domingo, 18 de novembro de 2012

COLMEAL, uma freguesia


Com o título “Presidentes de pouca gente” o diário Correio da Manhã (CM) publicou hoje, 18 de Novembro de 2012, três histórias de três presidentes de outras tantas freguesias que vão ser extintas. Freguesias pequenas de Bigorne (concelho de Lamego), de São Bento da Ana Loura (concelho de Estremoz) e do Colmeal, a nossa freguesia, uma das cinco do concelho de Góis.


Nesta fotografia vemos Carlos de Jesus, presidente da Junta de Freguesia do Colmeal, que parece querer dizer ao secretário José Victor, que a freguesia do Colmeal é pequena e que a querem esmagar, tirar do mapa… mas porquê?

Entre as serras da Lousã e do Açor, a 20 quilómetros de Góis, uma estrada serpenteia monte acima até à freguesia do Colmeal. Integra nove aldeias, 195 pessoas, é uma das freguesias apagadas pela reforma administrativa de Passos Coelho. Com uma população envelhecida, onde os serviços públicos escasseiam, a Junta é também aqui vista como fundamental.” Assim começa o CM por se referir à nossa freguesia que o é desde 1560, quando o Bispo de Coimbra D. João Soares entendeu por bem, face ao seu valor, elevá-la a esse estatuto. Já lá vão 452 anos.

Há pessoas que choram por causa disto. Perdemos a escola, o centro de saúde, não temos transportes públicos e agora vamos perder a freguesia. É uma injustiça para uma população envelhecida, onde este serviço faz toda a diferença” refere Carlos de Jesus, de 60 anos, o presidente da Junta que protesta ainda de uma decisão “traçada em Lisboa”. Continuando, Carlos de Jesus é bem claro quando afirma que “Vamos lutar até ao fim contra esta lei penalizadora. As pessoas procuram a Junta para preencher documentos, para pedir lenha, apoios sociais, limpezas de terrenos, apoios a instituições e ajuda na questão da TDT. Somos o apoio da população.

Está prevista no concelho de Góis a junção de Colmeal à freguesia vizinha do Cadafaz passando as duas a ter a designação de União das Juntas de Freguesia de Colmeal e Cadafaz.

Lisete de Matos, moradora numa das aldeias mais afastadas da freguesia, utiliza com frequência a Internet no edifício da Junta. “Faço nove quilómetros para aceder à Internet, pois o serviço que tenho em casa tem falhas. O fim desta freguesia é uma machadada nas espectativas da população. Vai contribuir para o abandono do território.

A freguesia do Colmeal tem sofrido ao longo dos anos o afastamento dos seus filhos que procuram melhores condições de vida em outras paragens. Sempre foi assim. Apenas vão ficando os mais idosos que resistem até ao dia de uma partida que todos temos como certa. Isto passa-se nas nossas aldeias. Na cidade, na capital, nos centros de decisão, nada nem ninguém sabe e conhece o interior do país. De Góis, apenas sabem que em Agosto há uma concentração de motas. Desertificação? O que é isso? Isolamento? Velhice? Solidariedade? Necessidades? Dificuldades? Não sabem e não querem saber.


O Correio da Manhã esteve no Colmeal no passado dia 13 a falar com as pessoas e a ouvir a indignação nas suas reclamações choradas e sentidas. A tirar fotografias para preparar esta reportagem para as “histórias” que hoje nos apresentou no seu Suplemento. Daqui a uns anos é provável que o CM volte ao Colmeal para uma nova reportagem. Talvez que esta rua que demorou tantos anos a ficar melhorada no seu piso já não tenha quem por ela passe. A desertificação também se nota nos que desistiram de pisar as pedras que tanto desejaram. A eliminação da freguesia a tudo isto ajudará.

O processo polémico que agrega, funde ou extingue mais de 1100 freguesias deverá estar concluído até Dezembro. Mas as vozes não se calarão. E as dos Colmealenses serão certamente as últimas.

Na próxima terça-feira, dia 20 de Novembro, pelas 17 horas, haverá uma reunião extraordinária da Assembleia Municipal de Góis, a fim de debater os problemas relacionados com a proposta da Unidade Técnica para a Reorganização Administrativa do Território (UTRAT), no sentido de proceder à agregação da freguesia do Colmeal com a do Cadafaz.
Será uma oportunidade para todos os Colmealenses fazerem ouvir a sua voz de descontentamento e de oposição a este extermínio feito com a régua e o esquadro nos gabinetes do poder, onde curiosamente, já se trabalha no projecto de um novo regime jurídico das autarquias locais, que prevê a criação de novos órgãos e cargos, de nível intermunicipal.

A. Domingos Santos


15 comentários:

Anónimo disse...

Muito bem UPFC, mas uma Lei que é injusta para as freguesias rurais, merecia que ao nível local, se fizesse tudo o possível para minimizar os sacrifícios das populações e é isso que exigimos caso ainda possa ser feito.

Anónimo disse...

Exemplos no Distrito de Coimbra, de fusão da Freguesia sede do Município com freguesias contíguas:

Lousã com Vilarinho
Cantanhede com Pocariça
Montemor-O-Velho com Gatões
Condeixa a Nova com Condeixa a Velha
Oliveira do Hospital com São Paio de Gramaço

António Duarte

António Santos disse...

A UPFC sempre manifestou o seu desagrado face a todo este processo. Um processo inquinado de quem não sabe a realidade deste país e que não conhece o interior, onde ainda se custa a chegar e mais custa a viver.
Estivemos na manifestação que fez parar Lisboa e onde se ouviram as vozes do descontentamento, de revolta, de Norte a Sul, daqueles que mais esquecidos são e mais espezinhados vivem, daqueles que tão mal tratados são.

A Plataforma Nacional Contra a Extinção de Freguesias vai promover "uma manifestação nacional" em Lisboa, na primeira quinzena de Janeiro de 2013, de acordo com uma notícia inserta no Correio da Manhã, de hoje.

Lá estaremos! Os Colmealenses deverão lá estar! Lutaremos até ao fim para que a freguesia do Colmeal não seja riscada do mapa.
Como agora se diz: "Que se lixe a régua e o esquadro!"

Anónimo disse...

Para mim a lei de extinção de freguesias foi uma maneira do governo nada fazer a nivel autarquico porque acabar com freguesias ou agrupa-las não é verdadeiramente uma reforma o governo tinha que dar uma resposta a TROIKA e nada mais facil de mexer era nas freguesias, por outro lado parece-me que as Juntas sempre pensaram que tudo ia morrer na praia como é costume neste País será a primeira vez que tal não acontece, Ao governo é facil seguir este metodo, porque o processo autarquico deveria ter começado pelos municipios esses sim responsaveis em grande parte pelo descalabro a que o país chegou , mas ai outros lobys se levantam e esses sim que deveriam ser agrupados e alguns até anulados, mantêm-se incolumes sem nada lhes aconteça com obras megalomanas e sem qualquer utilidade para os cidadaos, que pagam tudo isso com lingua de palmo quer em IRS IMIS taxas e mais taxas para perpetuar uma situação de total descalabro. as juntas como o elo mais fraco são as que vão apanhar por tabela, a das grandes cidades tudo bem que sejam agrupadas agora as encravadas no meio de serras é um verdadeiro atentado, as poucas populações do interior que precisam de protecção e agora ficam mais desamparadas.
E as juntas mais visadas neste processo agiram da melhor forma? porque só gritar que não queremos fusão sem qualquer outra solução acho que foi curto. foram apresentadas?

Anónimo disse...

Nesta situação toda também não deixa de ser caricato a transferencia da sede de Freguesia Cadafaz/Colmeal para o Cadafaz, as populações que estão para nascente do Colmeal e que se deslocavam ao colmeal terão mais um castigo que é ir até ao Cadafaz que poderia ser logo ali junto a estrada Colmeal-Gois mas não, ainda têm que subir a serra até ao Cadafaz quais 5/6km?, e então o cadafaz é algo do outro mundo meia duzia de casas empoleiradas na serra, ao menos que obrigassem a junta Colmeal/Gois ficar instalada na Cabreira já a coisa era decente. Assim???


Anónimo disse...

Muitas pessoas e a Junta também podia ter puxado pelos galoes..., e mudado a sua residencia para o Colmeal era capaz de ter ajudado, ter casa só de ferias e residencia em Lisboa as aldeias ficam desertas de pessoas e pessoas nº para estatistica, portanto não nos podemos queixar, temos tanta culpa como todos os outros uns de uma maneira outros de outra. Pode ser que sirva para abrir a pestana.

Anónimo disse...

Ontem à noite partilhámos mensagens contra a extinção da Freguesia do Colmeal em vários perfis do Facebook, a fim de fazer passar a mensagem de revolta contra a extinção da nossa freguesia, incluindo os perfis de alguns políticos de Góis.
Trata-se de mensagens em nada ofensivas, que estão no nosso perfil e em muitos outros e que muita gente conhece e onde se incluía os exemplos de Concelhos do Distrito de Coimbra que, a fim de pouparem freguesias rurais, agregavam a freguesia da sede com uma outra freguesia contígua.
Acontece que um desses políticos (empresário em Góis) que já tinha politizado o ser perfil para entrar no debate, se dignou apagar as nossas mensagens porque contrariavam a sua opinião, eliminando-nos da lista de amigos.
Lamentável para um político da Assembleia Municipal que ajudámos a eleger e que sempre defendemos.
António Duarte

Anónimo disse...


AMIGOS??

Quanto mais conheço os homens mais gosto do meu cão

Anónimo disse...

ORDINARIAMENTE todos os ministros são inteligentes escrevem bem, discursam com cortesia e pura dicção, vão a faustosas inaugurações e são excelentes convivas. Porém, são nulos a resolver crises. Não têm a austeridade, nem a concepção, nem o instinto político, nem a experiencia que faz o ESTADISTA. É assim que há muito tempo em Portugal são regidos os destinos políticos. Política de acaso, política de compadrio, política de expediente. País governado ao acaso, governado por vaidades e por interesses, por especulação e corrupção, por privilégio e influência de camarilha, será possível conservar a independência?”
(Eça de Queiroz, 1867)

Parece mentira tão actual e já passaram 146 anos.

Anónimo disse...

Na sequência da indignação que varreu as redes sociais, em defesa da manutenção da Freguesia do Colmeal, face à ameaça resultante da agregação de freguesias, penso que foi conseguida uma sensibilização dos políticos locais para o problema.
Esta sensibilização originou alguns “compromissos informais” de tudo ser feito para que a nossa freguesia não venha a ser agregada ou, caso isso seja inevitável, para que a sede de uma nova Junta agregada seja no Colmeal.
Neste sentido esperamos que algo seja feito a curto prazo, até porque na Freguesia do Colmeal, o grande descontentamento verificado leva que em algumas aldeias se reivindique já a mudança para uma das Freguesias e Concelhos vizinhos.
António Duarte

Anónimo disse...

Segundo informação que acabámos de obter, a tremenda injustiça traduzida na possível extinção da Junta de Freguesia do Colmeal, despertou agora a atenção do prestigiado Canal de Televisão SIC, que amanhã mesmo se deslocará à nossa Freguesia para fazer uma reportagem sobre este tema.
Naturalmente que os autarcas do Colmeal irão fazer passar a mensagem da necessidade absoluta da manutenção da nossa Junta, uma vez que a Freguesia do Colmeal é o território do Concelho onde a mesma é mais necessária, por motivos que todos conhecem.
Esta reportagem irá para o ar no próximo fim de semana, em data e hora que oportunamente aqui divulgaremos.

Esperamos que esta reportagem sensibilize os políticos concelhios para uma solução que não sacrifique a nossa Junta.

