quinta-feira, 26 de junho de 2008

GóisArte 2008... no Colmeal

.
A Câmara Municipal de Góis, à semelhança de anos anteriores, vai realizar o GóisArte nos dias 11, 12 e 13 do próximo mês de Julho, sob o signo "A Arte e a Matemática". Sendo de todo o interesse da Câmara Municipal que esta iniciativa abranja as cinco freguesias do concelho, faz parte integrante do programa um Concerto pelo "Quarteto de Clarinetes "Claricool", que será levado a efeito no dia 12 de Julho - Sábado, pelas 22:00 horas, no Centro Paroquial Padre Anselmo, no Colmeal. Estamos convencidos que todos os residentes na freguesia não perderão esta excelente oportunidade de conviver com a música e os seus intérpretes nesta noite de sábado. Será uma noite diferente, que irão recordar, tal como ainda hoje recordamos aquela belíssima noite das "Guitarras de Coimbra" do GóisArte do ano passado. O Centro Paroquial Padre Anselmo será certamente pequeno para acolher tantos interessados. Sabemos que nos vai ajudar a divulgar este evento entre os seus amigos e que eles virão também. Contamos com todos vós. Não se esqueçam - dia 12 de Julho, no Centro. UPFC

"Encontros"

.

Josefina de Almeida, filha da freguesia do Colmeal, mais concretamente da linda aldeia do Açor onde tem as suas raízes, expõe trabalhos seus na Biblioteca Municipal João Brandão, em Tábua.
Entre 20 de Junho e 15 de Julho próximo, teremos oportunidade de apreciar os seus quadros (pintura e bordados), numa exposição que a autora diz "representar o encontro com os sentidos, sentimentos, beleza, luz, paz de espírito e com a vida". Refere ainda que " a mostra pode ser encarada como uma mensagem de paz, cujos quadros e bordados, transmitem, de um modo geral, uma forma de vida positiva". "Quanto aos bordados, estes comunicam, igualmente, uma forma de estar na vida..."
Ainda muito recentemente, aquando da caminhada "Pelos Trilhos da Ribeira de Ádela/Caminhos da Escola", os seus participantes tiveram oportunidade de observar várias obras de Josefina de Almeida, na passagem pela sua casa no Açor.
Ainda de acordo com o Jornal de Arganil, n.º 4.151 que temos vindo a citar, "em Agosto, o conjunto de cerca de trinta quadros e quinze bordados pode ser apreciado em Arganil".
Sugerimos aos Colmealenses que se deslocarem ao Colmeal para as suas habituais férias em Agosto e para as Festas de Verão, que aproveitem para dar um saltinho a Arganil e apreciar as obras desta "nossa" artista. Uma exposição a não perder.

UPFC

Enamorados pelo Colmeal




Muitos são os que visitam o Colmeal e ficam encantados com as suas belezas naturais e com as suas gentes.
Clélia Pinto e António Magalhães Pinto, dois entusiastas pelas caminhadas, uma actividade bastante saudável, vieram ao Colmeal e gostaram. Agora, são visitas frequentes e amigos dos anfitriões Maria Eugénia e Manuel Martins dos Santos, o que vem provar a excelência da hospitalidade beirã.
Aqui os temos junto ao chafariz renovado situado à Eira.

Fotos cedidas por A. Magalhães Pinto

Contraste



Foto de Mariana Brás

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Grupo dos Amigos do Sobral, Saião e Salgado homenageou Carlos Jesus

