sábado, 31 de dezembro de 2011

Mensagem de fim-de-ano


Termina hoje o ano em que comemorámos os oitenta anos da nossa União.
Foi um período em que mantivemos um apreciável nível de realizações, se introduziram alguns benefícios no Parque “Os Pioneiros” e se constituiu uma nova Comissão de Juventude.

Poucas horas nos separam de 2012.
Continuamos confiantes de que conseguiremos desenvolver e levar a efeito neste novo ano um figurino de idênticas realizações tendo em vista reforçar os laços existentes entre os associados e amigos da União Progressiva, promover a nossa região e cooperar com as colectividades congéneres e órgãos autárquicos para o desenvolvimento da freguesia e do bem-estar dos seus residentes e visitantes.

Para que tudo seja possível é indispensável o seu apoio e a sua presença.
Sabe que poderá contar connosco e nós sabemos que podemos contar consigo.
Para si e para todos os seus os melhores Votos de um Bom Ano de 2012.

António Domingos Santos
Presidente da Direcção


domingo, 18 de dezembro de 2011

Natal no Colmeal



Foi um acordar diferente naquela manhã do passado domingo, dia onze. A névoa lá foi subindo devagarinho a encosta e abrindo o caminho ao Sol, porque ele também queria estar connosco na festinha de Natal.



Após a missa dominical e correspondendo ao convite da União Progressiva, os Colmealenses dirigiram-se para o Centro Paroquial Padre Anselmo, onde os aguardava a já tradicional Festa de Natal. Aproveitando a agradável temperatura no exterior os cumprimentos e a conversa alongaram-se um pouco mais.





Lá dentro o calor da lareira foi facilmente suplantado pelo calor humano que encheu por completo o espaço e onde a boa disposição era bem visível. A mesa, convidativa, evidenciava o trabalho e o carinho daqueles que continuam a partilhar um pouco de si com todos os outros.



António Santos, presidente da União Progressiva dirigiu-se a todos agradecendo o terem respondido afirmativamente ao convite e manifestou a sua especial satisfação pela presença da Presidente e do Vice-presidente da Câmara Municipal de Góis. Destacou a colaboração da Fábrica da Igreja, da Junta de Freguesia do Colmeal e da Cáritas e também das senhoras, que uma vez mais tomaram a seu cargo os doces. Referiu-se ainda à presença da União na recente Gala de Voluntariado realizada na sede do concelho e finalizou agradecendo a um casal de associados a oferta de um equipamento de manutenção que a colectividade colocará à disposição de todos os Colmealenses.


Carlos de Jesus, presidente da Junta de Freguesia do Colmeal, felicitou a União pela iniciativa e manifestou o seu agrado por tantas presenças. Centrou a intervenção na sua grande preocupação com a discussão da Reforma da Administração Local que prevê a extinção de um elevado número de freguesias. Mas a redução poderá e deverá ser feita sem diminuir a efectividade do poder local e os critérios adoptados pelo Governo não têm em conta as diferenças entre o meio urbano e o meio rural, ao usar a distância da sede do município como indicador. Quanto mais rural e interior menos sentido fará extinguir freguesias. Tudo fará e para isso tem o apoio da Senhora presidente da Câmara de Góis para que a freguesia do Colmeal não seja extinta.



Lisete de Matos, presidente da Assembleia de Freguesia do Colmeal, regozijou-se por naquele espaço se encontrarem várias gerações, que estando ali presentes eram mais importantes do que os outros “presentes”. Referiu-se com alguma emoção à criança recentemente nascida na aldeia do Soito e que iria receber a sua prendinha, e de como apreciava particularmente a realização da Festa de Natal, uma iniciativa que a União não deve deixar que se perca.