António Duarte

Anónimo disse...

Segundo informação recebida do senhor Presidente da Junta de Freguesia do Colmeal, Carlos de Jesus, a reportagem da SIC na freguesia do Colmeal, sob o tema da possível extinção da Freguesia, por agregação, incluindo reportagens no Colmeal e no Açor, terá corrido muito bem.
Das informações colhidas por aquele autarca não é ainda conhecida a data e hora exatas em que a mesma reportagem irá para o Ar, sabendo-se apenas que será nos Telejornais da SIC das 13H00 ou das 20H00, de Sábado ou Domingo (24 ou 25/11).
Se conseguirmos alguma informação mais concreta, iremos divulgar, caso essa informação não seja fornecida é melhor estar atento, ou se possível gravar os referidos programas.
António Duarte

Anónimo disse...

Segundo esta notícia do público, o Diploma sobre a agregação de Freguesias será votado já na próxima Quarta - feira na AR, seguindo-se o debate na especialidade para eventual votação final no próximo dia 14 de Dezembro. Esperamos que neste período os políticos de Góis façam alguma coisa no sentido da manutenção da Freguesia do Colmeal, que sempre se manifestou contra a agregação, contrariamente ao que aconteceu com a Assembleia de Freguesia do Cadafaz, manifestando-se a favor da agregação e reivindicando para o seu território a sede da nova freguesia, conforme http://app.parlamento.pt/utrat/index.html (ver Góis Anexo 2, páginas 26 e 27).

Parecer: Devem ser extintas as Juntas que se pronunciaram a favor e que estão mais próximas da sede dos municípios.

Anónimo disse...

O que é mais grave no meio disto tudo é que até agora foi-nos dito que a Assembleia Municipal não tinha outra alternativa do que defender a não pronúncia, uma vez que todas as Assembleias de Freguesia se tinham manifestado contra a agregação.
Porém, da leitura dos documentos anexos ao documento da Comissão Técnica, apresentado na Assembleia da República constata-se, constata-se que uma das Assembleias de Freguesia de Góis se pronunciou a favor da agregação, pelo que deveria ser essa a ser agregada, não com o Colmeal como pretendem, mas com Góis, como aliás defenderam numa primeira fase.
António Duarte.

Anónimo disse...

Morte da Freguesia do Colmeal
Tivemos conhecimento que em tempo recorde e de uma forma inesperada, foi agendado para o próximo dia 6 de Dezembro quinta feira a discussão na Assembleia da Republica da proposta de Lei que agrega Freguesias, no nosso caso e de uma forma pouco compreensível o Colmeal será agregado ao Cadafaz com a sede naquela localidade.
Iremos solicitar vários esclarecimentos quer aos grupos parlamentares quer á unidade técnica de qual os critérios adotados, igualmente iremos continuar a manifestar a nossa total oposição e rejeição desta medida quer PENALIZA a Freguesia do Colmeal.
Acompanhamos com preocupação de todo este processo desde a o seu inicio, e não baixaremos os braços perante tremenda injustiça que está a ser feita ao Colmeal enquanto Freguesia e a todos aqueles que a ela estão ligados, não percebemos porque outros territórios que também podem ser afetados negativamente não se manifestem os seus legítimos representantes, ficando alheados TOTALMENTE deste processo.
O executivo da Junta Freguesia do Colmeal estará presente no próximo dia 6 Dezembro a partir das 14 horas junto à Assembleia da Republica manifestando o seu total descontento, perante tais medidas , jamais baixaremos os braços e deixaremos de levantar as nossas vozes, convidamos todos conterrâneos que tenham possibilidade de estar connosco de se juntarem ao painel da Freguesia que levámos a Lisboa no passado dia 31 de Março e que desfilou na Avenida da Liberdade.
Na historia os homens são julgados pela obra que deixam, na politica os políticos são julgados pelo que fazem, mas cada vez mais, serão julgados também pelo que não fazem.
Carlos de Jesus
http://www.freguesiadecolmeal.pt/