Carlos Conceição Jesus, presidente de direcção do Grupo dos Amigos do Sobral, Saião e Salgado, do concelho de Góis, foi alvo de uma homenagem, no sábado, tendo sido atribuído o seu nome ao largo adjacente à Casa de Convívio do Salgado, na qual foi também colocada uma placa pelos restantes elementos da colectividade, em forma de agradecimento “pela dedicação à causa regionalista”, nomeadamente nas aldeias do Sobral, Saião e Salgado, e pela “árdua luta travada pela existência desta casa e espaço de convívio”. Fazendo parte dos corpos sociais do Grupo desde a sua fundação, e embora tenha nascido na aldeia da Malhada, freguesia do Colmeal, Carlos Jesus continua a lutar pelo desenvolvimento destas três aldeias da freguesia, tendo em mãos a construção de uma casa de convívio no Sobral, obras que já estão iniciadas. A homenagem contou ainda com a oferta de uma salva de prata pelo Grupo de Amigos de Sobral, Saião e Salgado, que foi entregue pelo habitante mais idoso destas aldeias, que completou recentemente 100 anos, e com a entrega da medalha da Comissão de Melhoramentos de Malhada e Casais que, à semelhança de outras colcetividades, também marcou presença neste evento. Para além disso, cerca de 240 pessoas, entre familiares e amigos de Carlos Jesus, participaram no almoço convívio que se realizou no Salgado, ao qual se seguiu a actuação do Rancho Folclórico dos Povos da Ribeira de Celavisa. Refira-se que durante esta iniciativa, que contou ainda com a presença dos atletas e da equipa de apoio que participou na estafeta Góis-Lisboa, em 1990, na qual participou também o homenageado, realizou-se uma mostra e venda de produtos da terra. Para Arnaldo Rosa, tesoureiro do Grupo dos Amigos do Sobral, Saião e Salgado, e principal mentor desta homenagem, Carlos Jesus era merecedor deste reconhecimento público porque “é um grande homem da nossa colectividade”. “É uma honra ver ali o nome daquela pessoa, daquele amigo e presidente desta colectividade”, acrescentou logo após o descerramento das placas junto à Casa de Convívio do Salgado. Já Helena Moniz, vice-presidente da Câmara Municipal de Góis, enalteceu que o homenageado é “um homem com grande sentido de amizade e solidariedade serrana, sempre ao lado da promoção do seu concelho”, destacando que é também um “amante do desporto” e um “modelo de amor e dedicação ao concelho que deve ser seguido como exemplo pelas gerações vindouras”. Nesta ocasião, a vice-presidente da autarquia goiense leu a acta da reunião de Câmara de 26 de Maio de 2008, na qual o presidente da Câmara e restantes vereadores teceram algumas considerações sobre Carlos Jesus. No uso da palavra, o homenageado considerou que não era merecedor desta homenagem, alegando que “aquilo que eu tenho feito tem sido com dedicação e entrega mas não é mais do que a minha obrigação”. De seguida, a presidente da Assembleia de freguesia do Colmeal deixou também algumas palavras, afirmando que se tratou de uma homenagem “merecida” devido “ao seu trabalho e empenho em torno do desenvolvimento e bem-estar das aldeias”. “Vivemos em tempos desprovidos de manifestações de gratidão”, defendeu Lisete Matos, agradecendo aos promotores desta iniciativa por terem levado a efeito esta homenagem. Em declarações ao RCA NOTICIAS, Carlos Jesus mostrou-se muito satisfeito com o carinho demonstrado por todas as pessoas e surpreendido com esta homenagem porque “quando aceitamos fazer parte de um corpo social é para fazermos alguma coisa”, advogou. No entanto, orgulhando-se por ter contribuído para a construção da Casa de Convívio do Salgado, o regionalista contou que esta obra apenas foi possível graças “ao espírito franco e aberto que temos com as instituições e as pessoas”. Segundo Carlos Jesus, o objectivo do Grupo de Amigos do Sobral, Saião e Salgado, que foi fundado a 4 de Outubro de 1977, é “servir as populações e criar melhores condições de vida”. Questionado sobre os novos projectos para as aldeias de Sobral, Saião e Salgado, o dirigente do Grupo de Amigos revelou ao RCA NOTICIAS que neste momento já está a ser construída a Casa de Convívio no Sobral. “Depois temos de dinamizar estas casas que não podem estar fechadas”, explicou, contando que promovem um convívio anual entre as pessoas, uma vez no Salgado e outra no Sobral, alternadamente, para que os habitantes “tenham um dia diferente nas suas vidas”. Acompanhado pela mesma equipa de trabalho há 11 anos consecutivos, Carlos Jesus pretende continuar à frente do Grupo de Amigos, intencionando, contudo, “passar para um lugar de retaguarda, com a mesma dedicação”. in www.rcarganil.com

FESTAS EM HONRA DE SÃO PEDRO

SOITO [COLMEAL]
5 DE JULHO DE 2008 [SÁBADO]





PROGRAMA:

9H00 – ABERTURA DOS FESTEJOS COM APARELHAGEM SONORA

11H00 – MISSA E PROCISSÃO

12H30 – LEILÃO

13H30 – ALMOÇO COLECTIVO, mediante reserva

17H00 – PEDDY-PAPER “À Descoberta do Soito”

18H00 – ABERTURA DO BAR DA FESTA

20H30 – ACTUAÇÃO DA TUNA DA ESEC (K & BATUNA)
.
22H30 – ACTUAÇÃO DE LUÍS GONÇALVES (DONAS – FUNDÃO)
.
PORCO NO ESPETO A PARTIR DAS 21H00
.
Comissão de Melhoramentos do Soito

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Falta de água

Assistimos recentemente nos telejornais ao drama que se estava a viver em Espanha, mais concretamente na zona de Barcelona. A falta de água obrigava ao recurso de meios extra como camiões cisterna, transporte por comboio de contentores e vagões com água e a utilização de dez barcos cisterna. A crise vivida, a pior desde há sessenta anos, levava ao desespero dos catalães por verem as reservas de água descerem aos 20%. A seca já castigava esta região de Espanha há cerca de ano e meio e está considerada como a mais grave desde 1912. A falta de chuva e o caudal dos rios reduzido a um fio de água levaram a que as reservas descessem perigosamente. Tudo isto obrigou a que se tomassem medidas severas e que se pedisse a toda a gente que colaborasse e poupassem água ao máximo. Proibido regar jardins, encher piscinas e lavar automóveis foram algumas das medidas tomadas. As alterações climáticas estão a mudar rápida e silenciosamente o mundo que nos cerca. Vagas de calor, inundações e outros fenómenos meteorológicos são sinais evidentes de mudança que se encontram por toda a parte. Todos nos vamos apercebendo de mudanças quando vemos as andorinhas chegarem mais cedo ou partirem mais tarde, as árvores florirem “antes da época”, ou quando olhamos para as serras e montes que nos rodeiam e reparamos como agora são diferentes do que eram há anos atrás. Ou para o nosso rio e o vemos tão diferente em termos de caudal, o que nos causa bastante tristeza. Os sinais das alterações climáticas são inequívocos. Já todos ouvimos falar das preocupações com os glaciares que derretem, com as vagas de calor (que nós costumamos dizer que “são fora do tempo”…), lagos que vão secando ou gelam mais tarde, o avanço das areias e do deserto obrigando à deslocação de pessoas e animais, o corte desordenado da floresta, de tudo isto vamos ouvindo falar mas parece que nos importamos pouco. Na nossa freguesia, com o abandono da população jovem e o envelhecimento dos que ficam e que vão resistindo, os antigos terrenos de cultivo “estão de relva”, porque os braços já não têm força. Os poços vão secando e as levadas já não nos deixam ouvir o cantar da água na sua passagem. O arvoredo a que nos habituáramos durante muitos anos, com a passagem impiedosa dos fogos foi sendo substituído por outro mais rentável a curto prazo, mas que não teve em conta os prejuízos que viriam a causar em termos ambientais. E basta olhar para uma fotografia com alguns anos e compará-la com a realidade dos dias de hoje para ver a diferença. Como já havíamos referido anteriormente, “estudos realizados há alguns meses revelam que os portugueses já encaram a poupança de água como um hábito diário. Uma das razões apontadas para esta reviravolta é o esforço desenvolvido em termos informativos, nomeadamente através de campanhas de sensibilização que vão alertando a população para a importância deste recurso natural tão escasso.” O Senhor Presidente da Câmara Municipal de Góis, numa entrevista dada em Janeiro a “O Varzeense” avisava que “a água da rede não é para regar, é para ser poupada, pois é um bem essencial à vida”, o que nos levou a manifestar a nossa disponibilidade imediata para ajudar nessa acção. Os meses de Verão no Colmeal têm sido especialmente críticos pela grande afluência dos seus filhos que ali vão passar uns dias de merecidas férias. Ao longo dos anos foram sendo encontradas diferentes soluções para resolver as deficiências no abastecimento de água, com a procura de novas captações. Ainda em Agosto passado, José Nunes e a sua equipa dos serviços camarários, foram inexcedíveis na multiplicação dos esforços que desenvolveram para que o abastecimento de água ficasse normalizado. Recentemente, na Assembleia de Freguesia realizada no Colmeal, o espectro da falta de água em Agosto foi falado. Mas todos estamos tranquilos e confiantes de que a situação está resolvida e que as pessoas terão consciência de quanto a água é essencial e que deverá ser utilizada regradamente. Não nos devemos esquecer nunca que a água é o sustento da vida. A. Domingos Santos