Maria de Lurdes Castanheira, presidente da Câmara Municipal de Góis, acompanhada do Vice-presidente e de um seu Assessor, mostrou-se muito sensibilizada e enalteceu o trabalho que a colectividade tem desenvolvido e congratulou-a pela iniciativa que mantém há algumas décadas. Manifestou também a sua preocupação quanto ao processo da Reforma da Administração Local, mas acredita que haverá bom senso na solução final e está solidária com Carlos de Jesus, na defesa da manutenção da freguesia do Colmeal.
Continuando a sua intervenção deu a todos uma boa notícia que de imediato foi aplaudida – o problema das calçadas no Colmeal será resolvido em 2012.



















A distribuição das prendas, sempre ansiosamente aguardada, chegou finalmente. As poucas crianças presentes evidenciavam o problema de desertificação que se vive no interior e do natural envelhecimento da população. Algumas famílias que procuraram o nosso país e as nossas aldeias para viver tentam com a sua juventude contrariar um pouco o isolamento e a solidão dos residentes, cada vez em menor número.







A terminar este agradável convívio as senhoras presidentes da Câmara de Góis e da Assembleia de Freguesia do Colmeal ajudaram o presidente da União a entregar uma pequena lembrança aos mais pequenos de outros tempos.

A Direcção da União Progressiva da Freguesia do Colmeal, colectividade que está a comemorar os seus oitenta anos de existência, agradece muito reconhecidamente a todos os que tornaram possível este convívio e os momentos de felicidade e alegria vividos e partilhados pelas várias gerações presentes.

A todos um grande BEM HAJAM!

Fotos de Catarina Domingos, Francisco Silva e Nuno Silva

1 de Janeiro - Cantar das Janeiras na Freguesia do Colmeal


clique para ampliar

Noutros tempos por estas aldeias, cantavam-se as Janeiras. Alguns habitantes das aldeias juntavam-se, e de casa em casa iam dar as boas vindas do novo ano, à população. A Lousitânea com o apoio do Grupo de Concertinas Sem Eira Nem Beira, do Rancho Folclórico Serra do Ceira, da Câmara Municipal de Góis e da Junta de Freguesia de Colmeal, vai recriar esta tradição, na Freguesia do Colmeal.

Publicado por http://lousitanea.org/

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Ternura




Foi ontem. Na Festa de Natal da União, no Colmeal.

Fotos de Catarina Domingos e Francisco Silva

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Obras na Igreja do Colmeal




Como é do conhecimento público, durante a obra de remodelação da Igreja do Colmeal, e aquando do levantamento do soalho para a sua substituição, foram detectadas ossadas humanas, facto que implicou a intervenção de uma equipa especializada de arqueologia.

Desta forma, contratualizou-se a empresa, cuja acção foi dirigida pelo arqueólogo Rui Pinheiro e pela antropóloga física Zélia Rodrigues, contando com a colaboração de uma equipa de técnicos e operários de arqueologia.
Na primeira fase da intervenção que decorreu entre os dias 21 e 25 de Fevereiro, foi aberta, junto à parede Sul da nave da igreja, uma sondagem de avaliação com 10,5m², tendo-se constatado de imediato o potencial arqueológico do local. Dada a especificidade da obra a executar, que envolveu a remoção de terras do interior da igreja e, consequentemente, a destruição de esqueletos humanos, foi necessário prosseguir com os trabalhos arqueológicos em toda a extensão do edifício.
Posteriormente detectaram-se três níveis de enterramento, datados do século XVIII, embora esta datação seja preliminar. No primeiro nível de enterramento, os esqueletos foram depositados directamente na terra, no segundo as sepulturas têm orientação Oeste-Este sendo estas, covachos de forma ovalada escavados na terra, e, por fim, no terceiro nível as sepulturas foram abertas no substrato geológico. Detectou-se apenas um enterramento em caixão de madeira.
Constatou-se uma quantidade de ossadas humanas considerável, tendo sido exumados diversos ossários e esqueletos em conexão anatómica, existindo adultos (homens e mulheres) e crianças.
Associados a estes indivíduos foram encontrados diversos objectos tais como: terços, crucifixos, botões, moedas, entre outros.
Os trabalhos que decorreram, permitiram conhecer alguns aspectos da vida e da morte dos antigos habitantes do Colmeal, nomeadamente, e a partir do estudo das ossadas, a idade com que morriam, o tipo de alimentos que consumiam, as actividades que praticavam, as doenças de que padeceram e as suas práticas funerárias, entre outros aspectos.
O presente trabalho teve a duração de cerca de 6 meses e um custo que ronda os 50.000€.
Neste momento, a intervenção da empresa de arqueologia está concluída e brevemente irão prosseguir as obras no interior da igreja.
A Fábrica da Igreja tem recepcionado alguns donativos, que no entanto são insuficientes para fazer face às despesas, pelo que apelamos novamente à sua ajuda, já que se trata de uma obra que é da paróquia e para a paróquia.
Apresentamos a continuação da listagem dos donativos recebidos, até à data:

