da freguesia e nomeadamente no âmbito da cultura, desporto, recreio e ocupação de tempos livres dos seus associados e da comunidade colmealense em geral que a União ao longo da sua existência tem levado a cabo.

O reconhecimento da necessidade de um espaço onde a União pudesse instalar a sua biblioteca, expor os troféus desportivos e as peças artísticas que possui, promover a realização de reuniões, convívios e outras manifestações que tendessem a ocupar os tempos livres, como já o havia feito nos anos setenta do século passado.
A Fábrica da Igreja Paroquial desde sempre esteve interessada e disponível para acompanhar, incentivar e apoiar todas as acções em prol do progresso e bem-estar da população e ao apreciar o trabalho que a União vem desenvolvendo, disponibilizou-se para celebrar o Protocolo de Cooperação.

Como salientou o presidente da Direcção “Não se trata de um projecto individual ou pessoal, mas sim da realização de um projecto conjunto da União Progressiva da Freguesia do Colmeal.
Será um espaço a que convencionámos chamar «Centro de Cultura e Convívio».
Necessitava de obras. Procedemos à sua recuperação, interior e exteriormente.
Adquiriu-se algum equipamento tido como indispensável e estamos convencidos de que as condições mínimas estarão reunidas para poder ser utilizado regularmente e a contento de todos. Não será uma casa comercial. Há dois estabelecimentos abertos ao público, e não está, nem nunca esteve nos nossos propósitos, fazer qualquer concorrência a quem já enfrenta as suas dificuldades.    
Poderá ser utilizado para convívios, homenagens, exposições, concertos, teatro, festas, jogos, leitura ou apenas para ver televisão.”

À disposição de todos está uma Biblioteca, que já aqui funcionava, a título precário, desde Dezembro de 2006, onde poderão encontrar o livro que procuram e desfrutar dos benefícios da leitura.



Foi criado também um EspaçoArte com obras de diferentes manifestações de arte – pintura, escultura, trabalhos em madeira ou em ferro, de autoria de associados e que aos poucos tem sido enriquecido com novas ofertas.






Várias fotografias antigas do Colmeal, com casas negras de pedra e telhados de loisa.
Uma Galeria com fotografias que nos recordam homens que muito de si deram para que a União Progressiva ultrapassasse os tempos difíceis dos seus primórdios. Fazem parte da nossa memória colectiva, do passado, da história da União. Uma história de que todos nos orgulhamos.





Seguidamente recordou o trabalho desenvolvido pelos Padre Anselmo e Padre Pinto, “porque se não fossem eles talvez hoje aqui não estivéssemos”.

A chegada do primeiro ao Colmeal foi em Outubro de 1968, com o propósito de “ todos juntos construirmos um mundo melhor, todos juntos construirmos uma comunidade paroquial cada vez mais autêntica, cada vez mais aberta aos problemas dos outros”. Foi de sua iniciativa com as Juntas respectivas a abertura de uma ligação entre Cepos e Colmeal, os Balneários à Ponte e a transformação da antiga capela de S. Nicolau em Centro Paroquial que, em 19 de Junho de 1970 teve “a inauguração, simples e informal, com a presença do Senhor Bispo Auxiliar de Coimbra, que satisfeito pela realização, apelou aos Colmealenses para que «não deixem que o Centro seja o que era: casa de teias de aranha, senão do vazio».”
Também por sua iniciativa e por ele ensaiadas, ainda à luz do «petromax», foram levadas à cena as primeiras peças teatrais. Remodelou a Ermida das Seladas e ampliou o terreno fronteiriço possibilitando a realização de amigáveis jogos nos meses de Verão. Arregaçou as mangas e ajudou a espalhar pelas encostas da serra o tubo da água da Panasqueira e depois a reparar as roturas. O seu nome ficou ligado à construção da Igreja dos Cepos e à conservação da residência paroquial no Colmeal.
Quando em finais de Setembro de 72 deixou de paroquiar a nossa freguesia, alguém se lhe referiu nestes termos «O senhor Padre Anselmo despediu-se. O seu nome, nesta geração, não será esquecido. Foi um grande obreiro».

Nós hoje afirmaremos que não será só nessa geração que o Padre Anselmo não será esquecido. Na nossa, na actual e nas futuras, o seu nome continuará a ser lembrado e respeitado por tudo quanto fez pela nossa freguesia, pelos seus residentes e também pelos ausentes. Nunca esqueceremos o homem que nos diferentes domínios – pastoral, social e cultural, prestou inestimáveis serviços à comunidade, e que, em cada colmealense deixou um amigo.”

O seu nome foi dado ao Centro Paroquial, por proposta do pároco Manuel Pinto Caetano e aprovada por unanimidade em reunião de 24 de Janeiro de 1982 da Comissão da Fábrica da Igreja Paroquial, decorriam ainda as obras de ampliação. O seu nome irá continuar no Centro Paroquial onde agora funcionará o Centro de Cultura e Convívio.


O Padre Manuel Pinto Caetano tomou posse em 17 de Outubro de 1976, jovem de 33 anos e com oito de sacerdócio. Como referiu na altura “o meu serviço não é prestado apenas na igreja, tem-se estendido ao vasto campo da assistência social, da promoção cultural e da formação integral do povo.” Seis anos mais tarde despedia-se dos colmealenses e dos amigos.

Pouco depois da sua chegada, foi eleita em 19 de Dezembro uma nova Comissão para o Centro, imbuída de maior dinamismo e um Programa ambicioso: funcionamento diário, aquisição de equipamento, organização da Festa do Colmeal, fundação do Rancho, promoção de teatro e organização de duas festas locais. Antes, no número duplo de “O Colmeal” referente a Abril-Junho de 1976, noticiava-se que “A juventude do Colmeal, ensaiada pela professora primária menina Maria Helena Pinho, tem-se dedicado a fazer teatro, que tem sido do agrado da população, a qual acorre ao Centro Paroquial com todo o interesse. Recentemente, o grupo teve uma agradável actuação, que depois repetiu em Cepos, e consta que está em preparação uma nova festa. As receitas revertem em benefício da caixa escolar, que desde há tempos fornece uma refeição diária aos alunos da escola.

Grande entusiasta na criação de um rancho folclórico, o Serra do Ceira, que fez a sua apresentação no Colmeal na noite de 14 de Agosto de 1977, numa altura em que na freguesia viviam 535 pessoas e 216 fogos se encontravam habitados. Quando 109 rapazes e raparigas tinham entre 7 e 20 anos.

Duas peças foram levadas à cena pelo Grupo Cénico do Centro, num contributo da juventude para alegrar os mais idosos. Começa a sentir-se a necessidade urgente de ampliação e é lançada uma campanha para um primeiro piso. A resposta dos que estão longe é notável e as obras avançam em Março de 1981. A União contribuiu monetariamente em várias ocasiões, como tantos outros, entre anónimos, sócios e amigos do Colmeal. A inauguração simbólica, depois de outras beneficiações importantes, decorreria no dia 19 de Agosto de 1982.

No último Boletim “O Colmeal” de Agosto de 1982 faria «Na hora do adeus» uma retrospectiva da sua “passagem” – modificação das condições de vida com novas estradas, o surgir da luz eléctrica, melhor vida sócio cultural, casa de convívio ampliada, um rancho folclórico, capelas novas em Aldeia Velha e Malhada, beneficiações na capela do Sobral e na igreja do Colmeal, e enaltecia o óptimo desempenho da juventude na vida litúrgica.

Os Colmealenses sentem a sua falta. Não o esqueceram. Não o esquecerão. O seu nome ficará para sempre ligado à criação do Rancho Folclórico Serra do Ceira e à ampliação deste Centro.”

Anselmo Gaspar e Pinto Caetano lideraram as edições especiais de “O Colmeal” por ocasião dos 40 e dos 50 anos da União, a mais antiga associação regionalista da nova freguesia do concelho de Góis, que no próximo mês completará 84 anos de existência.

Para ambos, o nosso reconhecimento, a gratidão da União Progressiva, por tudo quanto fizeram pelos Colmealenses e pelo desenvolvimento das nossas aldeias. O nosso bem-haja por terem deitado mãos à obra para que este Centro fosse uma realidade. Não podemos deixar de neste momento associar a estes dois grandes obreiros o nome inquestionável de Fernando Costa. Um grande entusiasta, um filho do Colmeal, que foi também ele, um pilar importantíssimo para a realização desta e de outras iniciativas.” Assim terminou o presidente da União a sua intervenção.

A União fez a ambos a entrega de placas alusivas do acontecimento.

