segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Sessão de Esclarecimento sobre a Televisão Digital Terrestre



Convite

O Município de Góis convida V. Exa. a estar presente na sessão de esclarecimento sobre a Televisão Digital Terrestre, a qual contará com a presença de um representante da ANACOM, que se realiza no próximo dia 21 de Outubro, pelas 17h00, no Auditório da Casa do Artista, em Góis.

Há várias décadas que as pessoas veem televisão e, em muitos casos, esta é a sua única ligação à realidade exterior e a sua única companhia. Ficar sem ela seria uma privação inaceitável para quem desde sempre se habituou a ver televisão de forma gratuita, desta forma e para que o processo decorra sem perturbações é importante que todos estejam informados sobre o que tem que ser feito.

Portugal está obrigado a proceder ao desligamento do sinal de televisão analógico terrestre (switch-off), passando os serviços de televisão em “sinal aberto” a ser assegurados pela TDT, e cujo processo de migração que está em curso ficará concluído em 2012.

A TDT permite uma melhoria da qualidade do som e da imagem, bem como novas funcionalidades. Na generalidade, os televisores que estão à venda no mercado já se encontram preparados para receber a TDT, pelo que quem tiver um destes aparelhos apenas terá que lhe ligar o cabo de antena e passará a receber televisão digital (exceção feita para uma minoria de casos em que será necessário reorientar as antenas existentes). Quem possui um televisor convencional terá que comprar um descodificador e ligá-lo ao seu televisor, podendo assim continuar a utilizá-lo, sem necessidade de adquirir um novo. A transição para a televisão digital terrestre é um processo muito simples, mas muito sensível.

Participe na Sessão de Esclarecimento.

Gabinete de Apoio à Presidência - Município de Góis

1 comentário:

Anónimo disse...

Se me for possível, lá estarei. Para tentar perceber por que é que, para já, alguns cidadãos têm acesso a pelo menos quatro canais de televisão mediante o pagamento da contribuição audiovisual que vem incorporada na factura da electricidade, enquanto outros pagam a mesma taxa, mas só têm acesso a esses canais, em condições de recepção minimamente aceitáveis, pagando o serviço via satélite. Iguais no pagamento de impostos, a desigualdade de tratamento não deverá deixar de preocupar a entidade reguladora ANACOM.

Lisete de Matos

Açor, Colmeal, 19 de Out. de 2011