Nome  -  Localidade  -  Valor

  • Ilda de Almeida - Carvalhal - 50 €
  • Padre Anselmo Gaspar - Coimbra - 750 €
  • Tomás Gomes Sequeira - Colmeal - 50 €
  • Maria Manuela Costa - Colmeal - 500 €
  • Paulo Jorge Vicente - Suíça - 20 €
  • Joaquim Luís Pinto - Lisboa - 20 €
  • Anónimo - Ádela - 20 €
  • Anónimo - Ádela - 15 €
  • Fernando Garcia - Colmeal - 20 €
  • Aurora Domingos Henriques - Colmeal - 20 €
  • Maria Lucília Silva e Francisco Silva - Colmeal - 100 €
  • Pedro Freire e Idalina Freire - Colmeal - 200 €
  • Maria Eugénia Brás e Manuel Martins Santos - Colmeal - 100 €
  • Anónimo - Colmeal - 50 €
  • Anónima - Carvalhal - 10 €
  • José Nunes Almeida - Soito - 250 €
  • António Santos Almeida - Colmeal - 500 €
  • Padre Carlos – Oferta do Folar da Páscoa 2011 - Colmeal - 1421,50 €
  • Acácio de Almeida Paula - Ádela - 300 €
  • José Manuel Costa Ramos - Colmeal - 100 €
  • Maria Augusta Coutinho - Colmeal - 50 €
  • António Martins Soares - Açor - 50 €
  • Amílcar de Almeida - Açor - 100 €
  • Carlos Alberto Correia das Neves - Arganil - 100 €
  • Celestina da Fonte e Aníbal Nunes - Amadora - 100 €
  • Fernando Neves (2º Donativo) - Charneca da Caparica - 20 €
  • Natália Algarvio - Lisboa - 50 €
  • Américo de Jesus Brás - Aldeia Velha - 200 €
  • Anónima - Colmeal - 250 €
  • Paula Maria Almeida Domingos - Colmeal - 20 €
  • Manuela Barbara Baptista - Colmeal - 100 €
  • Anónimo - Colmeal - 50 €
  • Manuel Mendes Domingos - St. António Cavaleiros - 50 €
  • José Gaspar - Suíça - 200 €
  • Manuel Joaquim - Aldeia Velha - 150 €
  • Maria Helena Almeida Martins - França - 100 €
  • Agostinho Dias - Casal da Silva - 10 €
  • António Joaquim - Aldeia Velha - 20 €
  • Júlio Barata - Aldeia Velha - 100 €
  • Henrique Brás Mendes - Aldeia Velha - 30 €
  • Trindade Brás - Aldeia Velha - 100 €
  • Silvério Jesus Dias - Aldeia Velha - 40 €
  • Jaime da Silva - Aldeia Velha - 20 €
  • Maria Augusta e Arminda - Aldeia Velha - 200 €
  • Anónimo - Aldeia Velha - 100 €
  • Anónimo - Soito - 100 €
  • Anónimo - Colmeal - 50 €
  • Anónimo - Alvares - 400 €
  • António Costa - Lisboa - 20 €
  • Anónimo - Colmeal - 250 €

Total   -  7.526, 50 €

Total de donativos recebidos até à data  -  19.601,50 €
Agradecemos desde já, a todos, a sua colaboração.


