quarta-feira, 26 de setembro de 2007

O EspaçoArte no Colmeal



O EspaçoArte, no Colmeal, situado na Biblioteca da União, recebeu o seu segundo quadro no passado Verão.


A jovem Iara Costa Caetano, com apenas nove anos de idade, vem demonstrando um notável pendor para o desenho e para a pintura.
Com traço fino, rápido e seguro depressa desenha os seus modelos como se de uma estilista se tratasse.
Revela um raro sentido de posicionamento dos elementos e das suas proporções, quer desenhe a carvão, pinte a aguarela ou utilize o guache dando-nos um formidável cambiante de cores.
Em Fevereiro último, quando sua mãe se via confrontada com graves problemas de saúde, fez esta paisagem multicolorida que a todos encantou.
Dissemos-lhe que no Colmeal, no Centro Paroquial Padre Anselmo, havia sido criado um pequeno espaço dedicado à arte e onde gostaríamos de ver obras dos nossos sócios e de todos os que estão ligados às nossas aldeias.



Solicitámos-lhe que nos oferecesse aquele trabalho com a finalidade de o trazer para o EspaçoArte do Colmeal.
Acedeu de imediato com a simpatia e a graciosidade com que todos a conhecemos.



E foi rodeada pela família antes de regressarem a França, numa cerimónia muito simples, breve mas emotiva, que no dia 15 de Agosto, a jovem Iara passou a figurar no nosso/vosso EspaçoArte.
Estamos convictos que, apesar da exiguidade do espaço, outros trabalhos em artesanato, pintura, gravura, azulejo ou esmalte se seguirão.
Há belíssimas e espectaculares obras em artesanato que precisam de ser mostradas e apreciadas por todos. São verdadeiras obras de arte. Certamente que estas pessoas, que são tão simples e boas, não se importarão de as dar a conhecer.

UPFC

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Centro de Dia no Colmeal

No sábado de 14 de Julho, o Parque de Merendas das Seladas foi pequeno para acolher todos aqueles que responderam afirmativamente ao convite formulado pela Cáritas Diocesana de Coimbra.





Em cima da mesa, para além de um belíssimo e farto almoço preparado e servido pelas senhoras do Centro, estava também a necessidade de dar a conhecer e apresentar a todos o que se pretende fazer para o novo Centro de Dia no Colmeal.



O Padre Aníbal Castelhano, responsável pela Caritas Diocesana de Coimbra e a Dr.ª Cristina Vaz, coordenadora dos Centros de Dia, explicaram com bastante clareza o que se deseja.



O actual Centro de Dia é demasiado exíguo e sem perspectivas de futuro.



A aquisição feita da antiga “Casa Mendes” não se revelou uma escolha acertada, quer pela sua localização, quer sobretudo pela dificuldade de um aproveitamento apropriado de espaços devido à sua configuração esguia e longitudinal. E isto, porque o projecto que em 12 de Dezembro de 2005 havia sido apresentado em reunião no edifício da Junta e em que a União esteve presente, suscitara algumas reticências pela localização e pelos elevados custos envolvidos.



Foi alvitrado em alternativa o edifício, mais conhecido como “Casa da Residência”, sem grande utilização ultimamente e que se tem vindo a degradar com o decorrer dos anos.
Após uma breve visita, os responsáveis da Caritas que desconheciam por completo esta hipótese, pareciam satisfeitos. Com obras indispensáveis que terão que ser feitas, os custos poderão ficar por um quarto ou um terço dos previstos para a solução inicial.



Com subsídios da Câmara Municipal, comparticipações comunitárias, ajudas das comissões de melhoramentos, da Junta e de naturais da nossa freguesia, os responsáveis da Caritas esperam tornar realidade este projecto que irá beneficiar todos os seus utentes, com um melhor e mais amplo Centro de Dia e proporcionar melhores condições para o apoio domiciliário.
Os donativos que forem remetidos para a Caritas terão como comprovativo recibos que permitirão a sua dedução no IRS.


A União Progressiva da Freguesia do Colmeal que já anteriormente havia estado ligada à obtenção de fundos para a construção da “Casa da Residência”, assumiu a sua disponibilidade para contribuir e colaborar na realização desta benfeitoria tão necessária à freguesia do Colmeal e aos seus residentes.
Tudo fará para que os seus sócios mais uma vez digam “presente!”.
Temos a certeza de que as outras colectividades da freguesia estarão ao nosso lado.
Esperamos e desejamos que se avance rapidamente.



E que se arranje uma solução que dignifique o espaço onde está o que resta da antiga “Casa Mendes”. O Colmeal merece.

P’la Direcção
A. Domingos Santos


segunda-feira, 17 de setembro de 2007

O almoço de aniversário está quase aí







A menos de duas semanas de nos voltarmos a encontrar no almoço comemorativo dos 76 anos da União Progressiva da Freguesia do Colmeal ainda tem possibilidade de fazer a sua inscrição.

Já solicitámos um autocarro de maior lotação para o Colmeal face ao número de inscrições recebidas.
Em Lisboa haverá um segundo autocarro à disposição dos nossos associados e amigos que vão querer estar connosco neste dia especial.

Sempre são setenta e seis anos. E muitos deles foram bastante difíceis, como sabemos.
Agora, já não temos aquelas tremendas e justas preocupações de nossos pais e avós com melhoramentos que tão necessários eram para as nossas aldeias.

Cultura, lazer, recreio e a divulgação das potencialidades da nossa freguesia preenchem algumas das nossas actuais actividades. Acompanhamos e apoiaremos as acções que visem o bem estar dos colmealenses e o desenvolvimento da freguesia do Colmeal.

Vamos passar um dia diferente, conviver e divertirmo-nos.
Como já referimos, é um local agradável em que os espaços verdes são recortados por pequenas línguas de água onde os patos se deliciam a nadar e se divertem em correrias entre eles.

Óptimo para os mais pequenos brincarem com alegria e os mais velhos conversarem enquanto passeiam.
E se quiser dançar... o conjunto privativo da Quinta não lhe dará tréguas.
Não perca esta oportunidade de passar um dia diferente com a sua família e os amigos.
Venha, que estamos todos à sua espera.
UPFC

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

A União foi ao Douro e vai voltar










Em 5 e 6 de Maio a União Progressiva da Freguesia do Colmeal organizou um cruzeiro no Douro, conforme noticiado, onde participaram seis dezenas de sócios e amigos da Colectividade.
No próximo fim de semana, 15 e 16, vamos voltar ao Douro vinhateiro para mais um espectacular cruzeiro.
E porque será que vamos voltar?!...
Para satisfazer todos aqueles que haviam ficado em lista de espera, porque outros querem repetir o passeio e também porque a paisagem, nesta altura do ano e época de vindimas vai ser diferente e para melhor.
Com lotação esgotada partiremos de Lisboa. Antes do almoço ainda teremos tempo para apreciar a Sé de Viseu, o Museu Grão Vasco e ouvir as explicações da guia junto à casa onde nasceu Hilário, aquele enorme vulto do fado de Coimbra.
Na passagem por Lamego, teremos a Sé Catedral com mais de oitocentos anos ou o Santuário de Nossa Senhora dos Remédios. Seguir-se-á a visita às caves de Santa Marta com prova de vinhos.
Depois, os lindíssimos jardins do Palácio de Mateus a caminho da Estalagem do Paço onde será servido o jantar e pernoitaremos.
A manhã seguinte começará cedo a caminho do cais da Régua.
O cruzeiro vai proporcionar-nos paisagens envolventes variadas a que não ficaremos indiferentes.
Estamos certos que no final os sessenta participantes não mais esquecerão este memorável fim-de-semana.
A sua satisfação irá contrastar com a tristeza de todos os que não conseguiram viajar com a União Progressiva.
Também nós temos pena que não tenha podido vir connosco.

A. Domingos Santos

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

MAGUSTO





No ano passado, em 4 de Novembro, o magusto foi como se pode ver nas fotos.
Castanhas, muita caruma, jeropiga, água-pé, torresmos, bolos, sonhos caseiros e também alguns chuviscos.
Muita animação e satisfação geral.
Houve repetição uma semana depois.
Como será este ano?
Logo se verá.
Primeiro ainda temos o segundo Cruzeiro ao Douro Vinhateiro e o Almoço dos 76 anos da União.
Mas, uma coisa é certa. Em Novembro vamos ter magusto novamente.
Contamos consigo.

A. Domingos Santos

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

No COLMEAL ouviu-se FADO DE COIMBRA





No âmbito do GóisArte 2007, este ano dedicado a Monsenhor Nunes Pereira e num gesto muito simpático e louvável da Câmara Municipal de Góis em levar esta iniciativa a todas as freguesias do concelho, o Colmeal teve o grande privilégio de poder assistir à actuação do Grupo de Fados “Guitarras de Coimbra”.

Assim, no sábado dia 14 de Julho, pelas 22 horas, o Centro Paroquial Padre Anselmo, onde está instalada a Biblioteca da União, foi pequeno para receber todos aqueles que vivem na freguesia do Colmeal e os que se deslocaram propositadamente para assistir a esta noite de fados.

Ouvir o fado de Coimbra, aquele fado muito próprio cantado e levado pelos estudantes aos quatro cantos do mundo e imortalizado por autores e cantores como Menano, Hilário, Bettencourt, Luiz Góes, Adriano Correia de Oliveira ou José Afonso foi uma oportunidade única que os Colmealenses não deixaram perder.

Estudantes (ou melhor ex-estudantes), livros, biblioteca e fado.
Não se poderia ter escolhido melhor e mais apropriado enquadramento para esta noite, que foi certamente diferente de todas as outras noites do Colmeal.

Obrigado Câmara Municipal de Góis e Junta de Freguesia do Colmeal por nos terem proporcionado uma noite diferente.

A União Progressiva da Freguesia do Colmeal esteve presente e tudo fará para que iniciativas como esta voltem ao Colmeal.

Fez-se silêncio para se ouvir o fado de Coimbra… que até teve mais encanto… na hora da despedida.

Uma nota final que pretendemos seja elucidativa e esclarecedora e apenas porque alguém questionou a carreira académica de José Afonso.

Cantor português (Aveiro, 1929 – Setúbal, 1987).
Estudante em Coimbra, onde se licenciou em Ciências Histórico-Filosóficas, foi aí que surgiram as suas primeiras actividades musicais associadas à renovação da canção coimbrã. Esteve na origem do género balada, veículo da contestação política dos anos 60. No entanto, para além da defesa de ideais políticos, a sua obra tem uma qualidade poética e musical intrínseca (nomeadamente na recriação do folclore, na introdução de instrumentos e ritmos africanos e na criação de novos ambientes sonoros) que marcou fortemente a música popular dos seus contemporâneos e das gerações subsequentes.

In “A Enciclopédia”, Editorial Verbo S.A., 2004, páginas 178/179.

A. Domingos Santos