sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Manifestação: Movimento apela a união contra a fusão de freguesias


O Movimento “Freguesias Sempre”, que resulta de contactos entre Juntas de Freguesias do Distrito de Coimbra, promove uma concentração no dia 3 de Março, às 15h00, na Praça 8 de Maio, contra a extinção e fusão de freguesias. O Movimento apela à participação da população.

Travar aquele que é considerado um “ataque sem precedentes às freguesias” é o objectivo da concentração.

A chamada Reforma Administrativa do Poder Local é, nota o Movimento, “uma perigosa tentativa de acabar com o Poder Local democrático”.

O Movimento critica ainda o facto de o Governo atirar agora a responsabilidade de extinção ou fusão de freguesias para “cima dos próprios autarcas”, oferecendo uma bonificação de 15 por cento nas transferências do Orçamento de Estado para 2013 para as freguesias que aceitarem ser extintas.

in Campeão das Províncias de 16/2/2012

1 comentário:

Anónimo disse...

Boa tarde amigos.
Tenho visitado o vosso blogue com alguma assiduidade e apreciado a vossa linha de conduta não se metendo ou não metendo a política no vosso espaço.
Não sei se este meu comentário será publicado, mas acreditem, que quando há situações que nos prejudicam ou podem vir a prejudicar, não nos devemos manter cómodos no sosso silêncio. E isto vem a propósito da Reforma da Administração Local, que se quer levar por diante, fazendo orelhas moucas a quem se manifestar em sentido contrário. Será que não podemos expressar as nossas ideias e as nossas convicções? Será que aqueles que estão no terreno e conhecem as situações como conhecem as suas mãos, não podem apresentar argumentos que contrariem esta reforma de papel e esquadro? Conhecem por acaso o interior deste país? Têm noção do porquê da desertificação que cada vez mais atinge a nossa região? Querem que os que ainda vivem nas nossas aldeias, as deixem de vez porque lhes tiram tudo o que lhes faz falta? Por favor, parem um bocadinho para pensar. O interior tem características próprias e muito diferentes das do litoral ou dos grandes centros (não os comerciais). Como podem ignorar os argumentos, certamente muito válidos, das autarquias que contestam a eliminação ou agregação de freguesias?
Não é falando mais alto ou gritando que poderemos fazer ouvir a nossa voz. Apenas queremos que acabe o autismo e a falta de consideração que são bem visíveis no tratamento dos mais desfavorecidos e isolados das nossas aldeias. Basta de ignorar e de calcar nos nossos idosos.