Pela Fábrica da Igreja,

José Álvaro Domingos

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Um Sonho na Madrugada


 
Um Sonho na Madrugada. Ensaio (Pensamento/Reflexão) é o título do último livro de Felisbela A. Fontes, de Ádela. Está de parabéns a autora, mas estão-no também todos os adelenses e colmealenses por mais esta obra de uma nossa amiga e conterrânea.

Tratando-se de um ensaio, nele a autora reflecte sobre as origens e o devir da Vida, e sobre os valores e sentimentos que determinam os modos de viver. Também sobre a sua própria caminhada existencial e de conhecimento: Quem é e que forma tem a força que me colocou aqui, quem fui, na verdade ontem, quem sou hoje, quem serei amanhã, qual o fim da minha meta? (P. 115) … Ser único, talvez à imagem do Criador? Tantas interrogações … Um silêncio que às vezes magoa (P. 120). Bem presente a Felisbela que um dia me dizia, a propósito da sua ida para Lisboa: “Eu sempre quis mais alguma coisa do que havia aqui”.

Num registo simultaneamente diacrónico e sincrónico, envoltos na madrugada dealbar e omnipresente de todas as coisas, encontramos no livro o passado, o presente e o futuro: o passado que é um encadeamento de múltiplos e variados valores e sentimentos que se interpenetram e contrapõem; o presente que é o ponto zénite da vida, a fronteira entre o passado e o futuro (P. 123); o futuro que está ainda para lá do tempo … (P. 120), e é o ontem, o hoje e o amanhã (P. 124).


Nesta busca incessante pelo códice da génese humana, como diz na introdução, a autora desvela-se e revela-se na construção metafórica e alegórica do edifício que paulatinamente cimenta com palavras e frases que, por vezes, soam a poesia. Um Sonho na Madrugada, tantos sonhos, tantas madrugadas …

Mas nada melhor do que o livro para se apresentar a si próprio e à autora. Leia-o. Poderá adquiri-lo nas livrarias ou em http://www.editorialminerva.com/, quando estiver disponível.

Lisete de Matos

Açor, Colmeal, 1 de Dezembro de 2011

Casa Grande



Fica no Colmeal. No “bairro” da Eira.

Foto de A. Domingos Santos

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

CATARINA MATOS na Casa da Comédia



Catarina Matos, oriunda da aldeia do Açor (Colmeal – Góis), filha de Lisete de Matos e Pedro Matos, é uma das intérpretes da peça que está em cena na Casa da Comédia e se destina a um público escolar, que no seu programa de aprendizagem deverá estudar Gil Vicente.
Os dois últimos espectáculos realizam-se nos dias 2 e 9 deste mês pelas 21h45m.

Desejamos os maiores êxitos pessoais e profissionais à Catarina Matos.

UPFC

Rio Ceira - Palco de uma linda história de amor!...


Na margem do rio Ceira
Estava uma lavadeira
Que olhando o rio pensava
Nas noites de felicidade
Quando em sua mocidade
Nessa margem namorava

Seu amor era dos Cepos
Vivia contando o tempo
Com amor puro e leal
O coração a bater
De alegria para ir ver
Sua amada ao Colmeal

Ela ansiosa aguardava
Sempre a ver quando chegava
O amor da sua vida
E lá partiam a medo
Até ao rio em segredo
Pedindo ao luar guarida

Durante abraços e beijos
Na loucura dos desejos
Juras de amor são trocadas
E as águas daquela margem
Reflectem sua imagem
Como num conto de fadas

Casaram foram felizes
Uniram suas raízes
Arganil foi a madrinha
Numa das festas de Verão
Em dia de procissão
A noiva era uma rainha

A história que eu vos contei
Já ma contou minha mãe
Quando eu tinha tenra idade
Eram meus queridos avós
Que já não estando entre nós
Lembro com tanta saudade

Lourdes Silva


Maria de Lourdes Neves Almeida Silva é oriunda do Colmeal e este poema, tal como nos disse, é uma homenagem aos seus avós e ao seu namoro.
O seu avô, que era dos Cepos foi casado com Maria da Assumpção (Colmeal, 26/Abril/1878 - Lisboa, Penha de França, 19/Fevereiro/1957).
Maria da Assumpção, filha de Manuel Francisco Neves e de Josefa Maria de Oliveira era a terceira de seis irmãos – Manuel (1874), José (1876), Joaquim Francisco Neves (1884), António (1881) e Maria Inocência Neves (1887). Entre parênteses estão as respectivas datas de nascimento.

A. Domingos Santos

Gala do Voluntariado - Gois 2011


Clicar para ampliar

Clicar para ampliar

Município de Góis homenageia voluntariado com

GALA GESTOS SOLIDÁRIOS

No próximo dia 7 de dezembro, a partir das 21h30 no Pavilhão Gimnodesportivo o Município de Góis promove a Gala do Voluntariado “GESTOS SOLIDÁRIOS”, homenageando as instituições, coletividades e individualidades ligadas ao admirável mundo do voluntariado.

A iniciativa encerra as comemorações de 2011 enquanto Ano Europeu das Atividades Voluntárias que Promovam uma Cidadania Ativa, declarado a 27 de novembro de 2009, pelo Conselho de Ministros da U.E.. O Ano Europeu teve por objetivo geral incentivar e apoiar os esforços desenvolvidos pela Comunidade, pelos Estados-Membros e pelas autoridades locais e regionais tendo em vista criar condições na sociedade civil propícias ao voluntariado na U.E. e aumentar a visibilidade das atividades de voluntariado na U.E. e cuja operacionalização passou por: criar um ambiente propício ao voluntariado na U.E.; dar meios às organizações que promovem o voluntariado para melhorar a qualidade das suas atividades; reconhecer o trabalho voluntário; e, sensibilizar as pessoas para o valor e a importância do Voluntariado.

Neste âmbito o Município de Góis desenvolveu diversas iniciativas sociais, culturais e educativas através do estabelecimento de parcerias ao longo do ano. Saliente-se o facto de a ultima edição do “GóisOrosoArte” ter decorrido “Sob o signo da Solidariedade”, a qual foi inserida nestas mesmas comemorações.

Num momento difícil de crise financeira e económica que o País e o Mundo atravessam é importante demonstrarmos que estamos unidos enquanto povo no apoio aqueles que vivem em situações mais débeis e de fracos recursos. Desta forma, e tratando-se de uma iniciativa pública, o Município conta com a presença de todas as instituições, coletividades, associações ligadas ao mundo do voluntariado, exortando desta maneira a participação de toda a população nesta festa que pretende ser um hino a todos aqueles que trabalham em prol das suas terras sem qualquer outro objetivo que não seja promover um melhor desenvolvimento e criar melhores condições para que possamos sempre reafirmar: “É BOM VIVER EM GÓIS”.

Dia 7 de dezembro associe-se a esta Gala, que será sem dúvida alguma um momento de partilha de afetos, e que contará com a participação especial da Orquestra Clássica da Tuna Académica da Universidade de Coimbra.

Participe nesta iniciativa, contribuindo com um género alimentar não perecível (p.e. arroz, massas, etc.), que corresponderá à entrada nesta Gala. Esta recolha reverterá a favor do Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados (PCAAC).

Para mais informações poderá ser contactado o serviço de turismo e ação cultural, tef/fax 235 770 113
telm. 963 959 872
email: turismo@cm-gois.pt

Fátima Gonçalves