terça-feira, 20 de setembro de 2011

UNIÃO PROGRESSIVA DA FREGUESIA DO COLMEAL


1931 – 20 de Setembro - 2011

Faz hoje 80 anos a União Progressiva da Freguesia do Colmeal, a primeira colectividade regionalista a surgir na nossa freguesia e uma das mais antigas no concelho de Góis.

Pioneira de um movimento – o Regionalismo – criado para o desenvolvimento das aldeias e feito maioritariamente pelos naturais que partiram à procura de trabalho nas cidades ou noutros países, com o fim de melhorarem o seu nível de vida e garantirem o sustento dos que ficavam.

“Segundo alguns estudiosos do assunto, o regionalismo é um fenómeno associativo singular, devido à intenção expressa de fazer melhoramentos e ao facto de emergir fora do contexto para onde se dirige a sua acção, isto é, na cidade para intervir nas aldeias. Segundo outros, o movimento pode ser visto como uma expressão colectiva de forte ligação às origens que caracterizava os migrantes da zona e, ainda, como manifestação de capacidade de acção e iniciativa, sobretudo tendo em consideração os parcos recursos materiais e simbólicos de que os actores envolvidos dispunham.

Presentes ausentes com um pé cá e outro lá, ao seu empenho – exercendo pressão junto do poder político e angariando fundos através de iniciativas que também podiam ser de convívio -, se ficaram a dever as estradas por onde hoje circulamos, a água que consumimos, os lavadouros que tanto facilitaram a vida às mulheres, a electricidade, o telefone e as muitas pontes e pontões que encurtavam distâncias e aproximavam as pessoas, mais recentemente, as casas que vão surgindo a fomentar o convívio que a desertificação humana e os costumes limitam. Como observa António Lopes Machado é a ambição do progresso, o desejo de sair do marasmo em que tem vivido, ignorados do poder político, que leva os naturais das terras serranas a associar-se e pugnar pelo seu desenvolvimento.” (Lisete de Matos, Nota de abertura in Memorial da UPFC).

Para todos quantos passaram pela União o nosso profundo agradecimento e a nossa homenagem.

A. Domingos Santos