Folhas soltas de Cadafaz

.
Depois da caminhada do Colmeal em que mais uma vez fiquei encantada com a forma como jovens e idosos se juntaram em franca confraternização, não posso deixar de agradecer o modo simpático como fomos recebidos nas povoações onde passámos e iniciámos a caminhada: Cepos, Ádela e Açor. Também é imprescindível salientar a proficiência e dedicação da União Progressiva da Freguesia do Colmeal que tornou possível tal sucesso. E depois de uns dias de descanso preparando-me já para o próximo ano, resolvi tentar fazer uma subida à serra da Mata (Cadafaz) levei o célebre bordão que me tem acompanhado, a máquina fotográfica, os binóculos e água. Quando parei a meio da encosta na ideia de admirar o imensurável espaço de montes e vales em que a natureza tenta sobreviver, mas a mão do homem é implacável e continua derrubando a floresta e restante vegetação. Olhei para a serra das Caveiras e consegui ver o meu primo, Miguel Mendes, sentado num grande penedo. Claro que não consegui ver o que escrevia… Agora depois de ler o artigo de 15-5 no VARZEENSE fiquei a pensar: - Até parece mentira como também do lado de cá se estejam a verificar factos tão idênticos. Pareceu-me preocupado? Eu também e nem sequer sou descendente desta comunidade. Porém a verdade é que o sistema já está tão enraizado que mesmo cortando as árvores não melhoram. Mas… Miguel não desanime é um jovem que felizmente consegue ver o presente e imaginar o futuro não esquecendo os antepassados, o que é muito importante. Pois creio que, os jovens que assim não pensarem, quando tiverem de enfrentar a realidade, será tarde demais. Porque se o mundo foi obra de Deus, a sua continuidade e conservação está na mão dos homens. Mas, não desista, vá continuando com as suas crónicas, que eu vou continuando a subir a serra se os Janeiros (que já são muitos) me ajudarem. A. Silva
in “O Varzeense” de 15Jun2008

ALDEIA VELHA E CASAIS (COLMEAL) - Assembleia de Freguesia na Casa de Convívio

.
A Liga dos Amigos de Aldeia Velha e Casais associa-se à descentralização das sessões de Assembleia de Freguesia. Nesse contexto, a Liga apeIa a todos os associados, aldeiavelhenses, colmealenses e amigos para que no próximo dia 28, às 10 horas, participem na Assembleia de Freguesia, que se realizará na Casa do Convívio de Aldeia Velha. Os problemas que cada um encontra na sua aldeia ou freguesia, devem ser discutidos no local certo. Esta sessão não se inclinará mais para os habitantes de Aldeia Velha mas sim para todos, dando-lhe oportunidade de participar e intervir e desta forma pode mesmo dizer-se que se os habitantes não vão à Assembleia, vai a Assembleia aos habitantes.
in Comarca de Arganil, 17/06/2008

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Diferentes


Tão perto e tão diferentes. Muros brancos e paredes sem cor.
Muros que com a sua alvura resguardam silêncios eternos num espaço que se pretende cuidado.
Paredes que se sentem abandonadas e se vão esboroando sem que lhes dêem atenção.
Realidades tão diferentes e tão perto com apenas uma rua a separar. E para muitos sem regresso.

UPFC

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Imprensa regional


Ao longo dos anos a imprensa regional tem desempenhado um papel muito importante junto das populações das nossas aldeias e dos que emigraram e se encontram espalhados pelos quatro cantos do mundo.
Tem sido o eco dos anseios da população serrana e das suas comissões de melhoramentos que foram surgindo ao nível das freguesias e depois nas restantes aldeias.
Tenta levar até junto das entidades competentes a voz incómoda de quem se sente esquecido e abandonado à sua sorte.
Tem vindo a superar com dificuldades acrescidas a sua luta pela manutenção e sobrevivência, graças à "carolice", determinação e empenho dos seus responsáveis e também dos seus assinantes, anunciantes e colaboradores, tanto internos como externos.
Ler a imprensa regional é imperioso para que andemos bem informados. Uma imprensa que se pretende isenta e aberta a todos e a todas opiniões. O pluralismo na informação, respeitando os critérios editoriais, é fundamental para que a nossa imprensa continue a interessar os seus leitores.
A União Progressiva da Freguesia do Colmeal tem sido presença assídua em vários órgãos de comunicação social regional. E espera poder continuar a ser, para transmitir com civismo as suas preocupações e com alegria as suas realizações.
Assim o espera.

