terça-feira, 29 de dezembro de 2015

A ANTONIETA DEIXOU-NOS



A Antonieta deixou-nos hoje depois de uma luta inglória e desigual contra a doença que acabou por a vencer.

Maria Antonieta Fontes de Almeida nasceu em Lisboa em 2 de Maio de 1950. Filha de Maria de Assunção Almeida e de António dos Santos de Almeida (Fontes).
Desde muito nova começou a acompanhar seu pai nas andanças do Regionalismo e foi a primeira mulher a fazer parte de um órgão da União Progressiva da Freguesia do Colmeal.
Com Ivo Santos Pinho e António de Almeida Braz integrou em Abril de 1972 a primeira Comissão de Juventude.
Nesta fotografia tirada em 2 de Outubro de 2011, Maria Antonieta com grande satisfação recebia a placa alusiva aos seus cinquenta anos de associada.

Vamos sentir a sua falta. Aos seus familiares endereçamos os nossos mais sentidos pêsames.

UPFC

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Festa de Natal no Colmeal



A União Progressiva da Freguesia do Colmeal manteve a tradição ao realizar a habitual festinha de Natal para os mais pequenitos e para os mais idosos. O Centro foi pequeno para acolher todos os que se quiseram associar a esta manifestação de carinho e de solidariedade.
Os mais pequenos rondavam a árvore de Natal, curiosos e expectantes, tentando descobrir o seu brinquedo. Os olhitos brilhavam mas também se interrogavam sobre o que estaria escondido para lá do papel de embrulho que mantinha tudo num grande mistério.
Os mais idosos iam conversando. Muitos vêem-se só ao domingo, quando das suas aldeias se deslocam ao Colmeal para a Santa Missa. Estes são os resistentes, os fiéis às suas origens.





Com a manhã a prometer chuva mantinha-se no entanto uma temperatura agradável.
Lá dentro, o calor humano e a lareira aqueciam o Centro. Na mesa, bem composta, sobressaíam os bolos confeccionados com a simpatia e o carinho de senhoras beirãs.
Os motards do Góis Moto Clube na habitual ronda que todos os anos fazem pelas aldeias do concelho nesta quadra natalícia e correspondendo ao nosso convite também se associaram alegremente no colorido dos seus fatos, com uma lembrança para os mais pequenitos.








O presidente da União em breves palavras agradeceu a presença de todos e a todos aqueles que mais uma vez, graças à sua generosidade e sensibilidade, tornaram possível a manutenção desta já tradicional festinha de Natal. O presidente da Assembleia de Freguesia manifestou igualmente o seu agrado pela feliz realização.


O Nelson, o Jorge, a Catarina, o Ricardo, o Sérgio e a Beta, que ainda não há muitos anos ali receberam os seus brinquedos, fizeram a entrega aos mais pequenos, entre os quais se encontravam os seus filhos. O Tiago ajudou… mas apenas entregou aos filhos dos outros.

















No final houve ainda uma pequena lembrança para os mais idosos.






UPFC
Fotos de Francisco Silva


terça-feira, 22 de dezembro de 2015

União visita Unidade Residencial da Cáritas



Na tarde de sábado do passado dia 12, membros da Direcção e da Delegação da União Progressiva da Freguesia do Colmeal visitaram pelo terceiro ano consecutivo a Unidade Residencial Sagrada Família, na Cabreira, onde a Cáritas Diocesana de Coimbra presta os seus cuidados a mais de cinco dezenas de utentes.











 
Palavras breves, sinceras, sentidas, proferidas tanto pelo presidente da União como da Directora Técnica da Unidade Residencial. Depois, foi a entrega de uma pequena lembrança a cada um dos residentes e o convívio que se prolongou durante o lanche. Solidariedade não é palavra vã para a União Progressiva.

UPFC
Fotos de Francisco Silva

O CARVÃO E OS FOGAREIROS


Mais um livro de Adriano Pacheco. Mais um livro, e mais um contributo do autor para a visibilidade dos modos de vida que, na Beira Serra, empurraram as pessoas para a (e)migração e, na cidade, as absorveram e distinguiram, já que escolheram Lisboa como destino favorito. É uma obra onde o autor convoca o conhecimento e a memória para falar, primeiro de carvoeiros e moleiros e da sua importância durante a Segunda Guerra, depois, de muitas das vertentes da vida no novo contexto de inserção: o alojamento precário ou partilhado; o interconhecimento como fator de obtenção ou melhoria de emprego; a especialização profissional por área geográfica de origem; a solidariedade conterrânea; a ligação às origens …

Tal como anteriormente o “Dez Reis de Gente”, também o “Idalécio”, personagem principal da obra, pode ser cada um dos que ousaram partir e ter sucesso, através da iniciativa e do trabalho esforçado, da inteligência e da organização.

Enfim, um livro com um pé lá e outro cá, em vai e vem entre a cidade e a terra, exatamente como os protagonistas do êxodo e, hoje, alguns dos seus descendentes.

Do ponto de vista do estilo, Adriano Pacheco continua a usar a ficção e uma escrita pródiga em reflexões e expressões locais, para destacar valores e práticas, ao mesmo tempo que faz “um registo apaixonado muito próximo da verdade dos factos” (p. 9). A partir de um título que pode ser visto como metáfora: carvoeiro na aldeia, taxista e empresário de transportes na cidade, de permeio, os fogareiros a carvão ou petróleo, em que os recém-chegados cozinhavam, nesses longínquos meados do século passado.

Pois, é que os “fogareiros” são os taxistas! Estes profissionais terão ganho a alcunha depreciativa, entre outras explicações, em virtude das qualidades pirotécnicas dos carros a gasogénio, no pós-guerra, da pressa com que andam ou, ainda, da fraca cordialidade de alguns (pp. 73-74, 122-126). Parece que o epiteto também se aplicava à generalidade dos aselhas em matéria de condução!

Não me canso de enaltecer a capacidade de escrita de Adriano Pacheco. Obrigada por utilizá-la para falar de realidades e grupos sociais que continuam pouco valorizados, enquanto sujeitos e agentes da história.

Lisete de Matos
Açor, Colmeal, 21 dezembro de 2015.


quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Festa de Natal 2015



A União Progressiva da Freguesia do Colmeal tem o grato prazer de a(o) convidar para nos honrar com a sua presença, no próximo dia 13 de Dezembro pelas 11 horas, após a missa dominical, no edifício do Centro de Cultura e Convívio, onde realizaremos a tradicional festa de Natal com distribuição de brinquedos aos mais pequenitos e a habitual confraternização com a população residente durante o lanche.



O espírito de solidariedade que sempre caracterizou o nosso Movimento Regionalista tem-nos permitido realizar desde há algumas décadas este fraterno convívio de Natal.
A generosidade dos associados e entidades que habitualmente nos têm acarinhado nesta iniciativa tem sido fundamental para podermos continuar a levar aos mais novos e aos mais idosos palavras de conforto, a nossa amizade e o nosso carinho.

Contamos com a sua presença.

A Direcção