O Padre Anselmo visivelmente emocionado, depois de saudar os presentes, disse que “vir ao Colmeal era recordar os primeiros anos de padre.” Aludiu aos contactos com a Direcção da União, a colaboração de Fernando Costa e do grupo de jovens de Lisboa, tudo se tendo conjugado para a transformação daquele espaço em Centro Paroquial. Fazendo jus à sua memória recordou alguns pormenores envolvendo a justificação para a autorização necessária a ser dada pelo Senhor Bispo de Coimbra. Enquanto pároco da freguesia muito aprendeu e fez bastantes amizades, algumas das quais aqui veio hoje encontrar.





O Padre Pinto historiou um pouco da sua passagem por Angola e Alvares e a sua chegada ao Colmeal, aldeia que o encantou, com especial enfoque para o rio com as suas trutas e um povo que ia á missa ao domingo. Foi sua a proposta de alteração do nome do Centro para Centro Paroquial Padre Anselmo. Foi igualmente sua a ideia da criação da Residência Paroquial. “A criação do rancho começou por uma brincadeira e inicialmente tinha pessoas de Cepos, Colmeal, Sandinha, Cabreira, Cadafaz, Pessegueiro, etc. Foram-se fazendo trajes típicos e federou-se o Rancho Folclórico Serra do Ceira. Depois teve uma pausa, voltou, e agora prima pelas suas actuações nos mais variados locais. É muito interessante a sua existência.” 





O actual pároco do Colmeal, Padre Carlos Cardoso, após saudar a assistência centrou a sua intervenção na solicitação fundamentada enviada para a Diocese Episcopal de Coimbra com vista à obtenção da autorização para a cedência do espaço à União.





Os Senhores Presidentes da Junta da União das Freguesias de Cadafaz e Colmeal e da Assembleia de Freguesia depois de cumprimentarem os presentes manifestaram a sua satisfação pela concretização desta iniciativa, elogiando o aproveitamento do espaço agora disponibilizado e convertido em Centro de Cultura e Convívio.





Seguiu-se no exterior o descerramento de uma placa alusiva, com o Padre Anselmo a usar novamente da palavra porque se ”tinha esquecido de falar no presente”. Felicitou a União Progressiva pelo trabalho desenvolvido, com apreciável nível de realizações e saudável equilíbrio e estabilidade, o que a torna um exemplo no regionalismo.






A tarde prosseguiu com um pequeno lanche.

UPFC
Fotos de Francisco Silva e Armando Almeida


9 comentários:

Anónimo disse...

Curioso inaugurar o Centro no auge das férias dos Colmealenses e estes continuarem a conviver no Largo da Fonte porque o Centro de Cultura e Convívio tem estado sempre encerrado! Estranho ...

Anónimo disse...

O Centro de Cultura e Convívio foi inaugurado no período de férias dos Colmealenses mas estes ainda não tiveram o privilégio de o frequentar, dado que até hoje se mantém encerrado! Para quê tanta pompa e circunstância se o local de convívio dos que por cá estamos continua a ser o Largo da Fonte? Estranho...

Anónimo disse...

Parabéns a todos, pessoas e instituições envolvidas. Conforme referi oportunamente, o centro plasma muita da história do Colmeal e dos colmealenses, no devir apressado do tempo, da substituição das gerações e da mudança social profunda. E da presença e saudade que os objetos têm o condão de suscitar!

Lisete de Matos
Açor, Colmeal

Paula Barata Barata disse...

Bonitas fotos de um centro que me tras muitas memorias😀 . no entanto estranho nao ver neste blogue fotos da festa do colmeal que mesmonao tendo sido organizado pela uniao e uma festa dos colmealenses e que deveria merecer umas fotos neste blogue!!! Ja agora continuo a nao perceber como e que a uniao deixou de organizar uma festa que faz parte das nossas memorias!!!e resolve virar a sua actividade para viagens a diversos locais e bem, mas que deveriam servir para arranjar fundos para a realizacao de uma festa!!!!! Vou assinar esta opiniao porque quem me conhece sabe que assumo sempre o que digo. Um abraco a todos. Paula barata

Francisco Silva disse...

Este blogue funciona desde 2007 e sempre publicou os trabalhos que nos são enviados. Textos e fotos, como certamente te terás apercebido através das visitas que ocasionalmente fazes a este espaço. Várias vezes temos solicitado uma maior colaboração para que a diversidade de conteúdos mantenha um nível interessante junto dos nossos associados e amigos.
No caso vertente, festa do Colmeal, não nos foi remetido qualquer nota para ser publicada.
Os nossos agradecimentos pelo teu comentário.
Francisco Silva

aurora Braz disse...

Introduzi um comentário que não aparece
Vou tentar novamente:
"Parabéns pela concretização de mais um projecto da UPFC. Gostei de ler neste blog, as palavras do seu Presidente - Sr.DR . António Domingos Santos.
Gostei de ver as fotos de todos os presentes nesta singela homenagem. Singela mas Sentida. Gostei de rever o Senhor Padre Anselmo que me trouxe à memória todo o seu empenho na concretização dos primeiros projectos do "Centro", pelos quais tanto lutou com a colaboração inesquecível, perseverante e muito carinhosa do nosso saudoso Amigo Fernando Costa. As peças de Teatro que foram levadas à Cena, dos maravilhosos "Actores" e da Apresentadora de alguns dos Serões no Centro : Eu !
Ainda há pouco tempo. , conversei com uma aluna da Professora do Colmeal - Maria Helena Pinho - que me contou com emoção as realizações da Professora Lena, com as suas crianças.
Faço Votos de grandes concretizações de muitos projectos da União, para este espaço e que todas as Gerações Colmealenses e amigos colaborem e encontrem, nas suas maravilhosas férias no Colmeal, algum tempo para confraternização no Centro de Convívio e Cultura.
Abraços para todos os dirigentes, presentes no evento, que vi co muito agrado nas fotos deste blog : a vice-presidente, minha prima Maria Lucília Domingos Pinto Carreira da Silva, e todos ou quase todos os membros dos Órgãos sociais da União.
A todos um forte abraço.

António Santos disse...

A propósito do comentário de Paula Barata.

Em 2000 a União iniciou um período em que durante vários anos assumiu a realização das Festas de Verão no Colmeal. Até 2012 terá apenas falhado a organização por duas ou três vezes.
É natural que ao fim de todo esse tempo em que a União fez a Festa de Verão algumas pessoas se tenham cansado do figurino. Tomámos nota.
Não confundimos "crítica" com "vontade de dizer mal".

A União não tinha nem nunca terá o monopólio das festas. Avisámos com tempo que em 2013 não faríamos a festa. A possibilidade de outros assumirem o lugar de "mordomos" foi inequivocamente divulgada. Desde sempre houve quem se disponibilizasse para as chamadas "Comissões de Festas", o que este ano se veio a verificar. Saudámos a iniciativa e colaborámos no que foi possível.

A União está a comemorar 84 anos de existência e desde sempre realizou excursões com o objectivo principal de proporcionar um são convívio entre os seus associados.
São eles que nos propõem/impõem que façamos passeios, sugerindo roteiros, porque gostam do ambiente e do nível de qualidade.

A gestão da União é confiada pelos sócios à sua Direcção.
Tentamos fazer o melhor que sabemos e podemos. Para bem de todos. Temos pena que já não seja nossa associada.

A. Domingos Santos

Aurora Braz disse...

Ainda sobre a Cerimónia de inauguração /reabertura do Centro de Cultura e Convívio do Colmeal :
Apraz-me ler, mais uma vez, as sentidas palavras de boas vindas que o Sr.Presidente da UPFC dirigiu aos presentes na referida Cerimónia. E justificou os ausentes, como faz parte do Saber Estar e Saber Falar dos membros da União em ocasiões similares.
Deixo aqui uma sugestão : "para ocasião tão cheia de significado para muitos da minha geração - alguns estavam lá - faltou um pormenor , na minha opinião muito subjectiva claro:
- o envio de um Convite por escrito.
(PS - sim , é "dor de cotovelo ". Embora eu esteja a vivenciar momentos difíceis com doenças na família - mas quem não os tem?- eu seria capaz de me organizar para também estar presente.
Vi, nas fotos, pessoas com muita idade na assembleia, registei e apreciei. Estes idosos certamente se lembram muito bem dos primeiros Serões no Centro e têm tudo a ver com a sua vertente cultural.
Mais uma vez, votos de Grandes Projectos para este Centro e presentemente para o próximo almoço anual na Sertã - um lugar bem escolhido.

Secretariado UPFC disse...

Talvez não se tenha apercebido mas, no seu caso, o convite foi-lhe enviado por email. Dia 24 de Julho às 09:12.