UPFC
.

quarta-feira, 11 de junho de 2008

AÇORES... finalmente


Não foi fácil abrir a nossa caixinha das fotos. Quando se tem cerca de quatro mil fotografias de uma viagem de oito dias percebe-se facilmente que há muito trabalho para fazer. Eliminámos algumas e tentamos apresentar as restantes consoante a sua sequência.
Neste "Especial Açores 2008" que criámos especialmente para este fim, iremos gradualmente colocando as fotografias para que se possam rever e recordar momentos inesquecíveis.
Nos textos que a seu tempo e periodicamente fomos introduzindo no blogue principal tentámos dar uma panorâmica do que iria ser a nossa viagem. Vamos recordá-los de novo neste "Especial Açores 2008" à medida que formos viajando...
As suas fotografias e os seus comentários serão bem vindos. Ajude-nos a recordar. A sua colaboração será imprescindível para melhorar este trabalho.

UPFC

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Assembleia Municipal vai ser no Colmeal

A próxima Assembleia Municipal irá decorrer na freguesia do Colmeal. Depois do presidente da Assembleia Municipal, José António Pereira de Carvalho, ter apresentado a ideia, esta proposta foi aprovada por unanimidade. A deslocação da próxima Assembleia Municipal para a freguesia do Colmeal visa uma maior aproximação e conhecimento da realidade local. Para o efeito, perspectiva-se uma visita às Comissões de Melhoramentos bem como às obras em curso. Segundo informações do presidente José Carvalho, um dos principais objectivos é contactar com as pessoas e ouvir as suas necessidades, permitindo aos residentes, que se encontram mais afastados da sede do concelho, uma maior proximidade com os órgãos autárquicos, ao mesmo tempo que, permite também à Assembleia Municipal um melhor conhecimento da realidade de todo o concelho. in O Varzeense, de 30/05/2008

Filatelia






Não foi por termos ido aos Açores, e disso temos a certeza, que os CTT se lembraram de fazer esta emissão.
Há uma programação anual para a colocação dos chamados envelopes do primeiro dia, dos blocos e dos selos para circulação ou simplesmente para colecção.
Muitos deles são autênticas obras de arte, de excelente qualidade e recordam-nos momentos marcantes do nosso património cultural nos mais variados aspectos.
Já se tinha apercebido disso?

UPFC

quarta-feira, 4 de junho de 2008

O "nosso" rio



Percebe-se que as pessoas não estavam ali propriamente para tomarem o seu banho de sol. Há quatro anos, em Agosto, era esta a moldura humana que se preparava para apreciar e incentivar os atletas concorrentes às provas de natação integradas nas Festas de Verão.
Mas se estivessem para tomar o seu banho e depois "secar" um pouco, a placa tornava-se manifestamente insuficiente. Sabemos da grande procura que há por este recanto, especialmente nos meses de Verão, quando as nossas aldeias fervilham com a juventude em férias.
Também os menos jovens têm uma especial predilecção por este espaço, que é a "nossa"praia, a "nossa" piscina. Todos adoraríamos ver esta plataforma aumentada para que mais pessoas a pudessem desfrutar.
É um local aprazível. Um local que gostamos de encontrar limpo, que devemos preservar e que tem o benefício de ter uns balneários por perto onde todos se podem despir e vestir.
Estamos convencidos que as entidades locais estão atentas a esta situação e que tudo farão para melhorar e ampliar este espaço tão procurado pelos colmealenses e por todos os forasteiros que nos visitam.

UPFC

AÇORES... um sonho


Meus caros Amigos,
Desta caixa irão sair as fotografias que fomos tirando ao longo da semana que convosco passamos nos Açores.
Irão saindo a pouco e pouco. Vamos guardá-las depois, novamente na caixa, para mais tarde recordar.
Juntamente com as vossas.

Francisco Silva

Recordar "O Colmeal" 9 e 10


15 de Outubro de 1960. Neste dia, o número 9 de “O Colmeal” tinha na primeira página uma fotografia da festa do Colmeal acompanhada de mais umas palavras relativas à festa e mais algumas contas referentes a ofertas. Aos valores anunciados no número anterior, “O Colmeal” acrescenta mais 2.349$00 provenientes das aldeias da freguesia.

