sábado, 11 de fevereiro de 2012

Assembleia Municipal de Góis - Oposição à extinção de qualquer freguesia no concelho



A Assembleia Municipal reuniu extraordinariamente no passado dia 31 de Janeiro, aprovou por unanimidade e sob proposta do presidente daquele órgão deliberativo, Dr. José António Pereira de Carvalho, um documento de oposição à extinção de qualquer freguesia no concelho de Góis.

No documento posto à votação e lido pelo presidente da Assembleia Municipal considera, entre outros, que o “(…) sentimento de unidade, de pretender fazer, protagonizado pelas Juntas de Freguesia, muitas vezes em conjunto com entidades “sui generis”, como são as Comissões de Melhoramentos, Ligas de Melhoramentos, Ligas de Amigos, etc., que tem permitido desempenhar um papel determinante na promoção dessa vivência em comunidade, potenciando e congregando sinergias de acção colectiva. E a situação das freguesias rurais no interior do país é um reflexo dos desequilíbrios de desenvolvimento regional, onde em muitas povoações se instalou nos últimos anos um sentimento de abandono e orfandade gerado em parte pela falta de emprego, pelo envelhecimento da população, pelo encerramento dos serviços – por vezes ancestrais – essenciais à vida colectiva (…)”.

Refere ainda o documento que, “(…) o habitante de uma freguesia rural sabe quem é o seu presidente da Junta e que este está sempre disposto para o atender, do mesmo modo que o presidente da Junta sabe que a sua legitimidade política advém não só da eleição popular, mas também da atenção que presta às necessidades pessoais dos seus eleitores. Nos meios rurais as Juntas de Freguesia funcionam como autênticas “Lojas do Cidadão” em escala reduzida, quando servem de postos de correio, ajudam a preencher declarações fiscais, fornecem serviços de internet, mandam levar comida a casa ou transporta os mais velhos em caso de necessidade, tornando-se portanto um bem social com um valor económico incalculável para a sua população, por muito pequena que seja, razão pela qual os presidentes de Câmaras Municipais que o Governo pretende envolver nesta reforma, na sua quase totalidade se distanciem de uma medida tão impopular como é a extinção de freguesias rurais. (…).

A proposta apresentada e a posição assumida por parte da Assembleia Municipal encontram-se ainda sustentadas pela documentação das Assembleias e Juntas de Freguesia de Alvares, Cadafaz, Colmeal, Góis e Vila Nova do Ceira, e ainda da documentação remetida por parte de várias Comissões e Ligas de Melhoramentos do concelho de Góis.

in “A Comarca de Arganil” Nº 11.942 de 9 de Fevereiro de 2012

Sem comentários: