domingo, 13 de janeiro de 2013

Bodo





A tradição da distribuição do Bodo na Freguesia do Colmeal mantém-se e é este ano da responsabilidade da aldeia do Soito.

Será realizado junto à Igreja Paroquial no sábado, dia 19 de Janeiro, pelas 10 horas e 30 minutos, após a missa e procissão em honra do Mártir São Sebastião, padroeiro da freguesia.

Fotos referentes ao Bodo de 2010


3 comentários:

Anónimo disse...

Ouço falar no bobo, desde criança, mas não conheço a sua origem histórica (ou lendária). Sei que cada região tem a sua explicação para tradições semelhantes. Alguém me esclarece sobre a sua origem, na nossa freguesia?
Grata,
Deonilde Almeida (Colmeal)

António Santos disse...

Tentando esclarecer e responder à sua solicitação "O Bodo é uma celebração em honra do Mártir S. Sebastião, que é o santo protetor contra a fome, a peste e a guerra, e o padroeiro da freguesia do Colmeal, concelho de Góis.
O Bodo data de tempos imemoriais, quando a população prometeu ao santo todos os anos dar um bodo aos pobres se ele a livrasse de uma epidemia que então grassava. De acordo com outro registo, os bodos começaram por ser um tributo pago pelos ricos como penitência e instrumento de apaziguamento daqueles que exploravam no dia a dia. A tradição do Bodo existe em muitas outras freguesias da região e do País, variando apenas quanto ao formato e aos produtos que integram a oferenda. A longevidade do evento prende-se com o facto de a tradição ter sabido evoluir ao longo do tempo, perdendo as funções iniciais, mas ganhando outras. Prende-se também com a superstição, que está presente quando se evocam os males sofridos pelas populações que ousaram interromper a prática.
O Bodo realizava-se no dia de S. Sebastião, a 20 de Janeiro. Presentemente, na freguesia do Colmeal e outras, costuma realizar-se no fim de semana mais próximo dessa data, para viabilizar a participação dos naturais e oriundos das aldeias residentes na Grande Lisboa e dos ativos empregados. A demonstrar a abertura da tradição à mudança, sem a qual não sobreviveria, esta alteração reflete a influência da mobilidade da população e da evolução do trabalho por conta própria, na agricultura de subsistência, para o trabalho assalariado que hoje ocupa a maioria dos empregados."
...

Poderá ler o resto deste excelente trabalho da Dr.ª Lisete de Matos no texto aqui publicado no dia 11 de Fevereiro do ano passado.

Esperamos assim poder ajudar a satisfazer a sua curiosidade.

Agradecemos também as suas visitas a este nosso/seu blogue e a sua participação, que todos desejamos mais assídua, pelo magnífico contributo que nos poderá dar para melhorar este espaço.

Melhores cumprimentos,
António Santos

Soito aldeia preservada disse...

Não obstante o temporal que se abateu no país e obviamente também na Freguesia do Colmeal, que esteve ontem várias horas sem energia elétrica, foi mais uma vez possível cumprir a tradição da distribuição do Bodo, organizado pelo respetivo Mordomo, o Senhor Armando Brás do Soito.

A partir das 17H00 e com um número considerável de participantes, tendo em conta as condições climatéricas, decorreu na Casa de Convívio do Soito, um animado lanche / convívio, que inclui torresmos, castanhas assadas e bebidas e que contou com a excelente animação de alguns elementos do Rancho Folclórico Serra do Ceira e também com dois excelente tocadores de concertina do Grupo de Concertinas dos Redondos, mais concretamente o nosso Jaime Santos (natural da vizinha aldeia da Malhada e casado no Soito) e o seu amigo (cujo nome não sabemos).

Ao Grupo de Concertinas dos Redondos, na pessoa do nosso amigo Jaime Santos exímio tocador de concertina e ao Serra do Ceira, na pessoa do seu diretor Fernando Santos, nosso conterrâneo, os nossos agradecimentos.

Obrigado também a todos os conterrâneos e amigos que estiveram presentes.
António Duarte