Nesta edição, o Santo do mês é a Senhora do Rosário. “…no alvor do século XIII, propagava-se em grande parte da Europa, a nefasta seita dos albigenses. Os sinos tocavam de terror. As igrejas eram saqueadas, os mosteiros roubados, os sacrários violados…Nossa Senhora teve dó dos homens e ajudou-os. De Tolosa apareceu S. Domingos, como capitão predestinado para comandar a santa batalha. A arma que a Santa Mãe lhe deu, era o Rosário. Cem mil albigenses se converteram em 6 meses. Nossa Senhora triunfava. Três séculos mais tarde…os turcos maometanos… reúnem uma frota de 282 galés para conquistar os mares de Veneza e destruir a Europa cristã. O Papa S. Pio V, chamou os príncipes cristãos para lhes tolherem o avanço. As armadas inimigas encontraram-se no golfo de Lepanto no dia do Rosário…os soldados cristãos içaram a bandeira de Nossa Senhora no mastro mais alto da galé…e saudaram-na. Depois bateram-se como leões e alcançaram uma vitória como até então nunca se tinha visto. Era 7 de Outubro de 1571. Todos ficaram convencidos que Nossa Senhora tinha combatido a seu lado…S. Pio V instituiu a festa de Nossa Senhora das Vitórias no dia 7 de Outubro, que Gregório XIII chamou do Rosário de Nossa Senhora por se ter ficado a dever ao Rosário tão notável auxilio ao céu…”

No espaço “A vida de O Colmeal” faz-se referência ao facto de a anterior edição ter 8 páginas e terem sido impressos 700 exemplares. Em “Badaladas”, informam-se os leitores que a aquisição do novo sino já pode ser feita pois só faltam 237$50.

Em “Sempre alegres” foram publicadas 5 anedotas e para terminar a minha consulta deste número de “O Colmeal”, transcrevo a seguinte:
“A Sr.ª Gertrudes casou duas filhas há pouco, uma no Porto, outra em Lisboa. Uma vizinha encontrando-a na rua só, diz-lhe:
- Então Sr.ª Gertrudes, sempre sozinha?
- E que hei de eu fazer?...
- Ir viver com qualquer das filhas!
- Já pensei nisso mas um genro quer que eu vá para o Porto e o outro que eu vá Para Lisboa.
- Benza-os Deus, que genros tão carinhosos!…
- Sim, mas o que vive no Porto quer que eu vá para Lisboa, e o que está em Lisboa quer que eu vá para o Porto…”

O número 10 de “O Colmeal” dizia-nos nesta sua edição de 15 de Novembro de 1960 que “Embora modestamente celebramos o 4º centenário da Freguesia no dia 16 do corrente. O programa é simples: Missa em acção de graças com prática alusiva, bênção do sino novo comemorativo desta data, repique festivo e alguns foguetes. Todos os melhoramentos levados a efeito na nossa igreja durante o ano corrente foram integrados nas comemorações do 4º centenário”.

Na primeira página faz referência à “Semana dos Seminários” que decorre de 13 a 20 de Novembro. Nessa semana deve-se orar, pedir a Deus muitas a Santas vocações sacerdotais, bons padres à Igreja e oferecer a esmola segundo as nossas possibilidades e com generosidade. Ainda nesta página surge o título “A vida muda-se mas não acaba”. Neste contexto, “O Colmeal” em nome da Santa Igreja convida todos os seus filhos no dia 2 de Novembro, a pensarem na vida de além-túmulo e a orar pelas almas que já partiram. O dia é de saudade, de luto, de tristeza mas sobretudo de preces pelos entes mais queridos. Vemos nesse dia o povo cristão em grande afluência entrar nos cemitérios, colocar flores e verter lágrimas sobre as campas e rezar fervorosamente.

No espaço “Badaladas” são apresentadas as contas relativas ao custo total do sino e do badalo para o outro que perfaz a quantia de 4.254$80. Como muitas pessoas quiseram e continuam a contribuir para esta campanha, foi iniciada uma outra que conta já com 254$10 para a aquisição de uma sineta para a Capela do Senhor da Amargura.

“Marco do Correio” de Novembro informa:
Colmeal: Para a construção do posto médico…foi recentemente oferecido o necessário terreno pelo Sr. Acácio Mendes da Veiga…
Aldeia Velha: No dia 23 de Outubro foi baptizado o menino José Brás Victor…
Carvalhal: Foi baptizado no dia 1 de Novembro o menino Arménio Nunes Baptista…
Salgado: …dia 5… realizou-se o casamento do Sr. José das Neves de Almeida com a Sra. Maria dos Santos de Almeida…
Ádela: …6 de Novembro foi baptizada a menina Ana Maria dos Santos Firmino…
Lisboa: …5 de Novembro na Casa das Beiras, uma festa levada a efeito pela União Progressiva da Freguesia do Colmeal a favor do Cofre de Beneficência da União…

Nesta edição de Novembro, “O Colmeal” brinda os seus leitores com uma apetitosa receita para o Natal.
Tigelada doce:
1. Prepare: 200 gramas de açúcar, 4 ovos, 100 gramas de queijo, 125 gramas de pão de forma, meio decilitro de leito e canela.
2. Misture o açúcar com uma colherzinha de canela em pó e os ovos e bata tudo muito bem. Parta o pão e o queijo em fatias muito fininhas e ponha em camadas alternadas (ora pão, ora queijo) numa forma bem untada com manteiga derretida, borrifando o pão com o leite bem quente e estendendo entra cada camada uma porção dos ovos que acabou de bater com o açúcar e canela.
3. Leve ao forno levando a cozes e sirva quente.

