quarta-feira, 17 de junho de 2015

A UNIÃO e as nossas belezas serranas - 2º. dia


Na manhã do dia seguinte, Domingo 31 de Maio de 2015, fomos até à Albufeira da Barragem de Santa Luzia, que constituí uma das zonas paisagísticas mais deslumbrantes do Concelho de Pampilhosa da Serra. 






O nosso passeio continuou depois em direção a Fajão, outra aldeia de xisto, onde se destacam o Museu Monsenhor Nunes Pereira, a Igreja Paroquial de Fajão – Séc. XVIII (1788), as capelas de Nossa Senhora da Guia e de S.Salvador e a Antiga Casa da Câmara e Cadeia – edifício em xisto que alberga hoje uma residencial. 




Existe ainda um típico forno comunitário que vimos a funcionar e onde nos surpreenderam simpaticamente com a oferta de uma broa, quentinha e a sair do forno, para cada um dos participantes.








Visitámos também o Museu Monsenhor Nunes Pereira, de traça marcadamente em xisto, com exposição, de muito interesse, de objetos de carácter etnográfico e obras de sua autoria nos dois andares que estão à disposição dos visitantes. Dedicou-se também este Monsenhor à recolha de objetos antigos, dos quais se destaca o conjunto de ferramentas utilizadas pelo seu pai que era carpinteiro.















Continuámos a nossa viagem em direção ao Colmeal onde teve lugar o almoço. Inicialmente previsto para o Parque de Merendas das Seladas, foi decidido alterá-lo para o futuro Centro de Convívio, espaço recentemente remodelado e que, esperamos, possa servir a todos no futuro.

Ainda antes de chegarmos ao local do almoço parámos junto à Ponte e balneários – local muito aprazível e muito frequentado no Verão – pois fizemos questão de mostrar esta zona aos nossos amigos/sócios que visitavam o Colmeal pela primeira vez.




Estiveram presentes cerca de setenta pessoas neste almoço onde nos foi muito agradável degustar bons pratos da região confecionados pelo nosso amigo José Nunes e sua Esposa e com a colaboração da nossa delegação no Colmeal. Também a nossa mesa de doces estava muito bem preenchida e variada, graças à boa vontade e generosidade das Senhoras do Colmeal.















O Sr. Presidente da Direção agradeceu a presença de todos e salientou que este almoço foi servido neste local precisamente para teste – ter a noção do espaço disponível para futuros eventos.


Seguidamente foram oferecidas pequenas lembranças aos participantes que visitavam o Colmeal pela primeira vez e foi também oferecido aos Comandos um Brasão feito pelo Sr. José Nunes que o entregou, conjuntamente com o Artur da Fonte. 





Também o Sr. Presidente da Junta proferiu umas breves palavras e findo o almoço, de seguida, dirigiram-se os presentes para o Largo D.Josefa das Neves Alves Caetano – Largo da Fonte – para tomar café.





Foi um fim-de-semana de bom convívio, e um tempo muito agradável, mas tivemos que regressar a Lisboa ao fim da tarde. 

Maria Lucília D.P.C. Silva
Fotos de Nuno Silva e Francisco Silva



3 comentários:

Anónimo disse...

A broa de Fajão ainda estava quente, quando chegou ao Colmeal. Era deliciosa. Acompanhei alguns participantes na visita que fizeram ao espaço museológico do Artur da Fonte. Foi-me dado observar o interesse e o agrado com que o visitaram, os estreantes deixando-se cativar pelo encanto das miniaturas, e dos objetos em desuso e atividades que reproduzem, os repetentes admirando tudo mais uma vez. Pudera! Reorganizado e dotado de novas obras artísticas e de novos velhos utensílios, o espaço apresenta-se agora enriquecido e o acervo valorizado pela visibilidade aumentada.

Perante a prodigalidade, a beleza e o pormenor das peças, ouvi perguntar: ”Ó Artur, quanto tempo é que tu levas a fazer … ?” “Depende”, dizia o Artur, e lá apontava um provável número de horas. Depois de, em tempos, lhe ter perguntado exatamente o mesmo, penso hoje que a questão deverá antes ser: quanto afeto, quanta sensibilidade de alma e mãos, quanta paciência e persistência …

E quanta dedicação, por parte de todos os intervenientes na organização deste e outros eventos? Na realidade, como, aliás, foi referido, a UPFC tem exercido um papel divulgador e dinamizador, que é, possivelmente, mais ativo do que outros expectáveis.

Lisete de Matos
Açor, Colmeal

Lemos disse...

Foi um passeio muito bom.
Gostei das paisagens, da broa e do queijo, das ruinas de Conimbriga e de todo o ambiente que rodeou o passeio.
Bem Haja.
Lemos

Anónimo disse...

Que belissima reportagem. ! ! Foi um passeio documentado até ao pormenor.
Parabéns e obrigada pelo envio da mesma.
Certamente o passeio ao Minho também vai correr muito bem.
Um abraço,
Margarida