quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Pequenas Miniaturas GRANDES MEMÓRIAS




O Posto de Turismo de Góis foi pequeno para acolher terça-feira à tarde todos aqueles que quiseram estar com o Artur Fonte na inauguração da sua Exposição. Entidades representativas do concelho, familiares e amigos, todos eles quiseram testemunhar-lhe o seu apreço, bem visível nas palavras que lhe dirigiram, e também a sua amizade e o incentivo para que continue o trabalho notável ali exposto.


Artur Domingos da Fonte é natural do Colmeal e nosso colega na Direcção da União Progressiva. O desdobrável desta exposição dá-nos conta que “Começou a fazer miniaturas em 2008 como forma de ocupação dos seus tempos livres. Iniciou-se na miniaturização em madeira com um carro de bois, peça que fez questão de incluir e destacar na Exposição “Pequenas Miniaturas, Grandes Memórias”.


A Dr.ª Lisete de Matos referiu-se com visível emoção ao Artur e aos seus trabalhos. E pegando num deles a que o autor chamou de “Os meus brinquedos”, onde se viam a fisga, o pião, o laço e a gancheta, o carrinho de rodas, o estoque e também a roçadoira e a corda de ir ao mato, falou da infância e da juventude e o que eram os brinquedos de um menino/rapaz simples de aldeia, onde o trabalho duro não escolhia a idade.


Como depois o Artur diria na sua simplicidade, aquela exposição não era só dele, era dos dois, porque a Dr.ª Lisete, sempre incansável e interessada na preservação e promoção das tradições e dos trabalhos artesanais, tinha sido a grande mentora e principal responsável por esta realização.





Uma excelente colectânea de trabalhos que, finalmente, e ainda bem que o fez, o Artur permitiu que partilhássemos fora da sua “loja”. Todas estas miniaturas são parte das suas e das nossas memórias (pelo menos dos mais “antigos”). Seria muito interessante, como foi sugerido, que os alunos das escolas visitassem esta exposição, para se darem conta de uma realidade que já não será a sua, mas que foi dos seus pais e avós. E também proporcionar aos mais idosos a recordação de outros tempos, tempos que não devem ser esquecidos, porque eles foram vividos e fazem parte das suas vidas.


Parabéns ao Artur Fonte e à Dr.ª Lisete de Matos por nos proporcionarem tão excelente exposição.

Fotos de Jorge Fonte e A. Domingos Santos

1 comentário:

Anónimo disse...

Obrigada pelas referências, que muito me fazem sentir desconfortável. O mérito é todo e exclusivamente do Artur, cuja obra pode ser reconhecida e apreciada em duas dimensões indissociáveis: a dimensão estética, que remete para beleza e emoção; e a dimensão antropológica e etnográfica, que remete para situações, atividades e modos de vida, desse modo contribuindo para a preservação da memória de muitos de nós.

Segundo li uma vez, o que permanece pessoal parte connosco, o que se torna público transforma-se em património coletivo. Assim, obrigada, Artur, pela obra e também pela partilha que, seguramente, contribuirá para a emergência de outros talentos.

Lisete de Matos
Açor, Colmeal