Bem, depois desta receita, até fiquei com água na boca…
Colmealenses, por agora é tudo, até breve.

Henrique Miguel Mendes

terça-feira, 3 de junho de 2008

Cobranças... difíceis...





Francisco Luiz, como todos os Colmealenses sabem, foi um homem muito ligado ao regionalismo e à União Progressiva da Freguesia do Colmeal. O "Xico das quotas" ou o "Xico" Luíz como carinhosamente era conhecido, foi um elemento sempre disponível e muito prestável para tudo o que fosse necessário para bem da sua terra e da colectividade a que estava ligado e a que tanto deu.
Recordamo-lo hoje neste passe da Carris, de há sessenta anos, que aqui trazemos para lembrança dos mais antigos e para que os mais novos vejam como era a "electrónica" daqueles tempos.
Francisco Luiz foi "um dos continuadores dos precursores e fundadores da colectividade, um dos raros colmealenses que nunca desertou, mesmo nos momentos de maior crise regionalista ou associativa". Assim se lhe referia Fernando Costa numa entrevista publicada no número especial do Boletim "O Colmeal" comemorativo dos cinquenta anos da União.
Surge como membro do Conselho Fiscal com Manuel João Miranda e Manuel Nunes Pinto na primeira lista apresentada a sufrágio na Assembleia-Geral realizada em 4 de Outubro de 1931 e dirigida por Joaquim Francisco Neves, um dos fundadores da colectividade. Curiosamente, a Direcção presidida por Joaquim Fontes de Almeida, vem mais tarde a apresentar a sua demissão tendo sido nomeada uma Comissão Administrativa.
Em 1933 e 1934 desempenha o lugar de 1.º Secretário da Direcção com Manuel Nunes de Almeida e depois com Manuel da Costa. Em 38 e 39 surge como Suplente nas Direcções de António Nunes dos Reis e de Manuel da Costa. Integra a Comissão de Festas no ano seguinte e volta de novo à Direcção, agora presidida por António Domingos Neves, como 1.º Secretário em Dezembro de 1942. De Fevereiro de 1947 a finais de 1950, como 2.º Secretário trabalha nas Direcções presididas por Joaquim Francisco Neves e António Santos Almeida (Fontes). Tem um colega de Direcção, como 1.º Secretário, que mais tarde se virá a distinguir e a notabilizar no campo das letras - José de Sousa Saramago.
Volta a ocupar o lugar de 1.º Secretário com António Santos Almeida (Fontes) e depois com Manuel Martins da Cruz nos dois mandatos seguintes.
Em 1969 e 70, já no Colmeal e como Tesoureiro, integra a Delegação com o Padre Anselmo Ramos Dias Gaspar e Alfredo Pimenta Braz. De Abril de 1972 a Julho de 76, com o mesmo cargo, trabalhou de novo com o Padre Anselmo, com José Braz da Silva e com Monsenhor António Duarte de Almeida.
Vem a presidir a Delegação da União no Colmeal no período compreendido entre Março de 1982 e Junho 1990.
Em acumulação, foi cobrador desde 1939 até 1975 e apesar de em 1969 ter ido residir para o Colmeal ainda se deslocava a Lisboa para fazer a cobrança. Segundo confidenciava a Fernando Costa na entrevista atrás referida " os associados pagavam com regularidade as quotas, mas muitas vezes tínhamos que procurá-los, pois mudavam de residência e não diziam nada."
O seu nome figura numa rua da povoação do Colmeal, numa homenagem muito justa que a União Progressiva entendeu prestar-lhe ainda em vida, em 16 de Agosto de 1981.



E fazendo jus ao velho ditado de que "filho de peixe sabe nadar" aqui temos o Joaquim Luis Pinto, filho mais novo de Francisco Luiz, na difícil tarefa de cobrar as quotas. Com Henrique Braz Mendes na Direcção ocupou os lugares de 1.º e 2.º Secretário entre Junho de 1990 e Outubro de 1997. Na Direcção de António Domingos Santos mantém um dos lugares de Vogal desde essa data até aos dias de hoje acumulando com a tarefa, nem sempre fácil, de cobrador.
Sempre voluntarioso, empenhado e sem regatear esforços é mais um exemplo a ser seguido pelos mais novos.

UPFC

domingo, 1 de junho de 2008

O Teatro foi ao Colmeal


















No passado dia 18 de Maio, pelas 16:00h, no Centro Paroquial Padre Anselmo, os Comealenses puderam assistir à actuação do Grupo de Teatro “Geração Varzeense” de Vila Nova do Ceira.
Estavam presentes cerca de 50 pessoas, que se regozijaram com as peças de teatro: “Um dia Fantástico"; "Chapéus há muitos" e "O Bêbado divertido”, muito bem encenadas pelo grupo de teatro, apesar das condições não serem as mais adequadas, dado o facto de há vários anos o Colmeal não beneficiar de actuações de teatro.
A iniciativa foi promovida pela Junta de Freguesia de Colmeal e visava proporcionar a toda a comunidade momentos agradáveis de lazer e cultura, objectivo este concretizado, pois todos os presentes ficaram deliciados com a actuação.
Face à opinião favorável dos espectadores, constata-se que no futuro, devem ser organizadas mais actividades em prol da população, para que a mesma possa passar momentos de descontracção e divertimento.
Esperamos que numa próxima oportunidade mais pessoas se juntem a estas iniciativas!!!

Texto e fotos de Catarina Domingos

Pinturas

Gois 1982

Ponte de Avô 2008

Henrique Nande

http://www.henriquenande.blogspot.com/

Eduardo dos Santos Ferreira

Há sessenta e dois anos, na Assembleia-Geral realizada em 20 de Janeiro de 1946, Eduardo dos Santos Ferreira iniciava o seu longo percurso na União Progressiva da Freguesia do Colmeal, tendo sido eleito 2.º Secretário na Direcção liderada por António Domingos Neves. Teve como colegas António dos Santos Duarte, José Henriques de Almeida, Ernesto Braz, João de Almeida e Abel Nunes de Almeida, que ainda se mantém entre nós.
O Conselho Fiscal presidido por Manuel da Costa integrava João Nunes de Almeida e Manuel Francisco Braz.
Manuel João Miranda assumia a presidência da Assembleia-Geral tendo como seus pares António Martins Mendes, António Martins da Silva e Alfredo Pimenta Braz.
A Delegação no Colmeal tinha Alfredo Alves Caetano no comando e era coadjuvado por Carlos Miranda e Manuel de Almeida Redondo.

No ano seguinte, já com Joaquim Francisco Neves ao leme dos destinos da União assume o lugar de Tesoureiro. Volta em Março de 1958 como Vogal da Direcção com José Henriques de Almeida. Dez anos mais tarde retoma o seu primeiro cargo com António Simões Lopes. Trabalha nos anos seguintes com Armando Nunes dos Reis e António dos Santos Almeida (Fontes) e assiste aos primeiros passos da Comissão de Juventude em 1972.

De Março de 1979 a Março de 1983 passa a ocupar o lugar de Relator no Conselho Fiscal onde trabalha com Armando Nunes dos Reis, José Braz, António Vieira Faria e António de Almeida Braz. Em 1983 assume a presidência do Conselho Fiscal, tendo Alfredo Campos de Almeida e Francisco José Carreira da Silva na equipa. Fernando Marques Neves assumia a liderança da Direcção neste período.
Entre Junho de 1988 e Junho de 1990, já no Colmeal, passa a desempenhar o cargo de Secretário da Delegação quando Henrique Braz Mendes comandava a Direcção.

Em Outubro de 1997 é convidado pelo actual Presidente da Direcção para ocupar o lugar de Tesoureiro na Delegação, cargo que desempenhou até Junho de 2005.
Com 82 anos feitos pediu para sair e dar lugar aos novos.
Um exemplo a ser seguido por todos aqueles que vão trilhando o caminho do regionalismo. Sempre disponível, sempre alegre e bem disposto (basta percorrer o nosso “Cantinho da Saudade” e confirmá-lo em algumas fotografias), sempre entusiasmado para colaborar e para estar presente nas realizações da sua União.
Com 85 anos feitos em Abril, Eduardo dos Santos Ferreira deixou-nos. A União e o Regionalismo ficaram mais pobres.
.
Até sempre Eduardo!

UPFC