segunda-feira, 18 de maio de 2015

Vamos andar por aqui…no concelho de Pampilhosa da Serra


A União Progressiva da Freguesia do Colmeal continuando a seguir a sua política de divulgação da região serrana, “vai andar” pelo concelho de Pampilhosa da Serra no fim-de-semana de 30 e 31 de Maio, como já anteriormente demos noticia.

As origens do concelho remontam ao período medieval. D. Dinis terá concedido à Pampilhosa o título de vila em 1308, mas o foral medieval foi dado por Pessoa Particular. Em 1380 D. Fernando anexou Pampilhosa ao julgado da Covilhã e a 10 de Abril de 1385 D. João I confirmou-lhe os privilégios de vila isenta, facto que conduziu à fixação do Feriado Municipal a 10 de Abril. D. Manuel outorgou-lhe foral novo a 20 de Outubro de 1513. Depois da reforma administrativa de 1855, Pampilhosa da Serra viu aumentada a sua área territorial para cerca de 397 Km2, repartidos por 8 freguesias.



Caracterizado como um território de montanha, o concelho está localizado no prolongamento da cadeia Estrela-Lousã. A pouco mais de 80 Km de Coimbra e outros tantos de Castelo Branco, Pampilhosa da Serra é um concelho de charneira entre a Beira Baixa e a Beira Litoral. Assumida como terra de contrastes, a paisagem alterna entre as cristas quartzíticas do norte e os cumes arredondados do sul, entre o verde da vegetação e o azul das águas dos rios e albufeiras.





Imponente é a paisagem que se descobre em terras de Pampilhosa. A norte, no sopé de dois graciosos penedos, avista-se a mais lendária Aldeia do Xisto: Fajão! As cristas quartzíticas descem o vale do Rio Ceira e continuam a cortar as montanhas até se elevarem ao alto dos seus 1418 metros, no Pico de Cebola. A pouca distância nasce o Rio Unhais, que no Casal da Lapa se apresenta como um imenso lago azul: a albufeira da Barragem de Santa Luzia. O silêncio que reina deixa adivinhar o som das águas, dos pássaros e da brisa que corre quente e serena.






Aqui e além, numa povoação, na encosta de um monte ou no fundo de um vale, ergue-se uma igreja ou pequena capela. Pode dizer-se que não há lugar no concelho que não tenha o seu templo. Aliada à devoção dos crentes ainda o sentido da festa: honrar o Santo Patrono. Quando chega o Verão, chegam as procissões e os arraiais. O religioso alia-se ao profano e não há aldeia que não tenha a sua quermesse e o seu bailarico. As celebrações Pascais e a Festa da Padroeira Senhora do Pranto, que tem lugar a 15 de Agosto, são as duas importantes manifestações religiosas da vila de Pampilhosa da Serra. No Verão as famílias e os amigos juntam-se, comungando o espírito de festa. Como se cozia o pão, como se tecia o linho, como se apascentava o gado. No passar dos tempos há ainda quem guarde o saber fazer do tear, o trabalhar a pedra, a perícia das rendas ou o desembaraço das rodilhas. Mãos hábeis de quem talhou manualmente os artefactos ao longo de uma vida. Os usos e os costumes tradicionais encontram-se secretamente guardados nas pequenas aldeias, onde o dia e a noite passam tranquilamente numa rotina de calendário.


Os sabores milenares de um concelho de montanha como o de Pampilhosa da Serra estão, necessariamente, ligados á floresta e aos recursos endógenos. A gastronomia tradicional surge, assim como a materialização do que se produz na região, reflectindo os costumes e as tradições ancestralmente guardadas pelas populações serranas. Da carne de cabra fazem-se os típicos Maranhos, acarinhados pela Real Confraria, e a deliciosa Chanfana que chega à mesa suculenta. A riqueza gastronómica continua com o Cabrito Assado, com o Javali, com as Trutas do Ceira e com a Tiborna, saboreada originalmente durante a azáfama dos lagares de azeite movidos pelas águas cristalinas das ribeiras. Tudo isto acompanhado com o pão, amassado com a força ímpar da Mulher serrana e cozido nos rústicos fornos de lenha!
Na doçaria destaca-se a Tigelada, o Bolo de Azeite, o Bolo de Mel e o Arroz Doce, que aqui é feito com o leite de cabra. O mel dourado da urze adoça as grossas fatias de broa que fazem as delícias das tradicionais merendas.
As aguardentes de mel e de medronho também são características da região.

Texto e fotos: Brochura da Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra

Sem comentários: